Argentina eleva barreiras para ilimitar mportações

O presidente argentino, Néstor Kirchner, e o ministro da Economia, Miguel Peirano, anunciaram na sexta-feira o aumento de barreiras tarifárias e alfandegárias para limitar a importação de diferentes produtos pelo país.
Peirano disse que aumentará a fiscalização das faturas apresentadas no desembarque das mercadorias e adotará as chamadas “licenças não-automáticas de importação” -uma medida burocrática que hoje é usada para restringir as importações de eletrodomésticos brasileiros como geladeiras e também fogões.
O ministro argentino afirmou ainda que o objetivo é “limitar” principalmente as importações da China, mas também de outros países. “São medidas universais”, avisou o ministro argentino Miguel Peirano.

Novas medidas

Kirchner e Peirano não disseram se as novas medidas afetam a indústria brasileira. Mas há cerca de dois anos, quando foram lançadas, as “licenças não-automáticas” geraram crise entre industriais dos dois países – e voltaram a ser adotadas em fevereiro passado.
Entre os setores argentinos beneficiados com as restrições oficiais de importações anunciadas nesta sexta-feira estão calçados, têxteis, brinquedos, pneus, bicicletas, couro, informática e autopeças.

Saúde e segurança

O pacote inclui ainda medidas de restrições por questões de segurança e saúde, como no caso dos pneus e dos brinquedos fabricados na China, que deverão passar por um controle de qualidade.
“Antes, aqui na Argentina, os governos deixavam os produtores nervosos.
Agora, é diferente, os importadores é que devem ficar nervosos, graças a estas medidas que protegem e estimulam nossa indústria”, disse o empresário José Ignácio de Mendiguren, ex-presidente da UIA (União Industrial Argentina).
Mendiguren ficou conhecido por criticar, no início da década, a “invasão” de produtos brasileiros no mercado argentino. O ministro Miguel Peirano informou ainda que as medidas entram imediatamente em vigor e que algumas terão prazo para adaptação.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email