A Suframa nas boas mão do general Polsin

”A base … poderia ser seguida doravante, já que a Zona Franca de Manaus tem ainda metade dos seus 106 anos de vida pela frente.”

O Oeste da Amazônia (mais o Amapá), no qual pode haver influência da Suframa – Superintendência da Zona Franca de Manaus, está tendo um encaminhamento de prospecções de prosperidade alvissareiro.

Nas mãos de seu superintendente general Algacir Polsin e equipe, o que se observa é um enfoque técnico, planejado e ousado, conectando outros órgãos federais e governos estaduais e prefeituras da região, tendo, entre outros desdobramentos, o projeto AMACRO, direcionado a partes do Amazonas, Acre e Rondônia, e que compreende um conjunto de ações para fomentar a economia em 13 eixos temáticos como saúde, bioeconomia, energia renovável e outros.

Este sucesso parece ser devido a alguns fatores: um deles é a competência e o preparo do general em gerir sistemas e organismos a partir de objetivos claros como se verifica existirem na legislação que rege o funcionamento do órgão, e um outro é a desvinculação da Suframa das indicações de cunho político de outrora.

O general segue uma visão superior, do coletivo, dos interesses que objetivam comunidades e não os números de CPF ou de CNPJ.

Os resultados dependerão de vários fatores, e certamente haverá um ou outro obstáculo a ser transposto, mas ao menos os obstáculos obscuros e maléficos da baixa política não atrapalharão o superintendente.

A gestão da Amazônia tem sido trabalhosa há décadas em virtude de dois aspectos principais: um é o seu tamanho (gerir Cingapura que mede 700 Km² – o tamanho de Salvador – é uma coisa; gerir mais de 5 milhões Km² de Amazônia, é outra), e o segundo aspecto é o conhecimento científico insuficiente que se tem dela, tendo no tamanho ainda o desdobramento de se tratar de nove entes federados estaduais e mais de 790 entes municipais, que normalmente não estão alinhados entre si.

A Suframa, na parte que lhe compete, está fazendo o papel de coordenação da Amazônia Ocidental, sem o que as dificuldades seriam maiores.

Propostas e projetos têm sido encaminhados ao órgão por diversos interessados dos estados que são abrangidos pelos limites do território, e a sistematização e ordenamento deles deverá resultar em planos de ação.

A base deste formato implantado e comandado pelo general Polsin poderia ser seguida doravante, já que a Zona Franca de Manaus tem ainda metade dos seus 106 anos de vida pela frente.

Parabéns, general! 

Selva!!!

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email