Amazonas produz acima da média nacional

As linhas de produção da indústria trabalharam mais em fevereiro. Isto é o que mostra o levantamento feito pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), através da pesquisa industrial mensal de produção física regional. No Amazonas, o crescimento superou a média nacional. Enquanto o Brasil obteve 1,9% de alta, as indústrias do Estado alcançaram produção 4,6% maior na comparação de fevereiro com janeiro.
Outra análise que coloca o polo industrial da região em ritmo quente de produção é quando se confronta o resultado de fevereiro deste ano contra o mesmo período do ano passado. O crescimento foi de 11,1%, a percentagem ficou em nível próximo ao dos 16,5% obtido em julho de 2010. O alto valor daquela época é reflexo do franco processo de recuperação que os setores da economia passaram durante a fase do ano passado.
O índice acumulado no primeiro bimestre do ano registrou salto de 5,6%. A taxa do acumulado nos últimos 12 meses seguiu com um balanço positivo de 13%, embora a pesquisa aponte redução no ritmo de crescimento desde setembro de 2010 – 16,5%.

Material eletrônico

Apesar dos números felizes mostrados pelo IBGE no Amazonas, houve setores industriais que apresentaram retrocesso nos índices de produção. A maior depressão em fevereiro veio do setor de material eletrônico e equipamentos de comunicações com recuo de 9,8%. Segundo a pesquisa, o principal motivo foi a redução na fabricação de televisores no PIM (Polo Industrial de Manaus).
Para o economista da Fieam (Federação das Indústrias do Estado do Amazonas), Gilmar Freitas, a percentagem negativa do segmento eletrônico não é uma informação alarmante, muito pelo contrário, quedas neste período são esperadas.
“Por outro lado, a partir de março, na reta final do terceiro trimestre, é que começa a esquentar a produção na área de eletrônicos. Outro fator que colaborou foi que as medidas do governo [de restrição de crédito] estão surtindo efeitos de maneira suave”, ponderou.
O economista também considera que, como reflexo das estratégias governamentais, a oferta de produtos para 2011 deverão ser mais contidas.
Nove, das 11 atividades investigadas pela pesquisa, apresentaram crescimento. Sendo elas: equipamentos de transporte (39,9%) e equipamentos de instrumentação médico-hospitalares, ópticos e outros (98,6%), contribuições de refino de petróleo e produção de álcool (38,1%) e produtos de metal (28,5%).
Os itens que pesaram e ajudaram o desempenho das linhas de produção no mês destas atividades foram, sobretudo, motocicletas, relógios, gasolina automotiva, óleo diesel, aparelhos e lâminas de barbear.
Na variação mês com mês, os 4,6% posicionaram o Amazonas em quarto lugar no ranking dos 14 Estados onde a pesquisa foi coletada. Goiás (9,1%), Pernambuco (8%) e Rio de Janeiro estão na frente. Já o Paraná teve a maior avalanche negativa com 10,5% a menos de produção em fevereiro.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email