Brasileiros e estrangeiros na busca por diversos idiomas

Quando os primeiros cursos de línguas começaram a surgir em Manaus eram ministradas apenas aulas de inglês, tanto que eram conhecidos como cursos de inglês. Hoje, passadas algumas décadas, são cursos de idiomas, pois precisam atender à crescente quantidade de interessados tanto de brasileiros querendo aprender principalmente ainda o inglês, quanto os estrangeiros que não param de chegar, muitos deles com empregos no Polo Industrial de Manaus necessitando urgentemente aprender o nosso idioma.

O Wizard, cujo nome é em inglês, se notabilizou por ensinar esse idioma, mas em sua unidade no D. Pedro II, ministra aulas de espanhol, francês, italiano, alemão, japonês, mandarim e português.

“Atualmente temos uns 20 alunos ligados ao Polo Industrial de Manaus, brasileiros, estudando inglês e, alguns, mandarim. A maioria são homens, com idades entre 25 e 35 anos”, falou José Lucas, coordenador pedagógico do Wizard.

“Mas sempre aparecem estrangeiros. Já tivemos americanos, árabes da Turquia e da Arábia Saudita, japoneses e coreanos. Como eles têm urgência em se comunicar, em dois anos já sabem bastante o português”, destacou.

A maioria dos alunos desta unidade do Wizard são homens, com idades que variam entre 20 e 35 anos.

“Diria que 70% dos nossos alunos buscam aprender algum idioma para se colocar melhor no mercado de trabalho, enquanto os restantes 30% visa o lado cultural e das viagens ao exterior”, explicou.

“Apesar de ministrarmos aulas para oito idiomas, com certeza o inglês continua sendo o mais procurado. A metodologia utilizada é a mesma para todos os alunos, independente da idade e do que sabem, porém, vai depender de cada um o aprendizado. Tem pessoas que se dedicam a todo instante, enquanto outras só estudam e fazem as lições aqui”, revelou.

Com mais de 50  

O Embassy, no Aleixo, ensina apenas três idiomas: inglês, espanhol e português e tem, atualmente, mais de dez alunos asiáticos.

“Principalmente coreanos, japoneses e chineses. Todos já trabalham em Manaus, no Polo Industrial. Interessante uma aluna que temos, ela é japonesa, já sabe falar português, e agora está aprendendo inglês”, lembrou Lediany Rodrigues, coordenadora acadêmica do Embassy.

“Também têm uns alunos japoneses, que nem sabem falar o português, mas estão cursando o inglês”, esclareceu.

“Nosso maior público é de homens, com idades que vão de 30 a 60 anos. Muitos dos interessados que chegam, com mais de 50 anos, acreditam que não tem mais condições de aprender. Se enganam. Claro que tem. São pessoas que estão trabalhando, geralmente com empresas próprias, e precisam fazer negócios com o exterior”, contou.

Mas há também quem recebeu promoção na empresa multinacional e vai precisar viajar para outros países, a trabalho ou para fazer treinamentos.

“Acredito que, hoje, o mandarim é o idioma mais necessário, mas o inglês ainda é o mais procurado. Tempo para aprender? Depende da dedicação de cada um. Quanto mais se estuda, mais se aprende. Quem se dedica mesmo, domina o idioma em dois anos, mas temos um curso aqui, para quem não tem pressa, que demora seis anos, e têm alunos que não fazem questão alguma de terminá-lo”, afirmou.

“Hoje quem mais nos procura são os coreanos, querendo aprender português”, concluiu.

Pressa em aprender

O Influx, no Parque das Laranjeiras, ensina dois idiomas, o inglês e o espanhol.

“A primeira pergunta que fazemos para nossos alunos é por qual motivo eles querem aprender determinada língua e as respostas são: porque receberam promoção no trabalho, depois, para alavancar o currículo, e uma minoria, porque vai viajar e não quer depender de ninguém, ou deseja aumentar os conhecimentos”, disse Mércia Loren, consultora do Influx.

“Temos alunos de três a mais de 50 anos de idade e a maioria são mulheres. São manauaras que querem aprender inglês, pelos motivos citados antes, apesar de ter aumentado a procura pelo espanhol. Atualmente temos dez alunos coreanos, que são funcionários da Samsung, e estão estudando inglês, e já tivemos um mexicano, também interessado no idioma”, informou.

“O espanhol parece fácil, mas nosso curso demora dois anos, já o inglês são dois anos e meio, mas isso se houver dedicação, porém, geralmente os alunos têm pressa em aprender porque  as necessidades no emprego falam mais alto”, finalizou.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email