17 de agosto de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Aberta a temporada dos temporários no mercado local

Andreia Leite

A demanda pontual para complementação de trabalho temporário deve impulsionar o mercado no terceiro trimestre. Com um aumento vertiginoso na busca por esses profissionais, a entidade que representa o setor vislumbra mais de 630 mil vagas temporárias. A Asserttem (Associação Brasileira do Trabalho Temporário),  aposta que as contratações serão pontuais e não mais para repor o quadro de pessoal como aconteceu durante a pandemia. 

O presidente da associação, Marcos de Abreu informou que a estimativa é um aumento de 12% nas contratações temporárias nos meses de julho, agosto e setembro, em relação ao mesmo período de 2021.

De acordo com ele, ao contrário do que muitos pensam de que esta alta seria uma desconfiança na economia brasileira, o aumento das contratações temporárias deve ser visto com bons olhos.

“A pandemia impôs um novo modelo de gestão às empresas, que aprenderam a reduzir custos e a fazer ajustes rápidos às demandas de mercado utilizando intensivamente a contratação de temporários, sem precisar demitir. O que vem contribuindo para a queda do desemprego no País”, explica.

Além disso, ele reforça que as empresas já estão com os quadros de pessoal restabelecidos, como antes da pandemia. “Assim, agora, as contratações serão pontuais e não mais para repor o quadro de pessoal como aconteceu durante a pandemia. Com isso, a taxa de efetivação deve sofrer ligeira queda de 22% para 20%”, pondera.

Reflexo no mercado local

Especialistas em carreiras e gerentes de RH ouvidos pelo Jornal do Commercio, avaliam a tendência no formato de contratação e de que forma o mercado vai se comportar.  

“A reposição de colaboradores ganhou força durante todo o período de pandemia. Eu acredito que deva continuar, pois estamos observando uma reação favorável das contrações no modelo temporário. Mas, as empresas também estão atentas a mudança econômica com uma possível nova onda da pandemia, que tem aumentado os números de casos em todo país. De qualquer forma, eu considero que o volume de oportunidades no formato vai manter-se ou até crescer, pois nem todas as empresas voltaram a ter o mesmo nível de confiança de antes”, analisou a especialista em RH, Elaine Cristina. 

O especialista em empregos e carreiras e consultor de empreendedorismo e empregabilidade, Flávio Guimarães, concorda que as contrações devem ser pontuais. Entre os fatores está a ausência de solidez financeira por parte das empresas em relação ao faturamento. “Todos os recursos que estão sendo faturados, seja vendendo produtos,  serviços ou até  entidade do terceiro setor através de convênios são para recuperar todos esses anos de pandemia que tiveram queda. A tendência é que muitas contrações ocorram realmente pontuais, até para não ter que pagar muitos impostos e encargos, aí contrata e depois faz o desligamento. Então, a efetivação de fato, provavelmente tenha uma projeção de crescimento média daqui a um ano”. 

Marcia Santos, CEO da Alpha Consultoria e Recursos Humanos, disse que pelo movimento no mercado local, não dá para confirmar se as contratações pontuais realmente vão acontecer. “O que eu sei é que nesse período vai aumentar as contratações, mas não sei se serão pontuais. Pela minha quantidade de mão de obra temporária, alguns contratos vão finalizar este mês. Até por conta desse novo susto em relação a Covid, eu não sei como o mercado deve se comportar”, avaliou ela. 

A gerente de RH na Talents Consultoria, Jakeline Souza, comentou que há muitas empresas contratando sem ser o caso de substituição. “Neste momento, eu estou contratando para uma indústria cem funcionários porque a fabricante está estendendo para o terceiro turno, pois precisam produzir mais por conta do fim de ano que está se aproximando”, afirmou. 

Ela também estava aplicando processo em outra fábrica para mão de obra temporária para um turno estendido. “Eu tenho observado empresas reduzindo a efetivação, mas em contrapartida tem empresas contratando bastante estendendo para outros turnos inclusive criando o terceiro turno para dar conta das demandas que estão por vir pelo fim de ano, principalmente, no processo produtivo. Então existem essas duas vertentes”. 

Setores

Com relação aos setores, a Asserttem afirma que entre os meses de julho e setembro, a Indústria segue como destaque nas contratações temporárias, principalmente nas áreas Alimentícia, Farmacêutica e de Óleo e Gás; seguido do setor de Serviço, com ênfase para as áreas de Logística, Tecnologia da Informação e Serviços para pessoas físicas, que engloba clínicas, restaurantes, companhias aéreas; e do Comércio.

Resultado 1º semestre

Entre janeiro e junho deste ano foram geradas 1.322.200 vagas temporárias, uma ligeira queda de 4,6% em relação ao mesmo período de 2021, quando foram abertas 1.385.989. Segundo a entidade, a seca, a inflação e a guerra entre Rússia e Ucrânia foram fatores que impactaram os resultados das contratações do 1º semestre.

“A Asserttem tem se mantido cautelosa e atenta ao cenário mundial. Por isso, comemoramos o resultado expressivo alcançado entre janeiro e junho deste ano em relação à geração de vagas temporárias. E temos perspectivas positivas para o 2º semestre de 2022”, conclui o presidente da associação.

As contratações temporárias têm crescido ano a ano. Isso porque, a modalidade – prevista nos termos da Lei Federal 6.019/74 e do Decreto nº 10.854/2021 – virou instrumento gerencial das empresas para atender suas demandas.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email