Atalaia do Norte é epicentro de terremoto no Amazonas

O município de Atalaia do Norte (distante 1.238 quilômetros de Manaus), no Alto rio Javari, no Amazonas, foi o epicentro de um terremoto que atingiu o interior do Estado na noite da última quarta-feira (8).

O tremor aconteceu por volta das 22h com uma magnitude de 4.8, segundo registros das estações da RSBR (Rede Sismográfica Brasileira). Considerado mediano, o abalo sísmico foi confirmado pelo SGB/CPRM, instituição parceira da RSBR.

O geofísico Marcos Ferreira, do CPRM (Serviço Geológico do Brasil), disse que a profundidade do terremoto foi de aproximadamente 15 quilômetros. “É considerado muito raso, de pouco impacto”, afirmou ele.

De pouca amplitude, poucas pessoas sentiram o terremoto em municípios do interior do Amazonas, principalmente na região de Atalaia do Norte, que fica mais próximo aos Andes, onde os abalos sísmicos são mais frequentes.

“O evento sísmico ocorreu em uma região de baixa densidade populacional. Assim, não temos muitos relatos de que foi sentido na área”, afirmou Marcos Ferreira. “As cidades mais próximas são Mâncio Lima/AC e Cruzeiro do Sul/AC” explicou o especialista.

Poucas pessoas sentiram o abalo em Atalaia do Norte, segundo relatos. “Senti apenas a minha casa balançando levemente. Pensei que estivesse tonta”, contou a dona de casa Meg Lina. A prefeitura do município confirmou que são comuns os registros de abalos de pouca intensidade, mas nada que possa ameaçar a população do município.

O engenheiro Álvaro Costa disse também ter percebido algo estranho por volta das 22h de quarta-feira em Atalaia do Norte. “Vi que a vegetação tremia no quintal, com reflexos na estrutura do telhado de casa”, afirmou.

Tremores anteriores

Atalaia do Norte também fica próximo às cidades que formam a tríplice fronteira no Alto rio Solimões – Benjamin Constant e Tabatinga  (no lado brasileiro), Islândia e Petrópolis (Peru) e Letícia, na Colômbia.

Não houve relatos de que o abalo da noite de quarta-feira tenha sido sentido nessas cidades. Tanto Atalaia do Norte como os municípios que fazem fronteira estão muito próximos da região dos Andes, no Peru, muito propícios a terremotos.

De acordo com Marcos Ferreira, os abalos que acontecem nessa região são resultados das atividades da placa de Nazca. Mas são muito mais profundos que o evento de quarta-feira (aproximadamente de 500 a 600 quilômetros).

“Esse evento pode ser ou não resultado da placa de Nazca. Porém, como não há tantos deles com essa magnitude em profundidades menores na região, pode ser reflexo, ou um outro tipo de mecanismo”, acrescentou o especialista.

Em janeiro, construções de Manaus foram afetadas pelo reflexo de um terremoto de magnitude 5,7 na Guiana. Moradores de prédios relataram medo.

Em abril, um tremor de terra de magnitude 4,7 foi registrado em Barcelos (AM). O abalo foi sentido também em Manaus, mas não houve relatos de danos ou feridos.

Desde 2010, cerca de 40 sismos com magnitude acima de 3,0 foram registrados nos Estados do Amazonas, Amapá e Roraima, segundo as estatísticas oficiais.

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email