AGCO compra patente de máquina para colher cana em área com declive

O protocolo, prevê ainda o fim das queimadas em áreas mecanizáveis até 2014. Vale lem­brar, que a adesão ao protocolo foi voluntária

A direção da AGCO anun­ciou que adquiriu a patente do protótipo de uma colheitadeira para cana-de-açúcar, que con­se­gue operar em terrenos com declive. Apesar de não re­velar o investimento, a nova colheitadeira será fundamental às usinas paulistas que aderiram ao Protocolo Agroambiental, assinado entre a indústria e o go­verno do Estado de São Paulo e que prevê a eliminação da quei­ma nos canaviais instalados em ­áreas não mecanizáveis, ou seja, terrenos com declive superior a 12%, até 2017.

O protocolo, prevê ainda o fim das queimadas em áreas mecanizáveis até 2014. Vale lem­brar, que a adesão ao protocolo foi voluntária e já con­ta com a assinatura de boa parte das usi­nas instaladas no Estado.

“O equipamento está em fase de apri­proramento e ainda deve pas­sar por testes práticos antes de chegar ao mercado. Nossa expectativa é de que esteja dis­ponível nos próximos dois anos”, afirmou André Carioba, vice-presidente sênior e gerente geral da AGCO na América do Sul.

Além da colheitadeira, a direção da AGCO informou que pretende ter uma linha completa para o setor sucroalcooleiro com a marca Valtra, pois as perspectivas do mercado é de que a demanda de etanol seja crescente. “Em 2012, os carros flex fuel representarão 52% da frota brasileira de veículos, o que demandará um grande volume de etanol feito de ca­na no Brasil”, disse Martin Richenhagen, presidente e CEO da AGCO.

O Brasil representa hoje cerca de 10% das vendas globais da AGCO, que devem totalizar este ano US$ 6,5 bilhões. No ano passado, essa participação era em torno de 6%. “Por se tratar de um mercado importante para a AGCO, a empresa pretende investir US$ 150 milhões nos próximos três anos no Brasil”, informou Martin Richenhagen. Entre os investimentos pre­vistos pela empresa no país está a construção de uma fábrica de montagem de tratores no Mato Grosso do Sul.

A AGCO, cuja matriz está instalada na Geórgia/EUA, está presente no Brasil há quase 50 anos, o grupo en­globa as marcas Challeger, Fendt, Glea­ner, Hesston, Massey Fer­guson, New Idea, RoGatos, Spra-Coupe, Sunflower, Terra-Gator, Val­tra e White Planters. No Brasil, a companhia possui quatro fá­bricas: Mogi das Cruzes/SP (tratores e mo­tores), Canoas/RS (tra­tores), San­ta Ro­sa/RS (equipamentos) e Ibirubá/RS (implementos agrícolas).

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email