Bolsa de Negócios do Sebrae ganha interesse de grandes bancos

Gigantes do setor financeiro como Bradesco, HSBC, Caixa Econô­mica Federal e Banco Real estão interessados em ter parceria com a Bolsa de Negócios do Sebrae, uma ferramenta concebida para que proprietários de micro e pequenas empresas possam se beneficiar do comércio eletrônico.
A Bolsa de Negócios faz o cruzamento de informações na internet e facilita a apro­ximação entre ofertantes e ­demandantes. A ferramenta foi apresentada na quarta-feira pelo coordenador nacional do projeto, Eraldo dos Santos, no “Espaço Sebrae”, durante o C4 2008 (Congresso de Cartões e Crédito ao Consumidor), em São Paulo.
Representantes do Banco Bradesco ficaram entusiasmados com ferramenta. “Hoje o Bradesco tem um cadastro muito grande de clientes. Por isso, podemos começar a trabalhar já nessa parceria com a Bolsa de Negócios”, disse Nelson Bezerra da Silva, do Bradesco. Presentes também ao evento, representantes do HSBC elogiaram a apresentação e incentivaram o crescimento do projeto.

Linhas de financiamento

A idéia é que a Bolsa ofereça também linhas exclusivas de financiamento para quem operar com o projeto. “Um grande banco pode oferecer essa linha. Temos um exemplo com o BnB (Banco do Nordeste). No cruzamento de informações, descobrimos que várias empresas na Bolsa são clientes do BnB”, disse o coordenador nacional do projeto.
Para o gerente da Unidade de Acesso a Serviços Financeiros do Sebrae, Alexandre Guerra, avanços na área dos pequenos negócios estão sendo realizados a passos largos, não somente pela articulação do Sebrae, mas como estratégia inclusive de sobrevivência e crescimento de algumas instituições financeiras.
“Há uma necessidade hoje de as instituições segmentarem suas áreas de atuação, principalmente neste público dos pequenos negócios. Isso traz possibilidades ilimitadas de parcerias e permite uma realização de resultados muito grande”, afirmou Guerra.
Criada em maio passado, a Bolsa de Negócios do Sebrae já cadastrou mais de 6,8 mil empresas em todo o país. A região Sudeste lidera os cadastros com 4.325 empresas, sendo mais de duas mil só de São Paulo. O setor de serviços conta com 4.859 cadastros.
Até outubro deste ano, os clientes da Bolsa receberão por e-mail os boletins eletrônicos com ofertas, novidades do mercado e análises setoriais. Além disso, está sendo desenvolvida para ferramenta para que os próprios participantes façam a qualificação das empresas.
“A idéia é que o sistema se auto-regulamente. Teremos parceiros ouro, prata, platina, com avaliações feitas pelos próprios empresários, assim como acontece em outros portais de ofertas”, disse Eraldo Santos.

Ferramenta de busca

Outra novidade que o Bolsa de Negócios terá em breve será a busca por palavra-chave. Atualmente o sistema permite a busca por produto ou serviço. “Queremos facilitar a vida de quem procura uma empresa, mas tem poucas informações”, informou Eraldo Santos.
Para o próximo ano, Eraldo Santos espera também fazer a internacionalização da ­fer­ramenta, já que há demanda de empresas de outros países por produtos oferecidos na Bolsa. Outra proposta para 2009 é aproximar os produtos oferecidos do projeto de Compras Governamentais.
A única exigência é que os interessados tenham o CNPJ (Cadastro Nacional a Pessoa Jurídica). O custo para se cadastrar é zero. A ferramenta está disponível no portal do Sebrae (http://www.sebrae.com.br).

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email