Avanço de obras na BR-319 gera otimismo

A vinda do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, neste sábado (3), traz muita expectativa para o setor produtivo do Amazonas e aos diversos agentes envolvidos na luta pela revitalização da BR 319. O representante do governo federal vem para assinar a ordem de serviço de manutenção do chamado “trecho do meio” da rodovia Manaus – Porto Velho, e detalhar a contratação da empresa vencedora para início da pavimentação do chamado “lote Charlie”, entre os quilômetros 198 e 250. 

O ato está marcado para acontecer na Comunidade Realidade, localizada em Humaitá – e nas proximidades do trecho que será recuperado com mais urgência. Para alguns, a sensação é que, passadas mais de duas décadas de idas e vindas da burocracia e de entraves jurídicos e ambientais, “dessa vez vai”. O asfaltamento dos 52 quilômetros do início do “trecho do meio” seria o primeiro passo concreto nessa direção, já que a obra está parada desde 2007, em função da obstrução legal e exigência de licenciamento ambiental, a despeito de a estrada já contar com mais de quatro décadas de existência.

“Temos acompanhado essa novela nos últimos 20 anos, em que a rodovia ficou intrafegável no trecho do meio. Só estamos discutindo a metade da pavimentação agora, porque a rodovia foi explodida por interesses econômicos e políticos da época. Mas, estamos muito otimistas de que, desta vez, a luz no fim do túnel é real. O próprio Ibama já colocou que as condicionantes entregues pelo Dnit estão dentro das conformidades. Agora, só falta a parte burocrática de dizer que ‘está tudo ok’”, comemorou o presidente da Associação Amigos da BR-319, André Marcílio.

“Externalidades positivas”

Em vídeo publicado em suas redes sociais, o senador Eduardo Braga (MDB-AM) já havia anunciado a novidade, ao lado do ministro, nesta semana. “Vamos percorrer um trecho da rodovia até Realidade e assinar o contrato da manutenção que vai segurar a BR-319 no período do inverno”, Tarcísio de Freitas. “Vamos acabar com aqueles piscinões, com atoleiros e com aquele sofrimento que temos todos os anos. Ou seja, o nosso sonho de ver a BR-319 asfaltada, como já tivemos há 20 anos, começa a se tornar realidade”, secundou Braga. 

O ministro se diz otimista com o curso das tratativas para asfaltar o trecho lunar, que se estende por mais 400 quilômetros – e que só pode ser percorrido por veículos com tração nas quatro rodas, em períodos chuvosos. A principal delas foi o acolhimento do EIA/Rima (Estudo de Impacto Ambiental e o Relatório de Impacto Ambiental). Desde o começo de agosto, técnicos do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) estudam a possibilidade de concessão do licenciamento ambiental para a obra. 

Tarcísio Freitas argumenta que o governo se empenhou na luta pela liberação da recuperação da BR 319 por dever de Justiça e entender que é necessário fazer a integração da Região Norte com o resto do Brasil. Ele assegura que o trabalho de engenharia será “cuidadoso”, permitindo que a rodovia seja modelo de preservação ambiental, mantendo a capacidade, os contornos, e o respeito ao TAC (Termo de Ajuste de Conduta) firmado com o Ibama, ainda em 2007. 

“Vamos conseguir mitigar os efeitos negativos da pavimentação, o que vai gerar uma série de externalidades positivas. No final das contas, o esforço coordenado do Executivo com os executivos estaduais, legislativos federal e estaduais no que diz respeito a governança ambiental fará com que essa rodovia seja modelo”, garantiu o ministro da Infraestrutura, nesta semana, ao anunciar a licitação para o “lote Charlie”. 

“Promessa de campanha”

Convidado pelo ministro para participar da solenidade de assinatura, o senador Plínio Valério (PSDB-AM) – e também um articulador político pela revitalização da rodovia –, elogiou o esforço do ministro para a derrubada de embaraços jurídicos e a retomada das obras de revitalização da estrada, e destacou que este é um “primeiro passo importante” para tirar a revitalização da estrada do papel. 

“O presidente Jair Bolsonaro, através do ministro Tarcísio de Freitas, está empenhado em cumprir a promessa de campanha de entregar aos amazonenses e rondonienses a BR 319 de volta, pavimentada. Com a liberação da Justiça Federal, contra tentativa de embargo do Ministério Público, as obras do trecho C podem começar. Agora, é esperar a licença ambiental do Ibama para recuperar também o resto do trecho do meio e acabar com o calvário dos que precisam trafegar pela BR 319”, asseverou o senador, em texto divulgado por sua assessoria de imprensa. 

“Muito devagar”

O presidente da Associação Amigos da BR-319, conta que a manutenção da BR-319 vem ocorrendo “muito devagar” desde 2006, tendo ganhado maior intensidade a partir de 2014. Os problemas no trecho embargado, contudo, prosseguiram, especialmente durante o inverno amazônico. Em “tempos normais”, assinala o dirigente, a viagem de Manaus a Porto Velho (RO) demora 13 horas, mas pode levar três ou quatro horas a mais, na estação chuvosa.

“A rodovia é importante para a região e para escoar a produção da Zona Franca de Manaus (…) Essa manutenção que o ministro está prometendo é diferente das outras. A gente espera que esse trabalho use outros tipos de materiais para garantir que a rodovia fique trafegável no inverno até o verão do ano que vem. Esperamos também que todo o processo burocrático seja vencido para que as primeiras pás de asfalto possam entrar nesses 405 quilômetros que ainda faltam ser pavimentados”, finalizou André Marcílio.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email