Os acontecimentos que dominaram as conversas e os debates do Brasil dos últimos dias são provas incontestáveis de que o poder público, isto é, a classe política desandou de vez e criou um país só dela e para ela.
A insanidade, o despreparo cultural, a insensatez, a ausência de senso crítico, a incultura, a falta de ética, enfim o negativismo quase absoluto mostra que a elite dominante não tem qualquer resquício de hombridade para lidar com os assuntos públicos e muito menos com acontecimentos que necessitam de um equacionamento político melhor elaborado e mais fundamentado nos saberes e na ética. 
Meu estarrecimento diante de tanta ignomínia é tamanho que até já pensei em procurar em outro lugar o meu lindo e limpo país, pois, com absoluta certeza, minha pátria não é esta que está sendo adubada com o que sai da cabeça da elite dirigente.

De quem é a culpa?

De um modo geral não ajo como policial buscando culpados por entender que a melhor solução para crises e problemas é identificar as causas para corrigi-las e só depois procurar culpados aplicando severas penas para quem originou individual ou corporativamente o problema.
Hoje, diante de tanta evidência, de tanto descalabro, de tanta insanidade, penso que o Brasil deve apontar, o mais rápido possível, os culpados por esse estado de calamidade que assola nossa Nação, exceção apenas para o setor econômico que, felizmente, não depende do governo.
As atividades portadoras de futuro –educação, ciência e meio ambiente– as únicas que podem garantir um porvir mais digno e mais cidadão, vivem momentos de abandono profundo, carentes de projetos inteligentes e criativos, que distribuam conhecimento o único fator que pode livrar a população carente do mal da “bolsa-esmola”.

O excelente Zé Ramalho

O excelente cantador nordestino Zé Ramalho, tem uma música cuja letra espelha bem esse retrato do Brasil onde a cobrança ao maior responsável recebe sempre a mesma resposta: “ tô vendo tudo, to vendo tudo, mas fico calado, faz de conta que sou mudo”. E o pior é que, quando fala, ajuda a adubar o país que acreditou nele depositando milhões de esperanças contra o medo.

Esse não é o meu País

O triste e lamentável acidente com o Airbus da Tam, foi a gota que fez derramar sobre o Brasil o leite gosmento da incapacidade, a prova definitiva de que o presidente pouco sabe das coisas sob seu comando, como ele mesmo declarou na reunião do Conselho Político (02/07/07). Foi assim nos episódios José Dirceu e “Mensalão”, foi assim com a crise aérea, foi assim incontáveis vezes.
Por isso ando procurando o meu país, pois esse, como cantou o Zé Ramalho “pode ser o país de qualquer um, mas não é, com certeza, o meu país”.
No meu país o presidente não estabeleceria “dia e hora” para resolver a crise e receber como resposta o agravamento do problema. No meu país a Anac não usaria 18.158 viagens dadas, por empresas aéreas, aos funcionários da agência incumbida de fiscalizar as companhias. No meu país, por conta de um acordo internacional, os diálogos da caixa preta do Airbus não seriam revelados. No meu país, o menor sinal de irregularidades praticadas pelo presidente do Senado levaria o governo a retirar o apoio deixando o personagem ruir sozinho.
No meu país, a beira de um apagão elétrico (alem do aéreo já instalado e de vários outros) o Luiz Paulo Conde, garotinho do Rio de Janeiro, não seria nomeado para Furnas Centrais Elétricas. No meu país o Palácio do Planalto seria realmente uma vitrine onde não se exibiriam obscenidades do tipo top, top, top e, mesmo com cortinas cerradas, o povo, aqui fora, teria certeza que, por trás delas, não se esconderiam patifarias.
No meu país, para dar confiança aos usuários, o teste da pista sem ranhuras do aeroporto de Congonhas, seria feito com o Airbus do presidente onde ele, seus ministros, os responsáveis pelo setor aéreo (Shopping Infraero, Medalhados da Anac, etc.), o batalhão de bajuladores e parasitas mais os jornalistas chapa-

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email