Braskem alcança avanços na internacionalização

Em um ano especialmente desafiador, influenciado pelo agravamento da crise internacional que impactou tanto o setor petroquímico global quanto a indústria brasileira

Em um ano especialmente desafiador, influenciado pelo agravamento da crise internacional que impactou tanto o setor petroquímico global quanto a indústria brasileira, a Braskem obteve avanços importantes relacionados aos seus planos de crescimento, internacionalização e melhoria de competitividade, além de manter o foco na sua eficiência operacional. Em 2012, a companhia alcançou um EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 4 bilhões, alta de 6% sobre 2011, apesar da redução das margens internacionais do setor, causada pela baixa demanda por produtos petroquímicos nos países desenvolvidos –levando ao deslocamento de produtos para mercados emergentes e desfavorecendo a indústria nacional.
Esses efeitos negativos foram parcialmente compensados por resultados extraordinários obtidos pela Braskem e relacionados a recebimento de indenizações por quebra de contrato por terceiros, desconto referente à antecipação de pagamentos de tributos parcelados (Refis) e, principalmente, pela venda de ativos não estratégicos. Tal conjunto de fatores foi responsável por R$ 860 milhões do valor total de EBITDA gerado.
Apesar do cenário de incertezas econômicas, a companhia manteve seu compromisso com o desenvolvimento da cadeia produtiva da química e dos plásticos no Brasil e investiu R$ 1,7 bilhão, com a inauguração da nova unidade de produção de PVC em Alagoas –com capacidade anual de 200 mil toneladas; e uma de butadieno, matéria-prima para a indústria da borracha, no Rio Grande do Sul, que adicionou 100 mil toneladas de capacidade anual.

Competitividade

Os esforços em favor do aumento da competitividade, como a busca do aumento de produtividade e maior foco em inovação, permitiram à Braskem suavizar os impactos do agravamento da crise internacional, que contraiu a demanda por produtos e a rentabilidade do setor. “Com essas ações conseguimos manter nosso direcionamento estratégico e sustentar nosso programa de investimentos, com a confiança na recuperação do mercado petroquímico internacional e no crescimento do mercado doméstico em médio e longo prazos”, destaca Carlos Fadigas, presidente da Braskem.
A receita bruta registrada pela empresa no ano alcançou R$ 42,1 bilhões e a receita líquida, R$ 35,5 bilhões, um crescimento de 8% e 9%, respectivamente, na comparação com 2011. Maiores volumes de venda de resinas e de petroquímicos básicos e a depreciação do real impulsionaram o faturamento, compensando a redução dos preços médios praticados no mercado internacional. , a Braskem obteve avanços importantes relacionados aos seus planos de crescimento, internacionalização e melhoria de competitividade, além de manter o foco na sua eficiência operacional. Em 2012, a companhia alcançou um EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 4 bilhões, alta de 6% sobre 2011, apesar da redução das margens internacionais do setor, causada pela baixa demanda por produtos petroquímicos nos países desenvolvidos –levando ao deslocamento de produtos para mercados emergentes e desfavorecendo a indústria nacional.
Esses efeitos negativos foram parcialmente compensados por resultados extraordinários obtidos pela Braskem e relacionados a recebimento de indenizações por quebra de contrato por terceiros, desconto referente à antecipação de pagamentos de tributos parcelados (Refis) e, principalmente, pela venda de ativos não estratégicos. Tal conjunto de fatores foi responsável por R$ 860 milhões do valor total de EBITDA gerado.
Apesar do cenário de incertezas econômicas, a companhia manteve seu compromisso com o desenvolvimento da cadeia produtiva da química e dos plásticos no Brasil e investiu R$ 1,7 bilhão, com a inauguração da nova unidade de produção de PVC em Alagoas –com capacidade anual de 200 mil toneladas; e uma de butadieno, matéria-prima para a indústria da borracha, no Rio Grande do Sul, que adicionou 100 mil toneladas de capacidade anual.

Competitividade

Os esforços em favor do aumento da competitividade, como a busca do aumento de produtividade e maior foco em inovação, permitiram à Braskem suavizar os impactos do agravamento da crise internacional, que contraiu a demanda por produtos e a rentabilidade do setor. “Com essas ações conseguimos manter nosso direcionamento estratégico e sustentar nosso programa de investimentos, com a confiança na recuperação do mercado petroquímico internacional e no crescimento do mercado doméstico em médio e longo prazos”, destaca Carlos Fadigas, presidente da Braskem.
A receita bruta registrada pela empresa no ano alcançou R$ 42,1 bilhões e a receita líquida, R$ 35,5 bilhões, um crescimento de 8% e 9%, respectivamente, na comparação com 2011. Maiores volumes de venda de resinas e de petroquímicos básicos e a depreciação do real impulsionaram o faturamento, compensando a redução dos preços médios praticados no mercado internacional.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email