Bolsas de estudo dos professores vão continuar

O ministro da Educação Fernando Haddad garantiu a permanência das bolsas de estudos, oferecida pelo MEC (Ministério da Educação e Cultura), aos professores das universidades estaduais e federais da região Norte para a realização de cursos de mestrado e doutorado fora dos seus estados de origem.
A garantia foi dada na última quinta-feira, a um grupo de deputados da Caindr (Comissão da Amazônia, Integração Nacional e de Desenvolvimento Regional), presidida pela deputada , Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM).
Em contato com o presidente da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) Jorge Guimarães, responsável pelo financiamento das bolsas de estudos aos professores, o ministro teve a informação de que o Picdt (Programa Institucional de Capacitação Docente e Técnica) sofreu uma reestruturação, mas não será extinto. “Este programa vai priorizar as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste que são carentes nesta área”, frisou Fernando Haddad.
v(Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), em julho deste ano, onde a comissão realizou concorrida mesa redonda para discutir a pesquisa na Amazônia.
Depois, em audiência pública realizada no mês de agosto pela Caindr, com os reitores das universidades estaduais e federais da região Norte, a preocupação do fim do Picdt também foi exposta novamente. Os reitores temiam que o programa acabasse e a meta de formar 20 mil mestres e 10 mil doutores até 2017 fosse inviabilizada.

Programas realizados

O ministro Fernando Haddad falou também sobre a necessidade de marcar uma reunião com os coordenadores das bancadas dos Estados da região Norte para expor os Programas Pró-Infância (criação de creches) e Caminho da Escola (Transporte escolar). “Tão importante quanto a especialização de docentes é investir na educação básica”, defendeu.
A visita do grupo de deputados ao ministro teve o objetivo de entregar a Carta de Belém, documento resultado da reunião da SBPC, e as reivindicações da comissão e dos reitores, para reverter o quadro da ciência e da pesquisa na Amazônia.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email