19 de abril de 2021

Brasil deve liderar 5G na América Latina até 2025

Estudo publicado pela GSM Association (GSMA) – entidade que representa os interesses das operadoras de redes móveis em todo o mundo – aponta que o Brasil deve liderar a adoção do 5G na América Latina até 2025. O relatório aponta que até o ano em questão, o país terá 18% da base total de conexões focadas na quinta geração de internet móvel, o que será o maior percentual da região.

A pesquisa da GSMA também prevê que o 5G responderá por quase 10% do número de conexões da América Latina até 2025. O leilão dos espectros para o 5G no Brasil está previsto para ocorrer ainda no primeiro semestre de 2021, mais precisamente entre abril e maio. Enquanto nosso país deve liderar a adoção em cinco anos, o México aparecerá na vice-liderança, com 12% do total de conexões no padrão na região. Na terceira colocação virá o Chile, com 8%, seguido pela Argentina (7%) e Colômbia e Peru (ambos com 6%).

4G ainda será dominante 

Mesmo com o 5G ganhando escala, o fato é que o 4G continuará sendo o padrão dominante na América Latina daqui cinco anos. Segundo o estudo da GSMA, a quarta geração de internet móvel saltará de 49% a 67% das conexões mobile na região. No Brasil, essa participação passará de 76% a 81%, com o 2G e o 3G praticamente desaparecendo.

O uso de smartphones em território brasileiro também ampliará o seu domínio. O relatório da GSMA aponta que participação deste tipo de aparelho saltará de 85% para 89% no país. Já na América Latina de forma geral, essa evolução será de 69% para 80%. O Brasil terá 175 milhões de smartphones até 2025, também liderando nesse quesito. O México, mais uma vez, vem na segunda colocação (92 milhões de aparelhos), seguindo pela Colômbia (54 milhões).

Pandemia impactou a indústria mobile

A GSMA afirma também que a pandemia de Covid-19 teve um impacto significativo nas finanças e no desempenho da indústria mobile em 2020. Segundo o estudo, as receitas diminuíram em vários mercados na América Latina, refletindo os descontos oferecidos pelas operadoras em serviços móveis para apoiar os consumidores durante o pandemia.

Outros fatores em jogo incluíram maior uso de conectividade de banda larga fixa durante o lockdown, uma diminuição nas vendas de dispositivos, em parte devido ao fechamento de lojas, e uma redução nos gastos do consumidor com a desaceleração na atividade econômica, que levou à perda de empregos, principalmente no setor informal.

Mercados com alta proporção de clientes pré-pagos têm sido particularmente vulnerável a gastos reduzidos. Enquanto o crescimento da receita para a região como um todo deve permanecer com números positivos, a previsão é de que o mercado registre baixa de um dígito para o futuro, algo previsível, já que as economias continuarão a lutar com as consequências econômicas da pandemia.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email