11 de abril de 2021

Boca do Acre busca apoio para obter benefícios da Lei Geral

Capítulo 5 da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa prevê tratamento diferenciado e favorecimento às micro e pequenas empresas

Empresas instaladas no município amazonense de Boca do Acre, distante 1.022 quilômetros em linha reta de Manaus, deverão ser beneficiadas brevemente pela aplicação do capítulo 5 da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa. Nele, está previsto tratamento diferenciado e favorecimento às micro e pequenas empresas nas compras governamentais. A implementação dos benefícios em Boca do Acre depende de projeto de lei que tramita na Câmara dos Vereadores com votação já programada para a próxima semana.

O Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) no Amazonas foi procurado pela assessoria do prefeito Antônio Iran de Souza Lima, que demonstrou interesse em conhecer um pouco mais sobre a lei complementar 123, em vigor no país desde a data de sua publicação no “Diário Oficial” da União, em 15 de dezembro de 2006. A UPP (Unida­de de Políticas Públicas) da instituição providenciou o an­­­­­­teprojeto de lei municipal e explicou as facilidades ofere­cidas pela nova lei.

De acordo com a gerente da UPP, a economista Socorro Corrêa, dentre os benefícios disponibilizados às MPEs vale a pena destacar a concessão de dois dias de prazo nas compras governamentais, prorrogável por igual período, para a regularização fiscal. Ela também ressaltou a preferência de contratação das MPEs no caso de empate, bem como a possibilidade de subcontratação em grandes contratos até o limite de 30%, além de licitação exclusiva até o valor de R$ 80 mil e cota re­­­­servada até o limite de 25% do objeto licitado.

Licitações públicas

Segundo a chefe de gabinete da Prefeitura de Boca do Acre, Lândia Noronha, ultimamente o município tem recorrido principalmente às microempresas acrea­nas­ durante as licitações públicas. Ela explicou que o Estado vizinho oferece facilidades de acesso, visto ser ligado à Boca do Acre por estrada. Só é possível se chegar a Manaus de avião ou barco, percorrendo uma distância de 2.272 quilômetros.

“A aprovação do projeto de lei vai facilitar a vida dos empresários de pequenos ne­­­­­gócios locais, já que lhes dará mais poder de compra e a possibilidade de atender a demanda do mercado”, enfatizou a chefe de gabinete, informando que Boca do Acre conta, hoje, com mais de 300 MPEs dos mais diferentes ramos. “Do Acre só adquirimos medicamentos e materiais de construção. Temos o restante disponível aqui mesmo”.

Conforme a UPP, o capí­tulo 5 da Lei Geral (do artigo 42 ao 49) prevê, ainda, a promoção do desenvolvimento econômico e social no âmbito municipal e regio­nal, a ampliação da eficiência das políticas públicas voltadas às MEs (microempresas) e EPPs (empresas de pequeno por­te), incentivos à inovação tecnológica e ao fomento do desenvolvimento local por meio do apoio aos APL (Arranjos Produtivos Locais).

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email