BEBIDAS – Volume fabricado de cervejas aumenta 3,37% em 2011

Em um ano com reajuste de impostos e salário mínimo sem aumento real, a indústria de cervejas no Brasil não esperava bons resultados para 2011. A expectativa era igualar a produção à de 2010. Muitos previam até queda nos volumes. Os mais recentes dados do Sicobe (Sistema de Controle de Produção de Bebidas) da Receita Federal, contudo, mostram aumento de 3,37% nos volumes fabricados no País. A produção alcançou 13,3 bilhões de litros – 433 milhões a mais que os 12,8 bilhões de litros de 2010. As cervejas especiais, segundo especialistas, foram as responsáveis por salvar o ano.
“As classes C e D continuam consumindo mais cerveja, mas as marcas mais baratas. Nesse cenário, o que a classe B faz? Busca um diferencial que, no caso, são as cervejas especiais ou premium”, diz Adalberto Viviani, especialista da Concept Consultoria, focada no setor de bebidas.
Viviani explica que nesse segmento estão marcas de cerveja artesanais – ou “gourmet” -, feitas com malte puro, como a Colorado, de Ribeirão Preto. Produtos menos elaborados, com cereais não maltados (milho, arroz) – mas com posicionamento de preço acima das marcas populares – também fazem parte desse grupo. A Budweiser, da Ambev, e a Devassa, da Schincariol (Kirin) são um exemplo.
Essas cervejas são as que devem apresentar maior ritmo de crescimento também em 2012, segundo análise do Banco Fator. “O aumento no consumo de produtos premium será o grande diferencial de resultados nos próximos anos, concomitantemente ao crescimento total de volume de cerveja”, diz um relatório da instituição.
“Não temos os números do ano fechados ainda, mas com certeza serão bons porque batemos recordes de produção em outubro e novembro”, diz Patrick Zanello, mestre cervejeiro da Colorado. “Chegamos a 100 mil litros ao mês, marca que nunca alcançamos”, completa ele. A cerveja Paulistânia, produzida pela importadora Bier & Wein em parceria com a indústria de bebidas Contini, também teve alta de vendas em 2011. “Crescemos 55% em volume”, diz Marcelo Stein, diretor da Bier & Wein.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email