BC aponta risco de inflação e considera mexer em juros

O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central disse, na ata da reunião da semana passada, que a recuperação da demanda doméstica pode aumentar os riscos de “concretização de um cenário inflacionário benigno”, no qual a inflação seguiria consistente com a trajetória de metas traçadas pelo governo -para este ano, a meta é de 4,5%.

“Nesse ambiente, cabe à política monetária manter-se especialmente vigilante para evitar que a maior incerteza detectada em horizontes mais curtos se propague para horizontes mais longos”, afirma o texto.

Evolução do cenário econômico

O comitê ressaltou, porém, que poderá adequar os juros “às circunstâncias” caso isso seja necessário. Na quarta-feira da semana passada (27), o Copom manteve a taxa básica de juros (Selic) em 8,75% e disse que iria “acompanhar a evolução do cenário macroeconômico até sua próxima reunião, para então definir os próximos passos na sua estratégia de política monetária”.

“Na eventualidade de se verificar deterioração do perfil de riscos que implique alteração do cenário prospectivo traçado para a inflação, neste momento, pelo Comitê, a estratégia de política monetária será prontamente adequada às circunstâncias”, completa o documento.

Mercado externo

De acordo com a ata, a influência do mercado externo sobre o comportamento da inflação doméstica “poderia deixar de ser benigna” por conta das incertezas sobre o comportamento dos preços de ativos e commodities.
“O Copom entende que, a se confirmar a perspectiva de intensificação das pressões da demanda doméstica sobre o mercado de fatores, a probabilidade de que desenvolvimentos inflacionários inicialmente localizados venham a apresentar riscos para a trajetória da inflação poderia estar se elevando”, completa.

Riscos inflacionários

No mercado interno, o Copom destaca que os principais riscos inflacionários são os efeitos defasados dos impulsos fiscais e de crédito injetados pelo governo para combater a crise econômica.
“O balanço dessas influências sobre a trajetória prospectiva da inflação será fundamental na avaliação das diferentes possibilidades que se apresentam para a política monetária”, conclui.
O Banco Central informou que o Copom voltará a se reunir nos dias 16 e 17 de março. A aposta do mercado financeiro é que a taxa Selic comece a subir na próxima reunião do conselho de abril.

Projeções para os combustíveis

O Copom projetou que os preços da gasolina e do botijão de gás permanecerão estáveis em 2010.
Na quarta-feira, o governo anunciou a redução na Cide (Contribuição de Intervenção sobre Domínio Econômico) que incide sobre a gasolina para manter o preço do combustível inalterado, já que subiria até 4% por conta do corte do percentual da mistura do álcool anidro.
O Banco Central manteve ainda a previsão de reajuste de 3,3% para a conta de luz e 1,6% para a telefonia fixa neste ano.

O comitê considera ainda que a inflação ficará “ao redor da meta” que está estabelecida para este ano, que é de 4,5%. O Copom não divulga o valor considerado por ele para a inflação.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email