Ata do Copom diz que aquecimento implica em riscos para inflação

O aquecimento da atividade econômica implica em riscos para a trajetória de inflação e pode aumentar a probabilidade de uma pressão significativa sobre os preços no curto prazo. A avaliação é do Copom (Comitê de
Política Monetária) do Banco Central, que informou ainda que diversos fatores justificaram a manutenção dos juros, mas que um balanço entre os riscos existentes justificou o corte da taxa para 11,25% ao ano. “O ritmo de expansão da demanda
doméstica, que deve continuar sendo sustentada, entre outros fatores, pelo impulso derivado do relaxamento da política monetária implementado neste ano, continua podendo colocar riscos não desprezíveis para a dinâmica inflacionária. Por outro lado,
os últimos desdobramentos sugerem que a contribuição do setor externo para consolidar um cenário inflacionário benigno pode estar se tornando menos efetiva”, diz a ata do Copom, divulgada na quinta-feira. Na semana passada, o comitê reduziu, em
decisão unânime, a taxa de juros em 0,25 ponto percentual para 11,25% ao ano ano. Nas duas reuniões anteriores, o corte foi de meio ponto, mas houve divergência entre os diretores que fazem parte do colegiado, já que um parte deles chegou a
defender um corte menor. O corte de 0,25 foi feito antes de o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) anunciar que a economia brasileira cresceu 0,8% no segundo trimestre em relação aos primeiros três meses do ano. Já na comparação
com o mesmo trimestre do ano passado, a expansão é de 5,4%, segundo dados divulgados ontem pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Controle de preços No entendimento do Copom, apesar desse aquecimento do mercado interno,
o aumento dos investimento e as importações têm ajudado a controlar os preços no curto prazo. “A expansão do investimento e o crescimento das importações, entretanto, têm contribuído para retardar esse processo, complementando a produção
doméstica e assim permitindo que os efeitos inflacionários do crescimento sustentado da demanda agregada continuem sendo moderados”. O documento revela ainda que o Copom está preocupado com um possível repasse de preços do atacado para o
consumidor, o que acarretaria em um aumento da inflação. Lembrou ainda que é preciso monitorar com atenção o aumento das projeções da inflação para 2007. Evolução da inflação “O Copom continuará acompanhando atentamente a evolução da
inflação e das diferentes medidas do seu núcleo,discriminando entre reajustes pontuais e reajustes persistentes ou generalizados de preços e adequando prontamente a postura de política monetária às circunstâncias’, alerta o documento. Apesar de
alertar para esses riscos, os membros do comitê acreditam que as perspectivas para a inflação estão consistentes com a trajetória das metas. Neste ano e no próximo, a meta é de 4,5% do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Os analistas
prevêem que neste ano e no próximo
ela ficará em torno de 4%. Assim como em outras atas, o Copom voltou a afirmar que a flexibilização da política monetária tem cada vez menos efeito na economia deste ano e passa a influenciar mais o desempenho do próximo ano.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email