Ao perdedor, e não ao vencedor, as batatas

Não parece exagero dizer que “crise” e “coronavírus” são as palavras de ordem de 2020. Nem poderia ser diferente, considerando que a pandemia, no Brasil, já superou o recorde de mortes deixado pela gripe espanhola, último grande surto viral registrado na história mundial. Ao falar de crise, contudo, cautela: se o afã inicial fez pensar que a pandemia traria uma depressão econômica grave e generalizada, os fatos e números atuais denunciam que essa previsão é uma “meia verdade”.

A crise é um fato: há recorde nos números de desemprego, expectativa de queda para o PIB e aumento da inflação, além de uma onda de falências, especialmente entre empresários do setor de serviços. Não se trata, todavia, de uma crise generalizada, já que, ao lado do insucesso de muitos, há uma torrente de prosperidade para alguns.

É o que mostra o aumento no valor das ações negociadas em bolsa de valores de empresas como Magazine Luiza, com alta de 41,59% em 2020, e B2W (dona das varejistas Americanas.com, Submarino e Shoptime), cujo aumento foi de 49,54% no mesmo período. Outro exemplo de sucesso na crise são as plataformas de delivery, como RappiIfood e Uber Eats que surfam na onda do aumento de demanda para entrega em razão do isolamento social.

Certamente o crescimento de alguns setores econômicos não é argumento suficiente para negar o cenário de depressão pelo qual o mercado passa. No entanto, não se pode ignorar o fenômeno de expansão de determinados setores, sobretudo no momento de estruturação de políticas públicas para a retomada da economia. Falar em crise, de forma generalizada, como se afetasse toda a sociedade e todos os agentes econômicos indistintamente, é uma falácia colocada a serviço do interesse de poucos e que pode significar o prejuízo de muitos.

Em suma, se a crise não é para todos, a ajuda do poder público também não pode ser. Não se pode deixar que a palavra “crise”, que domina os discursos atuais, seja utilizada como cortina de fumaça para favorecer agentes econômicos que experimentaram franco crescimento neste período.

É preciso pesquisa, planejamento, impessoalidade e eficiência na construção de políticas de incentivo ao setor privado, com a identificação daqueles setores e agentes mais prejudicados e mais necessitados da atuação do Estado. Essa última categoria certamente não inclui gigantes do e-commerce, mas, sim, ao que parece, os pequenos e médios comerciantes do setor de serviço, sabidamente mais frágeis, com piores condições de acesso ao crédito e mais dependentes de consumidores locais.

Aqui há que se subverter Machado de Assis: não podemos entregar ao vencedor as batatas. No Brasil de 2020, o lema deve ser: ao perdedor, as batatas.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email