8 de dezembro de 2021

A Amazônia não tem mais tempo a perder

Wilson Perico(*) [email protected]

Lemos com atenção o artigo de Abílio Diniz sobre a Reforma Tributária: “Vamos parar de perder tempo”, disseminado pelas Redes Sociais, de onde emerge seu entusiasmo pela PEC 45. Não há novidade nisto. Grandes fortunas, que precisam raciocinar pela cartilha do Sistema Financeiro, vão mitificar a PEC-45. Aliás, essa proposta foi elaborada para honra e glória dos mentores dessa cartilha. E não poderia ser diferente para um ex-comerciante, como Abílio Diniz, que soube expandir seus negócios de família nessa direção. 

É compreensível para quem se propõe a empreender no Brasil, e esbarra em seu hospício fiscal. Antes de chegar até ela, Diniz percorreu esse calvário e dele foi afastado pela astúcia francesa da empresa que lhe arrematou os ativos varejistas. Resta saber em que contexto de Brasil se dá esta empolgação com a PEC , com a atual redação, que em nada reduz as desigualdades regionais e não traz a redução da carga tributária que a sociedade tanto clama, aliás , nenhuma das propostas tem esse viés. Temos uma pseudo-simplificação,  mas nenhuma redução da carga tributária.

Saída infraconstitucional

Com o discurso federal de novos impostos, sob a desculpa de compensações tributárias prováveis a setores x e y, a história deste hospício fiscal não vai ter fim. Muito pelo contrário. Como gerenciar a carga tributária com uma reforma que aumenta a cangalha fiscal? E o que é pior: vai exigir 10 anos de ajustes e ampliação dos “puxadinhos” de normas, portarias e decretos infringentes? Por que mexer com a laje da Constituição se o assoalho da inteligência política do país está amadurecendo pontos de flexibilização, equilíbrio e ajustes infraconstitucionais do atual modelo?

Paraquedas da Bioeconomia

É hipotética a consolidação das promessas de ganhos, de até 20% no PIB potencial brasileiro em 15 anos, formuladas pelos responsáveis da PEC-45. Com a taxa da selic a 2%, o menor patamar da História, essa promessa estremece positivamente o setor rentista, especialmente levando em conta que terá sua carga fiscal reduzida.

Mais enganosa do que essa promessa, porém, são as previsões dos emissários dessa proposta de emenda fiscal que chegaram em Manaus no ano passado, coletando subsídios e credenciamento para um plano miraculoso  de substituição do programa Zona Franca de Manaus, por um arranjo de Bioeconomia, desenhado num Powerpoint, segundo o qual, com um aporte de R$ 7 bilhões, seriam gerados por volta de 260 mil empregos em 10 anos. Jura? Um dos enviados não sabia distinguir, conceitualmente, uma política de Estado, como a ZFM, e uma política de governo, onde um mandatário assume a cadeira e passa 4 anos trabalhando para a própria reeleição.

Clonagem Diniz

O tributarista Everardo Maciel disse, recentemente, num debate virtual do “novo normal”, que a agenda oculta da PEC-45 é tirar de cena a economia do Amazonas, 80% baseada na Zona Franca de Manaus.  Ou seja, para remover nossa economia, bastariam duas fortunas do paulistano Abílio Diniz, que tem uma carteira de munição avaliada em R$3,7 bilhões, segundo a revista Forbes, com direito a troco. Simples assim. Os inimigos da ZFM, que querem produzir perfumes e dermocosméticos no lugar de tanque de combustível no segmento de Duas Rodas. Pura ignorância !! Parafraseando o tal “iluminado” : Loucura ! Loucura ! Loucura !! porque não falar com autoridade somente depois de conhecer a realidade do Polo Industrial de Manaus, acompanhado da patroa. Mas  não “ vá de táxi” !!!

(*) Wilson é economista, empresário e presidente do CIEAM, Centro da Indústria do Estado do Amazonas

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email