Amazonas tem redução de 0,04% no número de empregos

O Amazonas teve redução de 0,04% na quantidade de postos de trabalho em maio, sobre o mês de abril, com o fechamento de 148 vagas. Os números são do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e revelam que o setor de comércio e serviços foi o que apresentou o maior saldo positivo em maio, com 675 admissões .
A pesquisa verificou todas as cidades com mais de 30 mil habitantes. No Amazonas, entre os 12 municípios analisados, Parintins ficou com saldo positivo de 76 postos de trabalho, seguida por Manaus e Iranduba, com 55 e 37 vagas, respectivamente. Entre as cidades com saldo negativo, os destaques é para Manacapuru. O município demitiu 134 acima da quantidade de admissões.
A redução de 0,04% no Estado deve-se aos setores da construção civil e indústria de transformação. A primeira área ficou negativa em 234 demissões acima do número de contratações, diminuição de 68,89% sobre abril, onde 752 pessoas perderam o emprego.
A indústria de transformação amargou o saldo negativo de 600 postos de trabalhadores.
O superintendente da Delegacia do Trabalho do Amazonas, Dermilson Chagas, avaliou que apesar do declínio do número de empregos há expectativa de crescimento para junho. “O saldo negativo deste mês foi 85% menor que em abril e esperamos saldo positivo de pelo menos mil postos de trabalhado para o Amazonas”, disse Chagas.
Ele explicou que “como a maior quantidade de empregos está no polo industrial e o Amazonas trabalha conforme a demanda do restante do país, é natural que haja diminuição de vagas em um ambiente de crise”.

Diminuições nos postos é aceitável, diz metalúrgico

De acordo com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Waldemir Santana, essa quantidade de demissões não apresenta riscos ao setor. “Estamos com os quadros estabilizados, essa diminuição está até aceitável para o período em que a economia se encontra”. Ele adiantou que, “apesar de faltar pouco mais de uma semana para acabar o mês de junho, o setor da metarlugia já teve mais de 2 mil contratações”. Santana não soube informar quantos trabalhadores foram demitidos neste mês. O sindicato dos metalúrgicos têm 27 mil pessoas filiadas.
O presidente da FCDL/AM (Federação da Câmara de Dirigentes Lojistas do Amazonas), Ralph Assayag, está otimista com o quadro apresentado pelo Caged. “Estamos em um forte rítmo de crescimento desde o início do ano e esperamos crescer ainda mais, com as novas empresas que estão chegando à cidade”. Assayag destacou a chegada da rede de lojas Insinuante que ontem, inaugurou sua primeira loja em Manaus e espera gerar 500 empregos, quando estiver com todas as 14 lojas em funcionamento.
Segundo Assayag, a FCDL faz contatos regulares com grande lojas afim de trazer novos investimentos para Manaus. Ele declarou que desde janeiro pouco mais de 300 lojas foram abertas na capital amazonense, entre novos empreendimentos e abertura de filiais.

Região Norte tem saldo positivo de 5.039 vagas

No período de janeiro a maio do corrente ano, houve decréscimo de 15.159 postos (-4,32%). Nos acumulado dos últimos 12 meses, houve retração de 4,17% no nível de emprego, com -14.636 postos de trabalho. Em termos absolutos e relativos, este desempenho foi o pior resultado da região Norte. Desde 2004 o nível de empregos no Amazonas está em declínio. Naquele ano foram o saldo ficou em 3.421 empregos abertos e 2.041 em 2008.
Os Estados da região Norte marcaram saldo positivo de 5.039 postos de trabalho, alta de 0,39% em relação ao mês de abril. O Sudeste teve a maior alta, 0,56%, com 100.020 vagas de empregos, da diferença entre contratações e demissões; seguido pelo Centro-Oeste, com saldo de 7.233.
No Brasil a criação de empregos chegou a marca de 131.557 pessoas com carteira assinada no mês de maio, crescimento de 0,41%. Esse aumento foi o melhor resultado do Caged em neste ano, sendo o quarto mês consecutivo de expansão. O número de admissões neste mês foi de 1.348.575, o segundo maior da série do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados.
“É a primeira vez este ano que todos os setores da economia em todas as regiões do país apresentam saldo positivo de emprego. É a prova de que a recuperação está acontecendo de forma coerente, permanente e segura”, avaliou o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, durante entrevista coletiva, ontem, em Brasília.
O Estado de Rondônia teve pontuação positiva de 5.361 empregos, seguido pelo Espírito Santos (10.061) e Acre (443), com resultado recorde para toda a série do Caged.
Em termos absolutos, São Paulo e Minas Gerais foram os Estados que mais pontuaram. Este com 37.518 postos e aquele com 44.521. A pesquisa também encontrou números negativos no levantamento por unidade da federação, com Rio Grande do Sul (-4.076 vagas) e Santa Catarina (-2.072 vagas).
Os cinco primeiros meses de 2009 somados contabilizam inserção de 180.011 postos de trabalho, alta de 0,56%, sobre dezembro de 2008 em todo o país. Nos últimos 12 meses, o emprego formal elevou-se em 1,84%, resultante da criação de 580.269 postos de trabalho.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email