A deflação em tempos de Covid-19

"Em um país que passou boa parte da história recente preocupado com a inflação – seja com a hiperinflação finalmente controlada pelo Plano Real, seja com os episódios recentes de inflação alta gerados pela política econômica irresponsável do lulopetismo, manter o IPCA sob controle vem sendo algo a comemorar, já que a inflação não deixa de ser algo perverso, que destrói o poder de compra da população, especialmente a mais pobre, que não tem como se proteger da alta dos preços. Olhando por essa lente, a deflação registrada pelo IPCA em abril – recuo dos preços em 0,31%, o maior desde agosto de 1998 – seria um bom sinal, caso não fosse, na verdade, o primeiro indício de que o país pode viver um ciclo de “má deflação”, sintoma de uma doença grave na economia.

A deflação brasileira em nada tem a ver com aquela verificada em outros países, como o Japão, com sua cultura de poupança – de tão acostumados a verem os preços caírem, os japoneses muitas vezes adiam suas compras quando podem fazê-lo, o que leva a preços ainda mais baixos pela demanda fraca. A consequência de médio e longo prazo é uma economia estagnada, ainda que o fenômeno acabe por beneficiar os mais pobres, funcionando como uma espécie de transferência de renda. O caso brasileiro foi o de uma redução simultânea e súbita tanto da oferta quanto da demanda, causada pela pandemia do coronavírus.

Do lado da oferta, as medidas de isolamento necessárias para conter a primeira onda de contágio paralisaram a produção de bens e o fornecimento de inúmeros serviços. Em condições normais, oferta escassa levaria a aumento nos preços, mas não foi isso o que ocorreu por uma razão muito simples: o dinheiro sumiu do bolso do brasileiro, seja do empreendedor que vê seu negócio a ponto de quebrar, seja do assalariado que foi demitido ou teve seu salário reduzido, seja do autônomo que se viu impedido de trabalhar ou perdeu a clientela. Quem tem reservas está pensando muitas vezes antes de usá-las em uma aquisição de mais vulto, pois pode vir a precisar delas caso a situação se deteriore ainda mais; quem não as tem está limitando suas compras ao estritamente necessário à sobrevivência – não à toa os únicos grupos do IPCA que registraram subida nos preços foram alimentação e vestuário. E, em todos os casos, hábitos de consumo foram radicalmente alterados devido às restrições a deslocamentos e ao funcionamento de estabelecimentos.

Parte da inflação baixa que o Brasil vinha registrando até o início da pandemia já podia ser atribuída a uma causa negativa, pois o desemprego – o legado mais persistente da recessão deixada pelo petismo – se mantinha em níveis altíssimos, afetando a demanda. Agora, a “tempestade perfeita” causada pela pandemia levará o país a viver um fenômeno oposto àquele que costumava ser um dos maiores medos das famílias brasileiras até algum tempo atrás. O Brasil terá de aprender a responder à deflação – não aquela que vem temporariamente para beneficiar os mais pobres ao preservar o valor de compra do seu dinheiro, mas aquela que chega pelo pior dos motivos."

Fonte: Redação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email