Bolsonaro cumpre agenda propositiva em Manaus

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) aposta no mercado de eventos nacionais e internacionais a partir das potencialidades do turismo no Amazonas. Ele sinalizou essa disposição de seu governo ao inaugurar, na sexta-feira (23), a segunda etapa das obras de ampliação do Centro de Convenções Vasco Vasques, o maior do segmento na região Norte.

O local pretende ser um vetor de atração e convergência para abrigar grandes empreendimentos mundiais em todos os segmentos econômicos, segundo o governo do Amazonas.

Bolsonaro foi recepcionado com grande euforia em Manaus. Foi indiferente aos protestos contra a sua vinda à capital. Mas grande parte da população, líderes políticos e empresariais, deixaram a impressão de que a presença do presidente foi muito oportuna para viabilizar novos negócios no Estado, principalmente os focados na rica biodiversidade regional e nas atividades turísticas.

O presidente recebeu também o título de Cidadão do Amazonas, uma honraria aprovada em regime de urgência na Assembleia Legislativa, além de outras homenagens de personalidades e entidades –como a medalha Grandes Amazônidas -como “reconhecimento à sua contribuição para o desenvolvimento socioeconômico, da prosperidade e do bem-comum da sociedade amazônica”.

Segundo o presidente Jair Bolsonaro, serão liberados R$ 128 milhões para o turismo no Amazonas de um total de R$ 1,2 bilhão destinado ao segmento em todo o País. O crédito será viabilizado pelo Banco da Amazônia para beneficiar empreendedores do setor, em especial as micro e pequenas empresas.

Jair Bolsonaro trouxe em sua comitiva o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, e o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello – envolvido na crise de oxigênio medicinal e um dos alvos da CPI da Covid para investigar a condução das medidas no enfrentamento à Covid-19 no Brasil.

“Estou orgulhoso em receber a honraria proposta por alguns deputados da Assembleia Legislativa do Estado e sancionada pelo governador Wilson Lima. E sou grato também a outras homenagens nesse sentido”, disse o presidente durante a solenidade de entrega do título de cidadão amazonense.

Mais negócios

De acordo com o Ministério do Turismo, a estrutura, que passa a ser o maior centro de convenções do Norte, vai impulsionar segmentos turísticos e credenciar o Amazonas para receber eventos de grande porte. A partir de agora, o complexo passa a ter capacidade para receber 10 mil pessoas simultaneamente.

A segunda etapa de obras do complexo começou em 2015 com um orçamento global de R$ 40,2 milhões, com recursos estaduais e federais. Desse montante, R$ 224,174 milhões são investimentos do governo estadual.

Ao assumir o governo em 2019, o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), disse que recebeu as obras com apenas 14% de execução do projeto.

“Esta estrutura é um marco para o Amazonas porque representa a ampliação da atividade turística no Estado, principalmente em segmentos importantes do setor, como o turismo de eventos e de negócios. Isso tudo aliado ao nosso maior patrimônio turístico que é a Amazônia e, que, certamente, agrega um importante valor e abre novas possibilidades de emprego e renda para nossa população”, ressaltou Lima.

Para o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, o investimento de R$ 40 milhões para ampliação do centro mostra como o governo federal acredita no potencial turístico do Estado tanto para o turismo de negócios quanto para viagens a lazer.

“Nada é igual a uma experiência em turismo como o Estado do Amazonas, que oferece pesca esportiva, contemplação da natureza, ecoturismo. Temos um desafio pela frente. O Brasil sempre foi um país que exportava turistas, nós mandamos para o exterior 11 milhões de turistas por ano, e hoje, devido à pandemia, esses brasileiros estão aqui, viajando dentro do Brasil, se deslumbrando. E aqui na Amazônia não podia ser diferente”, destacou o ministro. “Não é possível dissociar turismo da preservação ambiental e da cultura”, frisou.

O diretor executivo da Associação PanAmazônia, Belisário Arce, disse que a entidade entregou uma carta ao presidente Jair Bolsonaro indicando dez prioridades para potencializar o desenvolvimento regional, entre elas –  o fomento ao crescimento sem recursos públicos e sem autorizações federais, criar condições favoráveis para aproveitamento integral e exploração do potencial econômico da Amazônia, de suas florestas, e promover o estreitamento de laços com os demais países amazônicos.

“São algumas demandas que consideramos importantes para o desenvolvimento regional, com melhor logística, mais infraestrutura”, salientou Belisário Arce. “O presidente recebeu a carta e agradeceu”, acrescentou ele.

Foto/Destaque: Alan Santos/PR

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email