BC pára de reduzir juros e mantém Selic a 11,25%

Com medo de que os preços saiam do controle e a inflação volte a assustar, o Banco Central decidiu parar de reduzir a taxa de juros. O Copom (Comitê de Política Monetária) anunciou no início da noite de ontem que a Selic foi mantida em 11,25% ao ano, contra um corte de 0,25 ponto percentual na última reunião, em setembro.

O processo de redução dos juros brasileiros foi iniciado em setembro de 2005 e ao todo foram 18 cortes até setembro deste ano. No entanto, com o aquecimento da economia e o temor da autoridade monetária de que os preços se elevem, os diretores decidiram por unanimidade parar o processo de redução da Selic.

O fator que mais justifica essa parada são as pressões inflacionárias, concentradas nos alimentos. Nem a decisão do Fed (Federal Reserve, o BC dos EUA), que reduziu a taxa básica norte-americana de 5,25% para 4,75% ao ano, foi suficiente para afastar o risco do descontrole dos preços.
O maior desafio do BC é fazer com que a inflação não saia do controle no próximo ano e fique dentro da meta de 4,5% do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Para este ano, é baixa a probabilidade que isso aconteça. No acumulado de 12 meses até setembro, ela está em 4,15%.

A taxa de juros é o instrumento utilizado pelo BC para manter a inflação sob controle. Se os juros caem muito, a população tem maior acesso ao crédito e conso-me mais.
Esse aumento da demanda pode pressionar os preços caso a indústria não esteja preparada para atender esse maior consumo. Por outro lado, se os juros sobem, a autoridade monetária inibe consumo e investimento, a economia desacelera e você evita que os preços subam.

Os que defendem a continuidade dos juros alegam que o crescimento eco-nômico não irá gerar pressão inflacionária porque ele é acompanhado do aumento dos investimentos e da importação de bens de capital.

O Copom divulga na quinta-feira da próxima semana a ata da reunião ocorrida na terça e quarta-feira.
A próxima reunião do Comitê está marco para ocorrer nos dias 4 e 5 de dezembro.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email