Antecipação do 13º injeta R$ 36 mi na economia de Manaus

Prefeitura finaliza pagamento da 1ª parcela do benefício nesta sexta-feira, 29

A prefeitura de Manaus conclui nesta sexta-feira, 29, o pagamento da primeira parcela do 13º salário dos servidores municipais. O adiantamento está sendo efetivado juntamente com o pagamento de julho, e corresponde a 50% do valor do benefício devido aos funcionários. Conforme cálculo da Semad (Secretaria Municipal de Administração), o total a ser injetado pelo município será de aproximadamente R$ 36 milhões.
“Além de antecipar o benefício, que é sempre comemorado pelos servidores, a prefeitura vai injetar um montante de recursos expressivos na economia local, numa época em que o comércio geralmente costuma ser fraco”, ressaltou o titular da Semad, José Assunção.
O presidente da ACA (Associação Comercial do Amazonas), Gaitano Antonaccio, concorda que a injeção de capital vem em boa hora para o setor, que se prepara para o Dia dos Pais, mesmo diante das perspectivas de desaquecimento da economia, em função das medidas do governo federal para conter a inflação.

Pagamento de dívidas

Na avaliação do dirigente, esse dinheiro a mais no bolso de parte significativa dos consumidores manauenses vai contribuir para o enxugamento do cadastro do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) –que fechou junho com 3.556 inscritos–, além de incentivar novas compras, a serem pagas no longo prazo.
“Juntando com o adiantamento do governo do Estado, entre outras injeções, é um incentivo para o consumidor quitar suas dívidas, dando a ele a possibilidade de voltar a gastar”, comemorou.

Corecon/AM descarta possibilidade de pressões sobre os preços

Apesar do virtual apelo ao consumo, Gaitano Antonaccio não vê no aumento de liquidez na economia o perigo de nova elevação do nível de endividamento das famílias, ainda que no longo prazo. “O consumidor está atento às medidas do governo para refrear a inflação. Diante de juros mais altos e da tendência de novos reajustes na Selic, assim como do dólar em baixa, ele vai deixar para comprar alguns itens mais tarde, principalmente no caso dos importados”, ponderou.
O vice-presidente do Corecon/AM (Conselho Regional de Economia do Estado do Amazonas), Aílson Nogueira, também avalia que esse dinheiro a mais na economia amazonense chega em boa hora para o comércio. O economista lembra que, por tradicionalmente gerar efeitos de longo prazo, o novo aumento da Selic não deve inibir o consumidor diante de uma nova data comemorativa, no caso, o Dia dos Pais.

Consumo moderado

Nogueira acrescenta também que, apesar de parecer contraditório, pelo menos neste caso, o acréscimo de capital na economia não deve acarretar novas pressões inflacionárias. Isso se deve, segundo o economista, ao diferencial dos beneficiados, uma vez que o funcionalismo está majoritariamente nas classes B e C.
“Não vejo que isso vá causar impactos na inflação, nem uma corrida desenfreada às compras. Sabemos que a classe C é hoje a que mais consome no país, mas acredito que isso se dará de forma moderada. Boa parte desse dinheiro deve ir mesmo para quitar as dívidas e outra para a poupança”, finalizou.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email