28 de junho de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Boa oportunidade. Economia verde responde por 22% de créditos

Rico em biodiversidade, o Brasil tem amplas oportunidades de protagonizar o desenvolvimento econômico. Porém, faltam ainda políticas públicas e uma tecnologia de vanguarda que viabilizem pesquisas e investimentos nessa direção.

Existem ainda muitos entraves ambientais. As legislações continuam extremamente rigorosas, impedindo a implantação de negócios com o aproveitamento das potencialidades minerais e de outros recursos naturais.

O Amazonas tem jazidas de potássio que podem alimentar a produção de fertilizantes em 200 anos consecutivos. Porém, grande parte desse potencial está em terras indígenas demarcadas, impedindo a execução de medidas que poderiam muito bem gerar novos empregos e renda. E até para as etnias indígenas que convivem em um habitat de berço esplêndido de tanta riqueza que acumula.

Claro, é importante ouviu as lideranças indígenas sobre esses novos empreendimentos. Muitos deles, porém, são contra a exploração mineral. Não querem ter seu ecossistema ameaçado e nem tampouco a contaminação de áreas florestais com o descarte de materiais oriundos dessas atividades.

Os argumentos procedem. Mas existem hoje tecnologias que podem explorar projetos sustentáveis, preservando o meio ambiente. Mas a situação é deveras complicada, divide opiniões entre expertises e as próprias lideranças dos índios.

Agora, especialistas se reúnem para discutir essas potencialidades com a presença de representantes do governo federal num evento no Rio de Janeiro.

Os desafios e as oportunidades na implementação da economia verde no Brasil nortearam os painéis no primeiro dia do Congresso Mercado Global de Carbono – Descarbonização & Investimentos Verdes.

No painel sobre o setor financeiro e o fomento a projetos e ativos ambientais, moderada pelo presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Social), Gustavo Montezano, os participantes lembraram dos diferenciais do Brasil em relação a outros países quando se fala em sustentabilidade.

A presidente do banco UBS, Sylvia Coutinho, ressaltou que “a energia brasileira é a mais limpa do planeta” e chamou a atenção para a “precificação” desse diferencial. Segundo ela, é possível agregar essa energia ao produto brasileiro a um preço muito baixo. “Lá fora a questão toda é reflorestamento, aqui é manutenção”, disse o presidente do Banco do Brasil, Fausto Ribeiro.

Ele lembrou que agricultores brasileiros são peças-chave na preservação ambiental e que, por isso, precisam ter uma espécie de incentivo ou compensação. Para isso, o banco criou a CPR-Preservação, modalidade de crédito em que o produtor monetiza a área preservada em sua propriedade. Por exemplo: se ele precisa preservar 20% da propriedade, mas o faz em 30%, ele pode monetizar os 10% extras que está preservando.

Tanto Ribeiro quanto o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari, chamaram a atenção para a necessidade de incentivar os investidores a participar desses projetos.

Atualmente cerca de 22% da carteira de crédito dos bancos  se destinam a segmentos da economia verde, o que totaliza aproximadamente R$ 400 bilhões.

No painel sobre saneamento, a diretora do Banco Interamericano de Desenvolvimento, Martha Seillier, destacou o verdadeiro salto que o Brasil deu no que se refere a investimentos no setor graças ao Marco do Saneamento. 

Segundo ela, que já foi secretária especial do PPI (Programa de Parcerias de Investimento) do governo federal, houve uma resistência inicial às mudanças, pois era um setor essencialmente público.  Mas com alterações da legislação, o setor passou a receber investimentos que chegam a oito vezes o valor aplicado anteriormente. “Os leilões têm tido cada vez mais interessados’”, destacou Seillier. É investir mais.

Perfil

Esse filme tem remake todo ano

A enchente causa estragos em Manaus e nos municípios do interior do Estado. É um fenômeno natural que renova nutrientes do solo amazônico, mas que também traz muitos sofrimentos à população da região. Hoje, são mais de 740 mil famílias atingidas pelo avanço das águas. E falta pouco para chegar ao nível de 2021 que alcançou mais de 30 centímetros. Parte do Centro da capital se assemelha a um cenário veneziano, só que com uma altíssima diferença. Na cidade italiana, não há acúmulo de sujeiras, nem poluições e tampouco o odor que impregna todas as adjacências. Ao contrário, por aqui fica praticamente impossível conviver com tanta insalubridade trazida pela cheia. Um remake de filme a cada ano.

A situação caótica tem muita invisibilidade junto aos governos. Nada é planejado para o enfrentamento de uma questão tão recorrente. Apenas são decretadas situações de emergência, provavelmente para agregar recursos que nem sempre serão utilizados para amenizar esses problemas. Lideranças políticas e governamentais se aproveitam da fragilidade das instituições para tirar proveitos de tanta desgraça, enquanto a maioria dos amazonense amarga prejuízos e muita desgraça. Até quando viveremos com tanta sordidez e menosprezo por parte das autoridades constituídas?

Internet

A Câmara Municipal abriu caminho para a implantação da tecnologia 5G, 100 vezes mais veloz que o sistema 4G. Ontem, os vereadores de Manaus aprovaram, por unanimidade, o projeto para implantação da inovação. A nova ferramenta tem até julho para ser implantada pelas operadoras, gerando boas expectativas junto à população. Agora, parece que a lentidão para baixar arquivos e transmitir dados vai desaparecer. O processo tecnológico exclui esses entraves. É esperar para crer.

Desgaste

Omar Aziz (PSD-AM) sofre consequências por supostos envolvimentos em fraudes e outros esquemas de corrupção. Já foi surpreendido em operações da PF para investigar sua atuação, algo que serviu como munição a Bolsonaro como resposta às denúncias contra o presidente durante a CPI da Pandemia. Segundo internautas, o senador tem evitado comentar certos assuntos no Facebook. Sempre tem alguém que lembra certas situações que depõem contra a sua imagem. E quem tem rabo preso….

Treta

A treta entre Bolsonaro e o STF se acirra ainda mais. Ontem, o ministro Dias Toffoli negou dar prosseguimento à ação do presidente contra Alexandre de Moraes sob alegação de abuso de autoridade. Ele alegou que o simples fato de o ministro ser relator do inquérito “não é motivo para se concluir que teria algum interesse específico, tratando-se de regular exercício da jurisdição”. O chefe do Planalto decidiu recorrer à PGR para dar continuidade às investigações. Veremos o desfecho.

Lixo

Parece que agora será para valer. Ontem, a Assembleia Legislativa do Estado aprovou um projeto de lei que torna obrigatória a coleta seletiva de lixo na indústria, no comércio, em órgãos e outras instituições. A proposta é do deputado estadual Roberto Cidade (UB), presidente da Casa. Falta ainda a sanção do governador do Amazonas para a exigência entrar em vigor. Além disso, a implantação do novo sistema abre oportunidades para geração de mais empregos e renda aos catadores. Boa medida.

Democracia

O sistema democrático está em jogo com a possibilidade de ataques às eleições deste ano, segundo alertaram, ontem, várias entidades representativas brasileiras em documento enviado às Nações Unidas. Eles chamam a atenção para uma campanha de desconfianças e constantes ameaças às urnas. E fazem pedido para o organismo internacional acompanhar de perto o processo no Brasil. Nunca se viu tanta mobilização nesse sentido deste o restabelecimento da democracia décadas atrás.

Presente

O prefeito David Almeida (Avante) sempre tem empreendido a sua marca de governo acompanhando andamento de obras e outras ações. Ontem, ele esteve com a equipe de fiscalização que percorreu os bairros da capital com maior probabilidade de abrigar focos do mosquito transmissor da dengue. O Amazonas conseguiu notoriedade nacional por controlar a doença, mas agora o contágio se expande em todo o País. E Almeida também quer mostrar que ainda mantemos o controle do Aedes aegypti.

Pegou

A Justiça derrubou a liminar que impediu a instalação de novos medidores, autorizando a Amazonas Energia a dar continuidade à implantação do novo sistema de medição de consumo, uma situação que foi alvo de grandes polêmicas, repercutindo negativamente até na Assembleia Legislativa, onde foi instalada uma CPI para investigar a atuação da concessionária em Manaus e no interior. A empresa é acusada de irregularidades. Porém, desta vez obteve um desfecho favorável. Pegou mesmo.

Eletrobras

O TCU aprovou a privatização da Eletrobras. O julgamento terminou no início da noite de ontem, mas a maioria pela venda da empresa foi formada ainda no fim da tarde. Entre os integrantes do tribunal, apenas um – o ministro Vital do Rêgo – foi contrário à operação. Outros sete ministros votaram pela negociação. A aprovação representa uma vitória para o governo Bolsonaro. Agora, as ações da companhia poderão ser vendidas, com amplas possibilidades de atrair grandes investidores no segmento.

FRASES

“Projeto visa criar mais produto turístico”.

Isadora Alfaia, vice da Amazonastur, sobre projeto ‘Zona Franca de Portas Abertas’

“Magistrado conduz com extrema seriedade inquérito das fake news”.

Luiz Fux, presidente do STF, ao comentar treta entre o ministro e Bolsonaro.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email