Quando tudo parecia estar se encaminhando para a pavimentação da BR-319 (Manaus-Porto Velho), o Tribunal Regional Federal da 1ª Região suspendeu as obras para a reconstrução do trecho de 52 quilômetros da rodovia, que já havia sido licitado. A decisão atendeu ao pedido do Ministério Público Federal em recurso, por conta da ausência de licenciamento ambiental para o empreendimento, situação que já havia sido objeto de decisão transitada em julgado. O recurso foi apresentado depois que a 1ª Vara Federal no Amazonas negou o pedido do MPF para suspender a contratação de empresa para elaboração dos projetos básico e executivo de engenharia e execução das obras para a reconstrução do lote C da rodovia, trecho compreendido entre os quilômetros 177,8 e 250 da BR-319. O MPF apontou que a Justiça Federal já havia decidido que o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (Dn) só deve iniciar ou prosseguir as obras de recuperação nos trechos indicados como sendo de ampliação da capacidade da rodovia após a obtenção da licença ambiental perante o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis.

SÓ COM VACINA

O prefeito David Almeida (Avante) disse a empresários, em reunião virtual, que a reabertura total do comércio depende da vacinação da população, e de condições que não estão atreladas exclusivamente à gestão municipal, mas garantiu que as tratativas para recebimento de doses do Ministério da Saúde, e para aquisição de novas vacinas, já estão bem avançadas.

APOSTA

Há quem aposte todas as fichas que nenhum pedido de impeachment do governador Wilson Lima (PSC) será levado ao plenário pelo presidente da Assembleia Legislativa, Roberto Cidade (PV). Nem tanto por causa de algum tipo de acordo entre os dois, mas principalmente porque o deputado não pretende se desgastar com mais uma rejeição, como ocorreu com o antecessor, Josué Neto (Patriota), que ficou sem força até mesmo para ser candidato a prefeito de Manaus, depois que o pedido colocado em pauta por ele foi flagrantemente derrotado.

ÁGUA

O Fórum das Águas, articulação da sociedade civil organizada por meio de representações e movimentos sócio-ambientais promovem, na próxima sexta-feira, 05.03, às 10h, a live “Encontro das Águas: a quem interessa a destruição?”, na página institucional do Facebook: @forumdasaguasam. A transmissão integra a programação de sensibilização da população quanto à importância do patrimônio imaterial nacional e quanto à situação das águas na Amazônia, preparada para o mês de março em alusão ao Dia Mundial da Água, celebrado em 22 de março pela Organização das Nações Unidas, no ano de 1993.

CRESCIMENTO

empresas
Foto: Divulgação

A Junta Comercial do Estado do Amazonas registrou no mês de fevereiro de 2021 – segundo dados do relatório do Sistema de Registro Mercantil (SRM) da autarquia, vinculado ao Ministério da Economia – um crescimento de 2,9% no número de empresas constituídas no estado, em comparação com o primeiro mês do ano de 2021.

EM NÚMEROS

Em fevereiro foram abertos 567 novos empreendimentos no Amazonas, enquanto em janeiro de 2021 foram 551 novos negócios. O mês de fevereiro de 2021 também apresentou números melhores do que o mesmo mês de 2020, quando a Jucea registrou 460 novas constituições de empresas.

ALDIR BLANC

O Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, abriu chamada pública para adequação das propostas contempladas nos editais Feliciano Lana e Encontro das Artes, da Lei Aldir Blanc. A medida é para as propostas que precisam de alterações, devido aos decretos governamentais para enfrentamento da Covid-19 no Estado do Amazonas. 

HOMENAGEM

A Superintendência da Zona Franca de Manaus foi homenageada ontem, durante uma Cessão de Tempo de autoria do deputado Adjuto Afonso (PDT), pela passagem dos 54 anos da entidade. O superintendente, general Algacir Polsin, apresentou resultados, falou das perspectivas para a Zona Franca de Manaus e da importância da preservação florestal, consequência do modelo econômico implantado e gerenciado pela Suframa.

INICIATIVA

A situação da pandemia da Covid-19 no Amazonas ainda é muito grave e, com esse cenário, o movimento nacional UniãoBR, que está presente em 23 estados e vem atuando desde o início da crise sanitária, realizou parceria com 20 empresas e entidades para viabilizar a compra de seis usinas de oxigênio. Os equipamentos serão enviados para os hospitais públicos do Amazonas nas seguintes cidades: Alvarães, Santo Antônio do Içá, Codajás, Tapauá, Apuí e Urucará. O valor total arrecadado foi de R$ 2 milhões.

FRASES

“Ao concentrar a atividade econômica em uma área física reduzida, com baixo índice de utilização de recursos florestais, a ZFM garantiu a preservação de 98% da mata nativa do Amazonas, o que significa 1,5 milhão de quilômetros quadrados de árvores preservadas. ”. Algacir Polsin, superintendente da Suframa

“O Brasil, como o mundo, vive uma pandemia. Momento que exige a união de todos. Exige racionalidade e entendimento. Não estamos tendo sorte. ” Serafim Corrêa (PSB), deputado estadual

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email