Bosch inicia produção de ABS no Brasil

A Robert Bosch América Latina inicia neste mês a produção de ABS (Sistemas de AntiBloqueio de Frenagem) no Brasil. A linha, que entra em operação na planta de Campinas (São Paulo), irá atender a demanda das montadoras no Mercosul, substituindo a prática de importação do produto. Esta é a primeira vez que o ABS é produzido na América do Sul. A fábrica brasileira fornecerá o ABS 8, a versão mais moderna da tecnologia.Para nacionalizar a produção do sistema, a Bosch investiu cerca de R$ 25 milhões.
A decisão de investimento foi tomada no ano passado, tendo em vista o potencial aumento da taxa de aplicação do ABS nos veículos produzidos no Mercosul. A aplicação de ABS nos veículos registrados no Brasil praticamente dobrou nos últimos três anos, chegando a 13%. A previsão da empresa é que este volume continue subindo, já que cada vez mais montadoras anunciam a adoção do sistema em seus veículos. “O objetivo da Bosch é produzir tecnologias que tragam melhorias para a vida das pessoas e o investimento na nacionalização do ABS no Brasil, vem ao encontro do trabalho intensivo que a empresa realiza para tornar as tecnologias de segurança ativa mais acessíveis e, deste modo, aumentar ainda mais a segurança do motorista”, comentou Edgar Silva Garbade, presidente da Robert Bosch América Latina.
A Bosch colocou o ABS no mercado em 1978. Em 1986, lançou o TCS (Sistema de Controle de Tração), e em 1995 o ESP (Programa de Estabilidade Eletrônica), todos desenvolvidos pela empresa, que a cada dia, produz mais de 65 mil módulos ABS em seis plantas no mundo e, com a inauguração da linha no Brasil, amplia esse volume.
A capacidade inicial de produção da nova linha instalada na planta de Campinas será de 250 mil unidades/ano –mas por funcionar em sistema modular, é possível ampliá-la de acordo com a demanda do mercado. No Mercosul, a Bosch é líder em fornecimento do sistema ABS para as montadoras. A empresa fornece o sistema para as principais plataformas da Fiat, General Motors, Peugeot and Citroën, Renault, Toyota, Volkswagen e DaimlerChrysler.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email