Base e oposição disputam principais cargos

O mesmo impasse que cercou a instalação da CPI mista (com deputados e senadores) dos Cartões Corporativos deve se repetir nas negociações para a instalação da comissão especial da reforma tributária na Câmara dos Deputados.
A base aliada do governo Luiz Inácio Lula da Silva, defende o direito do duplo comando da comissão -com a nomeação do presidente e do relator -anunciando uma disputa com a oposição que sinalizou o desejo de ter um dos cargos.
Em reunião realizada na quinta-feira, o PT indicou que vai fazer campanha para que o deputado Antônio Palocci (PT-SP) seja o escolhido para relatar a reforma tributária na comissão especial. Paralelamente, integrantes da base aliada apóiam o nome do deputado Sandro Mabel (PR-GO).
Para evitar uma disputa entre os deputados Mabel e Palocci, escapando também de um eventual nome que desagrade o Palácio do Planalto, os governistas trabalham para que ambos ocupem os principais cargos da comissão especial.
No entanto, PSDB, DEM e PMDB já avisaram ao líder do governo na Câmara dos Deputados, Henrique Fontana (PT-RS), que também pleiteiam uma das indicações de comando da comissão especial.
Por enquanto, os três partidos não apresentaram nomes, mas avisam que têm vários candidatos habilitados para os cargos, como Mussa Demes (DEM-PI), Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) e Luiz Paulo Vellozo Lucas (PSDB-ES).
Antes de ser submetida à análise do mérito na comissão especial, a proposta tem de ser apreciada e votada na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), que define sobre a constitucionalidade da matéria.
Depois de analisada na CCJ, a proposta da reforma tributária será submetida à comissão especial.
Em geral, uma comissão especial é formada de 17 a 21 membros e tem prazo de até 40 sessões para votar o parecer final.
Após a votação na comissão especial, a proposta da reforma será encaminhada ao plenário da Câmara, onde, para ser aprovada, tem de obter, no mínimo, 308 votos favoráveis em dois turnos de votação. Só depois, a proposta seguirá para o Senado.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email