6 de dezembro de 2021

No mês passado, agosto, uma área do tamanho de Belo Horizonte foi desmatada na Amazônia atingindo o maior índice mensal de desmatamento para o mês em 10 anos, 1.606 km². No acumulado de janeiro a agosto de 2021 o índice também foi o pior desde 2011. Será que os manauaras acreditam, do ponto de vista econômico, que “derrubar” a floresta é o melhor caminho para terem uma melhor qualidade de vida?

O Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) afirma que em relação a agosto do ano passado, a área desmatada neste ano é 7% superior e o acumulado nos 9 meses é 48% maior do que no mesmo período de 2020, com 7.715 km². Para quem não conhece o Imazon é uma instituição brasileira de pesquisa que tem como missão promover conservação e desenvolvimento sustentável na Amazônia. 

No mês de setembro o ritmo do desmatamento segue acelerado e a Amazônia perde diariamente uma área de floresta maior do que 4 mil campos de futebol. Até agora já foram devastados 1.224 km², o que corresponde ao tamanho da cidade do Rio de Janeiro e já é a pior marca para setembro em 10 anos. 

Durante a gestão do ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles ficou muito claro que na sua antológica frase “passar a boiada” o que estava sendo gestado e posto em prática era a desestruturação de políticas protecionistas do meio ambiente. Demissões de fiscais, anistia a desmatadores, flexibilização de regras para a exportação de madeira nativa do Brasil, eliminando a necessidade de autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e várias outras ações facilitaram a exploração das florestas no Brasil. Agora cabe dizer que a exploração depredatória da Amazônia não começou neste governo.

Com a propaganda que dizia “Toque sua boiada para o maior pasto do mundo”, o governo federal, em 1970, incentivava produtores rurais a ocuparem a Amazônia. E a iniciativa surtiu efeito, pois o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estima que os estados da região norte concentram 41,6% do rebanho bovino do Brasil. Na contextualização de que a exploração da Amazônia já ocorre a muito tempo o MapBiomas informa que entre 1985 e 2020, a Amazônia perdeu 74,6 milhões de hectares de sua cobertura vegetal natural, uma área equivalente ao território do Chile. No mesmo período houve um crescimento de 656% na mineração, 130% na infraestrutura urbana e 151% na agricultura e pecuária. 

O MapBiomas é uma iniciativa do SEEG/OC (Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Observatório do Clima) e é produzido por uma rede colaborativa de cocriadores formado por ONGs, universidades e empresas de tecnologia organizados por biomas e temas transversais. O mapeamento temporal do uso e cobertura da terra do bioma, feito pelo MapBiomas, mostrou que se em 1985 apenas 6% da Amazônia haviam sido convertidos em áreas antrópicas, como pastagens, agricultura, mineração ou áreas urbanas, em 2020, esse percentual quase triplicou, chegando a 15% de toda a região. 

Diante da exploração da Amazônia, com desmatamentos para retirada de madeiras nobres e posterior criação de campos de cultivos e pastos para o “Agro é pop, Agro é tec, Agro é tudo”, com garimpos que revolvem o solo e destroem rios em busca de metais preciosos e muitas outras formas de destruição do meio ambiente, surge a ideia de que o desmatamento se converte em riquezas para a população, o que não é uma verdade. A prova de que a riqueza gerada pela destruição da floresta é para poucos pode ser obtida ao consultarmos o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e o Índice de Progresso Social (IPS), ambos indicam que os municípios da Amazônia possuem os índices mais baixos registrados no país, conforma registar o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Mas o que pensa o manauara sobre o que está ocorrendo com a Amazônia? Sobre a “derrubada” das florestas? Em maio deste ano a Fundação Amazônia Sustentável (FAS) realizou uma pesquisa de opinião sobre algumas questões ambientais e os resultados foram bem interessantes. 72,6% acreditam que a floresta em pé afeta positivamente a qualidade de vida, 67% dizem que as áreas verdes urbanas afetam positivamente a qualidade de vida, 94,1% afirmam que as queimadas afetam negativamente a qualidade de vida e 73,4% têm a certeza de que a criação de novas áreas de conservação não atrasa o desenvolvimento econômico.

Diante dos dados apresentados e da pesquisa realizada pela FAZ lembrei de uma notícia sobre um deputado estadual do Amazonas, não me recordo o nome, que ao ser entrevistado por uma rádio paulista falou que o desmatamento da Amazônia é “quase imperceptível” para o amazonense. A afirmação foi feita ao responder sobre como os amazonenses reagem à pressão internacional a respeito dos níveis alarmantes de desmatamento. Bom, cada um com sua opinião, mas daqui não parece tão “imperceptível”.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email