A Inteligência Artificial em sua Vida

A inteligência artificial ou I.A. está cada vez mais presente no cotidiano das pessoas. Os onipresentes aparelhos celulares, por exemplo, podem responder perguntas e encontrar destinos com imensa facilidade. Geladeiras e até máquinas de lavar roupa se tornaram extensões dos computadores portáteis. Um dos mais importantes periódicos do país, em reportagem especial salientou recentemente que em aproximadamente setenta anos essa forma de inteligência superará o cérebro humano. Como consequência mais de cinquenta por cento das profissões conhecidas na atualidade serão desempenhadas por computadores. O texto excepciona os advogados.

O mesmo registro denota que essas facilidades trazidas pela informática podem ter um reflexo perverso. Países como o Brasil que ainda tentam superar dificuldades históricas com a educação de sua população certamente terão mais problemas para capacitar seus cidadãos para essa nova e expedita verdade. Uma nação com jovens se apropriando do espaço publico para tomar conta de automóveis, em que homens em idade produtiva para o trabalho avançam em direção aos veículos nos sinais de trânsito na tentativa de extorquir motoristas na “limpeza” de para-brisas em plena chuva, não se pode afirmar está caminhando a passos largos na erradicação da miséria.

Essa realidade de um novo mundo acaba por flertar bastante com algumas obras ficcionais, cujo desenrolar é assustador. Ocorre-me ter assistido na década de oitenta do século passado a película Colossus: The Forbin Project baseada na obra do mesmo nome do escritor D.F. Jones. No filme que se passa durante a guerra fria os Estados Unidos decidem construir um supercomputador e lhe entregar toda a autoridade dos sistemas de defesa, inclusive dos mísseis nucleares. O computador ulteriormente desenvolve vontade própria e entra em contato com o computador russo, denominado Guardião, similar a ele. Os dois se juntam e entendem que, para favorecer a Humanidade, esta deve se sujeitar a eles e evitar assim a eminente autodestruição.

Com o mando dos dispositivos nucleares os computadores alcançam, seus objetivos e acabam por submeter toda a comunidade cientifica e a raça humana ao que entendem ser necessário para obtenção da segurança e da paz mundial. O filme proporciona, ainda hoje, mesmo sem os recursos de computação gráfica excelente entretenimento. Acredito que o mesmo inclusive o que serviu de inspiração para o Exterminador do Futuro.

O que era pura ficção científica passou na verdade a ganhar contornos de irrefutável realidade em nosso cotidiano.. Um estudo da Universidade Stanford com os 100 maiores especialistas da área sugeriu que podem ser perigosas as consequências da fabricação de uma inteligência artificial perfeita. Grande parte dos cientistas está certa de que os efeitos disso poderão ser catastróficos”. O fato é que o aludido periódico que retirou os causídicos do elenco de ocupações substituíveis pelas máquinas não considerou a hodierna existência de um consultor jurídico que já atua em aproximadamente em dez grandes escritórios de advocacia dos EUA. O robô anunciado como o primeiro advogado com inteligência artificial é denominado ” ROSS.”

Alguns escritórios jurídicos como o BakerHostetler, que agrega cerca de 50 advogados humanos e é especializado em falências utiliza essa tecnologia para efetuar pesquisas em milhares de páginas de jurisprudência . Essa tarefa previamente era atribuída a advogados recém formados. O sistema Ross encontra soluções jurídicas para cada situação. Suas hipóteses podem ser questionadas ou robustecidas por seus usuários. Especialistas já vislumbram esse software complexo como o futuro próximo inclusive em exames médicos permitindo celeridade no diagnóstico de determinadas patologias. A humanidade recebeu a informática como uma lufada de prosperidade em um mundo conturbado e violento. Sua utilização para beneficiar a coletividade pode de fato maravilhar com a inteligência artificial suplantado uma miríade de atividades ocupadas tradicionalmente pelo homem. Esse mesmo homem não pode olvidar que a A.I. só existe por sua iniciativa e que só tomará caminhos indesejáveis se encontrar lastro para tanto na própria engenhosidade humana que nunca será desprezada. Quem viver verá!

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email