12 de maio de 2021

Uma capital que transita entre o ar de cidade do interior e a diversidade de uma metrópole. Em Aracaju, monumentos históricos contrastam com edifícios modernos, feiras locais, grandes shoppings apresentam uma grande variedade de produtos, calçadões e parques esportivos oferecem bons espaços para esportistas, restaurantes regionais e contemporâneos dividem clientes, mar e rios convivem de perto, dando um toque especial às paisagens da cidade. 

Turistas que curtem tranquilidade acham programas ideais por aqui: caminhar pela Orla de Atalaia relaxa e oferece lindo visual. O cair da tarde na Orla do Pôr do Sol renova as energias, as praias tranquilas e geralmente vazias permitem um descanso sem igual. Difícil se lembrar de trabalho e estresse por aqui. 

Localizada à beira do rio Vaza Barris, no Mosqueiro, é um espaço de contemplação a natureza. O local é dotado de ciclovia, parque infantil, restaurantes, rampa de acesso para lanchas e veículos marítimos, além de centro de cultura. Todos os sábados a orla recebe atrações musicais, feira de artesanato e apresentações de grupos folclóricos.

A Orlinha do Bairro Industrial, às margens do rio Sergipe, também é um dos novos atrativos turísticos de Aracaju. Também tem ciclovia, calçadão, parque infantil, centro de artesanato, bares e restaurantes, que oferecem excelentes pratos da culinária sergipana. Do local, é possível avistar a ponte Construtor João Alves e a Ilha de Santa Luzia, a Barra dos Coqueiros. A Colina do Santo Antônio, onde surgiu a capital sergipana, também é um dos pontos mais visitados pelos turistas. 

Se os focos forem história e cultura, de novo, o turista está no lugar certo. O centro é cheio de edifícios históricos, como a Catedral Metropolitana. A arquitetura da cidade preserva certo traço colonial e impressiona os visitantes. Museus interessantes valem uma visita, como o premiado e interativo Museu da Gente Sergipana, que se destaca entre os museus brasileiros. 

Mas a cereja do bolo é mesmo o Oceanário de Aracaju, que abriga 20 aquários que mostram a diversidade da flora e fauna marítima e fluvial de Sergipe. Várias espécies de peixes, tartarugas e outros animais marinhos atraem crianças e adultos. Deste centro, é possível observar a vida marinha ao vivo através de câmaras instaladas no fundo do oceano. 

Para encerrar, é bom dedicar um tempinho para conhecer os Mercados Centrais de Aracaju. Boa pedida para quem quer conhecer o cotidiano dos sergipanos e a autêntica cultural popular. Nos lojinhas é possível comprar um pouco de tudo. Impossível sair de lá sem levar alguma coisa. Assim, não esqueça o cartão de crédito no hotel.

DEU MEDO

Foto: Divulgação

A escritora Elissa Yoshida de Castro teve a ideia de criar algumas histórias para sua filha antes de dormir. Dessas criações surgiu a história da menina ribeirinha curiosa que já virou livro, publicado pela Amazon.com em português e inglês e nos formatos digitais e físico, possui 27 páginas com valor acessível para criancas na faixa etária de 5 a 10 anos. A ilustração é da artista plástica Rejane Melo que se encantou com a história e abraçou junto com a escritora a ideia. Para adquirir o livro só acessar o site da Amazon.com e procurar com o título Deu medo. Leitura para crianças que vale a pena.

SUMMIT

A Gramado Summit, considerada a maior conferência de inovação e tecnologia do país, agora tem sua história contada em um livro do empreendedor Marcus Rossi. Publicado pela editora Belas Letras e intitulado “O que não te contam sobre empreender: histórias do evento que acertou um tiro na lua”, o livro conta de maneira cômica os desafios do empreendedorismo e os percalços percorridos pelo empreendedor durante a trajetória de criação da Gramado Summit. Lançado em pré-venda na Amazon. Quem comprou ingressos para o evento – de 10 a 12 de março – recebem também um exemplar do livro.

HOTELARIA

Um dos setores mais atingidos pela pandemia foi, sem duvida, a hotelaria. Segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira, seccional Amazonas, Roberto Bulbol, a crise gerou uma serie de comportamentos novos entre os hoteleiros. Muitos deles estão repassando para os concorrentes os grupos de pequeno porte e arcando com as despesas. Para eles, é mais vantajoso negociar as tarifas com a concorrência do que abrir toda a estrutura para atender poucos hospedes. “Estamos fazendo mágica para sobreviver. Mas não sei até quando”, disse.

TOQUE

Foto: Divulgação

Localizado em São Sebastião (SP), o Ilha de Toque Toque Boutique Hotel & SPA acaba de receber o Loved by Guests Award 2021 da Hoteis.com™, título oferecido apenas aos estabelecimentos que receberam uma alta pontuação dos hóspedes através do site de reservas online. O prêmio atesta o serviço atencioso, o atendimento personalizado e o cuidado em cada detalhe que caracterizam o Ilha de Toque Toque. Destino único no Litoral Norte de São Paulo, o Ilha de Toque Toque Boutique Hotel é cercado pela exuberância tropical da Mata Atlântica e pelo panorama da Baía de Toque Toque.

COMUNITÁRIO

Foto: Divulgação

Na contramão do turismo de massa, o turismo de base comunitária consiste em visitar lugares onde a comunidade se envolve e assume papel de protagonista no processo turístico, ajudando no desenvolvimento local e na movimentação da economia regional. No Litoral Norte de São Paulo, as cidades de Bertioga, Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba vem somando esforços para trabalhar a região como um todo, por meio do Circuito Litoral Norte, e também apresentam projetos consolidados de turismo de base comunitária que visam preservar a rica biodiversidade regional e valorizar a cultura caiçara.

QUEDA

Ocupação hoteleira durante o carnaval ficou muito abaixo da expectativa. A princípio, uma pesquisa realizada pela ABIH Nacional junto às ABIH’s estaduais, apontou ocupação da hotelaria independente no início deste ano e as expectativas para o Carnaval. Assim, conforme o esperado, os números em todo o país foram muito abaixo dos índices de 2019 e de anos anteriores devido aos efeitos da pandemia e às restrições impostas pelas autoridades para tentar conter sua propagação. Diante disso, o turismo perdeu muitíssimo uma vez que o ambiente hoteleiro é extremamente seguro.

PIRANHAS

Piranhas é o terceiro destino turístico de Alagoas, mesmo que os números apontem Marechal Deodoro, que na verdade contabiliza os números da praia do Francês pela proximidade de Maceió. A alta estação começou e a cidade “Lapinha”, está lotada com visitantes de todos os cantos do Brasil. Hotéis, pousadas, casas alugadas por temporadas sem falar dos restaurantes, bares e food truck, que hoje também fazem parte do roteiro gastronômico de Piranhas. Segundos dados coletados juntos aos empresários de turismo, a cidade tem recebido cerca de 30 a 40 mil pessoas.

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email