Anjos do Brasil sobrevoam Manaus

A imagem de anjos tocando trombetas harmoniosamente em uma nuvem, muito propagada pelos pintores do período barroco, está ficando para trás. No mercado de investidores, os anjos são bem mais agressivos, usam paletós e gravatas, abrem seus notebooks e fecham negócios de investimento, sempre visando o maior lucro possível. Nos últimos anos, os anjos estão promovendo o desenvolvimento no mundo dos negócios, beneficiando empreendedores ávidos por capital, pela expertise e pela rede de contatos de investidores.
O investimento-anjo é uma atividade que possui alto potencial de impacto na criação de empresas de alto valor agregado, destacando-se como exemplos a Apple, o Google, o Facebook e a Fedex dos EUA e a Bematech e o Buscapé do Brasil. O Investidor-anjo é um profissional que efetiva além do investimento dos recursos financeiros necessários para a criação de novas empresas, seu conhecimento, experiência e relacionamento aumentando significativamente as chances de seu sucesso bem como acelera seu crescimento, gerando além de empregos mais qualificados, know-how e tecnologia para o país.
Tão nova quanto a tendência em nosso país, é a Anjos do Brasil, uma organização sem fins lucrativos criada com o objetivo de fomentar o crescimento do investimento-anjo para apoio ao empreendedorismo de inovação, compartilhando conhecimentos, experiências e oportunidades de negócios para investidores-anjo e empreendedores e apoiando a formação de redes de relacionamento, buscando ajudar a conectar todos agentes da comunidade empreendedora.
Para explicar um pouco mais e trabalhar a no Amazonas a cultura do investimento-anjo, esteve em Manaus na última quinta-feira (29), Milton Sousa, sócio investidor e um dos líderes da Anjos do Brasil. Ainda estiveram presentes no evento, Fucapi, Fapeam, Secti-Am, investidores e empreendedores. Essa nova tendência é muito bem aceita no Amazonas, Estado que já conta com nove incubadoras, como explica o secretário-executivo adjunto da Secti-Am, Eduardo Taveira “estamos satisfeitos com a mobilização do Estado em prol da inovação. O Estado tem criado estruturas e novas estratégias para um mercado mais competitivo e grandes parcerias para desenvolver o nosso Estado.”
Milton Sousa que é doutor em Administração de Empresas pela FGV-SP, em sua apresentração e posterior conversa com os participantes, explicou como agem e como se identificam bons anjos e empreendedores. “O anjo deve estar ciente de que corre riscos, mas ao detectar um bom negócio disponibiliza, além de capital, todo seu network, seus contatos, talentos e dedicação.”
Atuar como conselheiro também é uma das missões do anjo “todo empreendedor é apaixonado por sua ideia, cabe ao anjo, dar dicas de como torná-la viável. Mas isso não é uma ação social, lembre-se de que o anjo é um capitalista, está querendo o retorno do investimento.”
Identificando um bom empreendimento: “Ter a ideia, mas não ter perfil de empreendedor pode ser um tiro no pé. Boa ideia, mas sem um bom time ou faro para negócios, pode afugentar os anjos” explica Sousa.
Sobre o cenário local, Milton conta o que viu, “O Amazonas tem um riquíssimo ecossistema para investimento, principalmente na área de engenharia. Eletrônica e Informação são negócios que sempre terão investimentos por serem produtos escaláveis (produzidos em escala) e de fácil lucro. Esses produtos podem ser vendidos para uma pessoa ou para 1 milhão.”
Não temer investir em startups é uma das dicas de Sousa, “o efeito bolha, quando todos vão na mesma onda, inflando um segmento, não existe em startups. É um caso típico de investimento de alto capital, como o setor imobiliário, de construção e outros. As startups não oferecem muitos riscos pois os investimentos são partilhados entre os vários investidores, mas não dá para saber quando teremos o nosso ‘facebook’.”
Ainda durante o evento, Milton Sousa lembrou que a Anjos do Brasil abre em média dois ou três núcleos em todo o país e adiantou que o próximo será em Manaus. O líder da Anjos do Brasil em nossa capital será Marcelo de Oliveira, da VIP Investimentos, empresa incubada na FIT (Fucapi Incubadora de Tecnologia). Vale esperar para ver.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email