Azul Conecta cinco municípios no Amazonas

A nova companhia regional da Azul “Azul Conecta”, foi oficialmente lançada em Jundiaí (SP), dia 17/8 e vai operar com 14 aeronaves Cesna Gran Caravan para nove passageiros, além de três cargueiros da mesma fabricante, a Azul Conecta é fruto da compra da TwoFlex, concretizada em maio, por R$ 123 milhões. A Azul Conecta começa com atuação em 36 destinos brasileiros, e os monomotores da aérea já voaram 3256 horas entre maio e junho, o que corresponde a 55 horas de voo por dia da frota em operação. O Brasil tem mais de cinco mil municípios e tem grandes dificuldades em conexão aérea. Com a subsidiária, a Azul Linhas Aéreas prevê alcançar mais de 200 destinos no Brasil. Antes da pandemia, a aérea atendia cerca de 110 cidades nacionais e detinha a liderança em alcance no País.

A multiplicidade da frota Azul é um dos maiores trunfos da companhia, e a Azul Conecta vem para reforçar. “Essa é a fortaleza da Azul. Nossa frota com aeronaves pequenas, médias, grandes e ‘super grandes’. Assim será a retomada do País, utilizando as pequenas para as cidades pequenas, as médias para as médias, e assim por diante. Vamos transformar o País mais e chegar a mais 200 destinos”, afirmou o bem humorado presidente da Azul, John Rodgerson, procurando injetar ânimo aos presentes.

“Estamos unindo a força das empresas para, especialmente neste momento de flexibilização e retomada, direcionar o transporte aéreo e cargueiro a lugares que não estão sendo servidos hoje em função da pandemia. Queremos atingir a marca histórica de 200 cidades servidas no país nos próximos anos”, salienta o vice-presidente Técnico-Operacional da Azul, Flávio Costa.

O secretário Nacional de Aviação Civil, Ronei Glanzmann, endossou a importância da aviação regional ao País ao dizer que essa é a maior prioridade de sua secretaria.
Manaus, Coari, Lábrea, Maués e Parintins são os destinos no Amazonas que a Azul conecta transporta passageiros e cargas. Reservas: www.voeazul/azulconecta.com.br ou seu agente de viagem.

Reordenamento no turismo invalida várias excursões

A operação de reordenamento e orientação aos Guias de Turismo, Agentes de Viagens e  transportadora turística para comprovar as condições dos veículos de turismo bem como a legalidade dos registros no Cadastur vai continuar com as abordagens feitas pela Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados e Contratados do Estado do Amazonas (Arsepam), e a Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur), afim de seguir com o cumprimento do Decreto Estadual nº 42.500, que determina ocupação de 50% de veículos rodoviários (vans, ônibus, micro-ônibus e táxis),  bem como a utilização de medidas de proteção contra a Covid-19, como a uso de máscaras e álcool a bordo dos veículos

A última ação, 16/8, ocorreu no posto de fiscalização, localizado na interligação das rodovias AM-010 e BR-174. Durante a fiscalização, os veículos de turismo que não estavam regularizados ou não cumpriam as normas determinadas pelo Ministério do Turismo foram obrigados a cancelar a excursão. Para evitar que novos passeios sejam suspensos, os técnicos da Amazonastur se disponibilizaram a prestar as informações fundamentais para viabilizar o registro e as licenças exigidas para que todos estejam no exercício legal de suas atividades.

Maioria de Hotéis já reabriram na capital

Cerca de três em cada quatro quartos de hotéis de rede em 26 Estados do País estão reabertos. A constatação é da pesquisa “Oferta de Disponibilidade Hoteleira”, realizada pelo Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB). Entre os destaques estão Manaus, São Paulo, Recife,  Vitória, Brasília e Campinas, que possuem mais de 80% de suas unidades habitacionais em funcionamento. O levantamento foi promovido entre os dias 10 e 16 de agosto com 886 hotéis, que juntos representam mais de 143,3 mil quartos.

“Fomos um dos setores mais impactados por essa pandemia, mas estamos firmes e confiantes de que logo estaremos com tudo reaberto e a pleno vapor, tomando todos os cuidados possíveis para a segurança e a saúde dos hóspedes e funcionários”, afirma o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

Dos hotéis que permanecem fechados, quase metade (49,1%) pretende reabrir nos meses de setembro e outubro deste ano. Salvador, Rio de Janeiro e Belo Horizonte são as cidades com os maiores percentuais de locais fora de operação. Já por região, o Nordeste e o Norte apresentam os maiores índices de unidades fechadas, com 38% e 22%, respectivamente.

O Ministério do Turismo lançou um selo de biossegurança para reconhecer atividades turísticas que assegurem o cumprimento de requisitos de higiene e limpeza contra a proliferação da covid-19. Os protocolos de boas práticas são segmentados de acordo com as especificidades de cada setor, como meios de hospedagem, agências de turismo, locadoras de veículos, transportadoras turísticas, parques temáticos, casas de espetáculos e guias de Turismo.

Setor aéreo e alimentação têm crescimento no país

O setor do Turismo está voltando aos poucos a registrar dados positivos para o país. Em junho, o índice de atividades turísticas cresceu 19,8% quando comparado ao mês anterior, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número mostra um respiro do segmento, que registrou queda de 68,1% entre os meses de março e abril, início da pandemia. Os destaques vão para o setor aéreo que apresentou alta de 58,9% e os serviços de alojamento e alimentação, com crescimento de 17,3%.

Para o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, o índice pode ser considerado uma resposta positiva das ações tomadas pelo governo federal que deu sobrevida ao setor. “A nossa preocupação era ajudar o setor a não desmontar e podemos ver que o trabalho realizado deu certo.”, afirmou.

Desde o início da pandemia, o MTur  agiu para evitar o desmonte do setor, através da Medida Provisória nº 948/20 elaborada pelo MTur em conjunto com a Pasta da Justiça e Segurança Pública, que dispõe sobre cancelamentos e remarcações de serviços, reservas e eventos; a MP nº 936/20, que instituiu um programa emergencial de manutenção de emprego e renda e traz medidas trabalhistas que garantem postos de trabalho e renda a milhares de brasileiros; e a MP 963, que destinou R$ 5 bilhões para financiamentos via Fungetur.

Realizada pelo IBGE, a Pesquisa Mensal de Serviços produz indicadores que permitem O levantamento da receita bruta de serviços nas empresas formalmente constituídas, com 20 ou mais pessoas ocupadas, que desempenham como principal atividade um serviço não financeiro, excluídas as áreas de saúde e educação.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email