Afonso Lins disputa o comando do Crea-AM

Com vasta experiência na engenharia e órgãos do setor, Afonso Lins se credencia à corrida rumo à presidência do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Amazonas (Crea-AM), com a expectativa de uma gestão desburocratizada. A entidade possui tradição nas ações de fiscalização e garantia dos direitos da classe, com deferência nacional junto aos demais conselhos pelo País.

Na bagagem de Lins está a presidência da Associação Amazonense de Engenheiros e Arquitetos (AEAA), coordenação nacional do Colégio de Presidentes do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) e superintendência regional do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

Pedro Côrtes – O senhor já comandou o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Amazonas (Crea-AM), em anos anteriores, quais as principais conquistas de seus três mandatos?

Afonso Lins – Foram muitas. Entrei no Crea ainda como estagiário, quando era estudante de engenharia. Me formei, entrei numa entidade de classe e acabei eleito presidente dela. A partir daí, ampliei e colaborei com o quadro de conselheiros e, com mais experiência, me candidatei a presidência do Crea Amazonas.

Na primeira gestão, criei o ‘Crea Jr.’ no Amazonas, com a ideia de estimular a participação de jovens profissionais no Conselho. Eu era o conselheiro mais jovem e trabalhei por esta renovação no Crea. Também iniciei o processo de interiorização e implantei as primeiras inspetorias no interior do Estado. Deixei sete funcionando.

Dez anos depois, reencontrei o Crea com apenas duas. Fecharam as outras. Reiniciei este processo e hoje são 19. Agora sim podemos chamar de Crea do Amazonas. E não só de Manaus. Além disso, nesta última gestão investi em tecnologia e agora vamos começar a colher os frutos nos próximos três anos.

PC – Se eleito novamente, o que o senhor leva da experiência de seus mandatos para a nova gestão da entidade?

AF – Penso que a experiência como gestor público será fundamental neste cenário de pós-pandemia. O desemprego deve aumentar em diversas áreas. Para ajudar os nossos profissionais, já estamos desenvolvendo um sistema de robôs que vai vasculhar a internet atrás de ofertas de empregos, editais de concurso e licitação.

A ideia é disponibilizar essas informações a todos os profissionais interessados. Além disso, vamos realizar um concurso público para o Crea, contratando profissionais da engenharia, da agronomia e das geociências para cargos importantes da fiscalização e da emissão de acervo. 

Outra ideia é um espaço de co-working aberto aos profissionais. Nesta gestão, compramos um prédio vizinho ao Crea. Aumentamos o patrimônio do Conselho e agora vamos oferecer este espaço aos profissionais.

PC – O Crea-AM é uma entidade que fiscaliza o exercício profissional da engenharia, agronomia e afins, como o senhor avalia o cenário do segmento no Amazonas?

AF – O desafio maior nesta gestão é a fiscalização das empresas que contratam engenheiros como analistas. Este vai ser o norte da próxima gestão. Inclusive com a ampliação da equipe de agentes fiscais através de concurso público, isso será possível. Já ampliamos as ações na zona leste com a nossa inspetoria naquela região. As ações no interior também já voltaram a acontecer nesta gestão e serão ampliadas nos próximos três anos. Muita gente não sabe, mas o Crea não fiscaliza apenas obras de engenharia civil, mas o setor primário também, principalmente no interior.

PC – Como o senhor pretende manter o diálogo entre o Crea-AM e as demais entidades do setor?

AL – Nosso diálogo sempre foi com total transparência. No ano passado, inclusive, abrimos um edital de R$ 140 mil para apoiar as entidades de classe que apresentaram projetos. Foi a maior ajuda às entidades na história do Conselho. Mas nosso trabalho foi até maior. Conseguimos registrar quatro novas entidades de classe neste ano e sete novas instituições de ensino. Justamente para dar mais pluralidade ao Conselho e o profissional ser melhor representado.

PC – Quais suas expectativas, se eleito?

AL – O desafio no pós-covid será muito grande. A empregabilidade, apesar de não ser uma atribuição do Conselho, será uma das prioridades. Esta situação de contratarem engenheiro como analista não pode continuar. Com a tecnologia que implantamos na atual gestão, a ideia é que a gente deixe o Crea menos burocrático nos próximos três anos.

O profissional, por exemplo, poderá emitir sua ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) pelo telefone celular. As próprias despesas relacionadas ao Crea podem cair a zero com a parceria que estamos fazendo com o Banco do Brasil. Nela, o profissional paga a anuidade com as milhas do programa Anule Contas e assim nem precisará destinar dinheiro ao Conselho. Mas o mais importante, é o contato direto com os profissionais. Tenho o mesmo número de telefone celular há 20 anos. Todos os profissionais têm acesso direto ao presidente. Vamos continuar assim, trabalhando pela nossa classe.

#Posse

Na companhia da primeira-dama do Judiciário, Lúcia Chalub, o desembargador Domingo Jorge Chalub tomou posse, em solenidade transmitida por videoconferência, na última sexta-feira, iniciando o biênio de sua gestão, no comando do Tribunal de Justiça do Amazonas.

#Talento

De família tradicional, cujos valores morais e éticos são o alicerce de sua base, o médico José Eduardo Martins, que já passou pela Universidade de Coimbra, em Portugal, e frequentou as alas médicas do Hospital Sírio-Libanês, atualmente integra as Forças Armadas, por meio da Marinha do Brasil. O jovem é orgulho dos pais, o procurador Francisco e a odontóloga Mariane Martins, e dos irmãos João Victor e Pedro Paulo.

#Vitrine

… A beleza exótica de Andréa Borborema, herdeira de Sérgio e Mary Borborema. A advogada é reconhecida por seu carisma e competência profissional em sua área de atuação.

#Competência

De carreira acadêmica ascendente, o doutorando em Direito e Justiça pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Guilherme Benek Vieira, faz grande sucesso entre seus alunos de diferentes faculdades amazonenses, pelo domínio e dinâmica de ensino, no curso de Direito.

Lídia Abdalla (em vermelho) entre Natália Almeida, Andrea Pinheiro, Marly Vidal e Cyra Araújo

#Cor-de-rosaChoque

Pelo quarto ano consecutivo, o Sabin Medicina Diagnóstica é premiado pelo Instituto Great Place to Work, integrando a lista das melhores empresas para a mulher trabalhar. Fundado por duas mulheres, Janete Vaz e Sandra Soares Costa, no Grupo Sabin, as mulheres ocupam 77% dos postos de trabalho e 74% dos cargos de liderança e atualmente, a empresa está sob o comando da presidente executiva Lídia Abdalla.

Ao lado da filha Iriane, dona Maria Augusta Raposo da Câmara comemora idade nova

Raiz

Patrícia Brelaz, do Contemporâneo Café, trouxe para Manaus, o famoso tacacá parintinense. A iguaria faz parte do cardápio da época e tem ocupado o topo do ranking dos serviços em domicílio do bufê, nos fins do dia, proporcionando um chá da tarde ‘raiz’.

Delícias

A quituteira Asnah Castro faz circular entre seus clientes, menu com opções variadas, desde o famoso Escondidinho de Carne de Sol, ao prato fitness com omelete e complementos consagrados da empresária e chef.

Estreia

Inaugurou a escola In Cena Casa de Artes e Produções, empreendimento de capacitação e aperfeiçoamento de artistas, capitaneado pela cantora e atriz Marcella Bártholo, a produtora Anne Cantanhede, o publicitário Yan Bártholo e o ator Pedro Campêlo.

Capacitação

Dando start nas atividades online da In Cena Casa de Artes e Produções, o ator e coreógrafo do programa Caldeirão do Huck e de várias produções globais, Victor Maia, inicia o curso ‘Encarando uma Audição’. As inscrições podem ser feitas pelo e-mail [email protected] ou no número (21) 97124-1001.

Coleta

Os Postos de Entrega Voluntária (PEV) de materiais e embalagens recicláveis, instalados no Emporium Roma e Pátio Gourmet, voltaram a funcionar. Os materiais entregues nos postos ficarão de quarentena e, depois de inspecionados, serão recolhidos pela Prefeitura e entregues às cooperativas de reciclagem.

Investimento

No retorno das atividades presenciais, o Centro Universitário Fametro utilizará o sistema híbrido de ensino, onde as aulas serão presenciais e remotas, de forma simultânea. A instituição investe em novas tecnologias e segurança para receber professores e alunos em sala de aula, seguindo as medidas recomendadas pelos órgãos de saúde. 

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email