Arrecadação federal soma R$ 171,3 bilhões em julho

A Receita Federal registrou uma arrecadação de R$ 171,3 bilhões em julho. Isso representa um recorde para o mês (já considerando números atualizados pela inflação).

O resultado significa um crescimento real -considerando o efeito da inflação- de 35,5% na comparação com julho do ano passado.

Em relação ao mesmo período de 2019, quando não houve impacto da pandemia, os dados de julho de 2021 registraram alta real de 11,5%. O balanço foi divulgado pelo Ministério da Economia nesta quarta-feira (25).

No acumulado de janeiro a julho, a arrecadação de impostos somou R$ 1,053 trilhão. Isso significa uma alta real de 26,1% na comparação com o mesmo período do ano passado, e também recorde na série histórica (iniciada em 1995, mas padronizada em 2000).

A arrecadação federal tem apresentado desempenho acima do esperado inicialmente pelo governo para 2021.

O resultado tem se acelerado ao longo do ano. Em janeiro, por exemplo, houve uma queda em comparação ao mesmo período do ano passado, foi de 1,5%, em termos reais.

No acumulado de janeiro a abril, foi registrado uma alta real de 13,6% em relação a 2020. Até julho, o aumento avançou e registrou o patamar de 26,1%.

O ministro Paulo Guedes (Economia) participou do início da entrevista virtual sobre os números, sem ficar para a sessão de perguntas, e disse que, com a reaceleração da economia brasileira, a arrecadação está apresentando fortes resultados.

“A arrecadação forte significa principalmente que o país está numa retomada econômica vigorosa”, disse.

Acompanhando o maior otimismo do mercado sobre a atividade no país e após a retração gerada pela pandemia em 2020, o ministro tem dito que o PIB (Produto Interno Bruto) deverá crescer entre 5% e 5,5% neste ano.

O ministro ressaltou que, de janeiro a julho, foram registrados cinco recordes mensais pela Receita Federal. Apenas em janeiro e junho o resultado da arrecadação. “O importe é que isso reforça nossa expectativa de uma boa defesa dos fundamentos fiscais”, afirmou.

Guedes destacou o desempenho do recolhimento de impostos de pessoas jurídicas no acumulado de janeiro a julho. Segundo ele, seria confortável para o governo desistir de propor uma reforma tributária que mexe justamente nos impostos que estão mais arrecadando, como IRPJ, PIS e Cofins.

“Estaríamos abrindo mão desse excesso de arrecadação que está vindo aí. […] Mas a hora de arriscar numa reforma tributária é exatamente essa”, declarou o ministro.

Ele voltou a dizer que possivelmente o Brasil registrará um superávit nas contas públicas no próximo ano.

Fonte: Folhapress
Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email