A quarentena acabou… E agora, mercado?

Nem os maiores nomes no empreendedorismo conseguiram prever o impacto do coronavírus no comércio em geral. Ainda é difícil acreditar que mudamos tanto em tão pouco tempo e para sobreviver aos quase 4 meses de “isolamento”, o empresário teve que se virar em mil e adaptar-se de imediato a nova realidade.

Algumas empresas fecharam, outras estão à beira da falência, outras ainda, decolaram identificando oportunidades que o novo cenário abriu. Porém o que todas têm em comum é que foram unânimes em recorrer a ferramentas digitais para permanecer no mercado.

Se você buscar “inovações na quarentena” no Google vai perceber que o jeitinho brasileiro prevaleceu e encontrará fotógrafos elaborando Books por Facetime, cabeleireiros ensinando o cliente a cortar cabelo em casa, e até diaristas ensinando como limpar a casa de forma eficiente na quarentena.

Entretanto, migrar para o digital de uma hora pra outra não foi tão simples assim. Empresários que não utilizavam a internet como vitrine de vendas e fonte de informação aos seus clientes, tiveram dificuldades para se readaptar. 

Na realidade, para quem já trabalha com o mercado digital sabe que não vivenciamos profundamente uma crise, até porque a alta escalabilidade nos faz encontrar potenciais compradores em qualquer lugar do mundo.

Não é de hoje a assertiva de que o país não vive apenas mais uma recessão, e sim um inchaço no mercado tradicional, com muitos profissionais e empresas fazendo a mesma coisa, vendendo do mesmo jeito, para os mesmos clientes.

A quarentena escancarou essa realidade e nos fez abrir um pouco mais os horizontes disponíveis no mercado, oferecendo dois tipos de públicos, o que estava carente de serviços digitais e procurava “comodidade, praticidade e segurança” e o público que nunca precisou do digital, mas agora só tinha esse mercado como opção.

A melhor parte disso é que foi possível avançar 3 meses em 3 anos. A importância do digital que presenciamos hoje no Brasil era algo pensado para 2023 e muitos profissionais ainda não sabem o que fazer para começar nesse novo mercado.

Por isso vou aproveitar a deixa e expor algumas ideias do que considero essencial para crescer no mercado digital com qualidade e profissionalismo.

Pesquisa mostra que quarentena influenciou os números de vendas do e-commerce

Eduque e informe os seus seguidores

Independentemente de você está começando agora ou não, o relacionamento do cliente com a sua marca é diferente quando você está nas redes sociais. Por exemplo, ao comparecer a loja física, o cliente provavelmente já tem em mente o que ele precisa. Quando este mesmo cliente navega pelas redes sociais e o encontra, talvez se surpreenda com o produto que você oferece ou a solução que você tem para a dor dele. 

Quanto mais conteúdo de valor você produzir, maior a possibilidade de mostrar a ele as vantagens de te escolher como resolvedora de seus problemas. Então, crie conexões com seu potencial cliente através de posts realmente informativos.

Avalie como sua loja pode inserir-se no formato “Delivery”.

Pense nos produtos e serviços que você oferece e adapte-os para o formato digital, vislumbrando o que melhor se encaixa e que resultará num bom atendimento e entrega segura e foque neles. 

Escolha alguns funcionários para pensar em estratégias de venda e criar uma “força tarefa” digital. 

Crie um grupo no WhatsApp ou Telegram com seus funcionários mais proativos e discuta estratégias de como “vender” esses produtos. Faça posts no Instagram da loja informando os serviços e produtos, coloque o link do whatsapp para que seu cliente tenha um canal de atendimento de fácil acesso e reforce o atendimento online com posts frequentes nos stories ou no feed do seu Instagram.

Crie descontos para quem optar por comprar seus produtos online

Empresas inteiramente digitais tendem a ter custos fixos e variáveis menores possibilitando criação de cupons de desconto e outras ofertas para seus produtos ou serviços. E se você tem sua loja física, crie promoções para os ítens chaves, não precisa colocar toda a loja no digital, coloque os que fazem mais sentido ao seu cliente e a sua logística. Algumas companhias áreas estão vendendo pacotes baratíssimos para 2021, mas apenas para quem comprar “hoje”.

Você não precisa ir tão longe, faça promoções para quem adquirir seu produto através das redes sociais. Se o seu cliente tem a opção de pagar menos, ele certamente vai preferir pagar menos. É uma ótima estratégia para movimentar suas redes.

Planeje o futuro do seu negócio pós-crise

A situação atual obrigou o comércio, do pequeno ao grande, a pensar digital. Não tenha dúvidas que isso influenciará o comportamento futuro do consumidor. A gigante americana Amazon contratou 100 mil trabalhadores nos Estados Unidos por conta do aumento dos pedidos online nesse período. Talvez este seja um ótimo momento para você abraçar o futuro e criar estratégia para o desenvolvimento do seu canal digital a médio e longo prazo.

E se você ainda não tem um negócio e está pensando em como fazer para desenvolve-lo, talvez montá-lo inteiramente no mercado digital seja uma sábia decisão, se feito com cautela, segurança e baixo investimento. É um formato muito mais fácil de se adaptar ao novo futuro incerto imposto pelo Coronavírus.

Aprenda a Empreender 

Pensando nesse novo cenário, para quem tem interesse em aproveitar este momento, tirar aquela ideia do papel e montar seu próprio negócio, o Curso Autônomo Digital é uma ótima oportunidade para fazer isso. Com pouco investimento e construindo sua empresa aos poucos, o curso te prepara para esse novo mercado e te apresenta todas as possibilidades de utilizar o mercado digital a seu favor e transformar suas redes sociais em uma ótima vitrine de vendas. Acesse: www.cursoautonomodigital.com.br

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email