Alves estica volta do ‘recesso branco’

Apesar do fim do “recesso branco” do Congresso estar marcado para esta quinta (1°), o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), só retorna às atividades da Casa na próxima semana.
O peemedebista está em viagem ao exterior e deixou os trabalhos sob o cuidado do vice-presidente, André Vargas (PT-PR). A Câmara e o Senado marcaram sessões para essa tarde, mas a expectativa é de quórum baixo. As votações só devem ser retomadas na próxima semana.
Tradicionalmente nas quintas-feiras, a Câmara realiza sessões pela manhã para deliberar sobre projetos que tratam de acordos internacionais e de tarde ocorrem sessões de discursos.
A assessoria de Eduardo Alves não informou o destino da viagem e disse que ele adiou a volta aos trabalhos porque na semana passada, mesmo de folga, ele cumpriu atividades do Parlamento, como a cerimônia de recepção do papa Francisco, que visitou o Brasil.
O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), é esperado no início do tarde em Brasília. Pela Constituição, o Congresso só poderia ter entrado de recesso se tivesse aprovado a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias), o que não ocorreu. Deputados e senadores, no entanto, fizeram uma manobra regimental para manter as férias de julho.
O Senado e a Câmara aprovaram requerimentos de líderes partidários para que não fossem realizadas sessões do plenário entre os dias 18 e 31 de julho, período previsto pela Constituição para o recesso parlamentar.
O governo tem atuado nos últimos dias para conter a insatisfação da base aliada e chegou a liberar R$ 2 bilhões em emendas parlamentares.
Na Câmara, o governo deve enfrentar dificuldades já nas primeiras sessões. Os deputados precisam concluir a votação do projeto que destina receitas de petróleo para educação (75%) e saúde (25%). O governo queria 100% para educação.
Outro impasse é quanto ao uso do fundo social -espécie de poupança dos recursos de exploração de petróleo -para educação. O governo não aceita que seja aplicado o capital do fundo: defende a destinação só do rendimento.
Também enfrenta resistência palaciana a proposta do Orçamento impositivo para as emendas parlamentares, uma das bandeiras do presidente da Câmara.
Eduardo Alves marcou a votação do texto para 6 de agosto na comissão especial e pretende levar o projeto ao plenário no dia 7. O governo alega que tornar obrigatória a execução das emendas pode engessar o Orçamento.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email