15 de abril de 2021

BC vê cenário favorável à inflação, mas aponta aumento de incertezas

O BC (Banco Central) avalia que o cenário para a inflação melhorou, a­pe­sar das incertezas “elevadas e crescentes” em relação à economia in­ternacional e doméstica.

O BC (Banco Central) avalia que o cenário para a inflação melhorou, a­pe­sar das incertezas “elevadas e crescentes” em relação à economia in­ternacional e doméstica.
A afirmação faz parte da ata do Copom (Comitê de Política Monetária), divulgada na quin­ta-feira, 28, na qual a autoridade monetária ex­pli­ca porque elevou a taxa básica de juros de 12,25% para 12,50% ao ano.
“Embora incertezas ele­vadas e crescentes que cercam o cenário glo­bal e, em escala marcadamente menor, o cenário doméstico, não permitam identificar com clareza o grau de perenidade de pressões inflacionárias recentes, o Comitê avalia que o cenário prospectivo para a inflação mostra sinais mais favoráveis”, assinalou a ata.
O Copom diz reconhecer um ambiente econômico em que prevalece nível de incerteza crescente e acima do usual. Também identifica riscos à concretização de um cenário em que a inflação convirja “tempestivamente” para o valor central da meta, que é de 4,5%.
Desde a reunião do Copom de junho, segundo a instituição, houve “moderação adicional” no pro­cesso de recuperação em que se encontram as economias dos EUA, Europa e Japão.

Restrição ao crédito

No Brasil, as ações de restrição ao crédito e o aumento dos juros, avalia o BC, ainda terão seus efeitos incorporados “à dinâmica dos preços, pro­cesso que tende a se acentuar neste semestre”. A projeção de reajuste no preço da gasolina do BC para 2011 permaneceu em 4%. A estimativa para o aumento no gás de botijão foi mantida em zero.
Para as tarifas de telefonia fixa, caiu de 2,9% para 0,9%, enquanto a de eletricidade elevou-se de 2,8% para 4,1%.
A projeção de reajuste do conjunto de preços administrados por contrato e monitorados elevou-se de 4,6% para 4,9%. Esses preços respondem por quase 30% do índice de inflação. Para 2012, passou de 4,3% para 4,4%.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email