3 de julho de 2022
Prancheta 2@3x (1)

A ACA transcende à ZFM, mas dela depende

De Miranda Leão em 1871 a Jorge de Souza Lima em 2022, a ACA ( Associação Comercial do Amazonas) é um agente em permanente movimento e representa um dos principais setores da economia do Estado, tanto em oferta de empregos quanto em arrecadação tributária, com R$ 5,8 bilhões de ICMS pagos em 2021, equivalentes a 40% do total arrecadado.

Quando a ZFM ( Zona Franca de Manaus) nasceu em 1967, a ACA já tinha 96 anos, criada durante o primeiro ciclo da borracha do qual se originou e se organizou.

A ACA não é um projeto e, portanto, não tem prazo de validade. Quando findar a ZFM em 2073 continuará reunindo os operadores do comércio, uma das mais antigas atividades do homem.

Após os 2 ciclos da borracha, a entidade recepcionou a ZFM e a transcenderá, e estará pronta para os novos vetores econômicos que advirão. 

O látex sucumbiu após os seus primeiro e segundo ciclos, mas não apagou a ACA.

A Malásia superou o Amazonas na produção da hévea, mas não superou a ACA.

O Amazonas está preparando projetos para novos vetores econômicos que não deverão depender da ZFM, e a ACA estará participando, sejam quais forem as alternativas.

Os ciclos econômicos, o da borracha, o da ZFM e o dos novos e futuros vetores, são parceiros com os quais o comércio se relaciona, e deles depende, havendo reciprocidade natural, porém de forma reflexiva, ou seja, a indústria demanda o comércio e não o contrário, especialmente no Amazonas.

Se de fato a ZFM terminar em 2073, com 106 anos, a ACA terá completados 2 séculos de existência. 

A identidade do comércio com o seu local, por ser intrínseca, exige que ele possa extrair o que de melhor for possível enquanto o ciclo parceiro do momento estiver ativo, diferente da indústria que é nômade e pode ser passageira. 

A indústria do látex já esteve no Juruá e depois se mudou para a Ásia, e as indústrias da ZFM estarão em novo local algum dia, mas o comércio amazonense continuará no torrão.

O nível de prosperidade do comércio está atrelado ao parceiro do momento, e o sucesso ou insucesso da ZFM afetará primeiro e diretamente o comércio, principal beneficiário do Polo Industrial de Manaus. 

Daí a necessidade do entendimento de que a política do governo federal para com a ZFM, através do assunto da redução IPI, por exemplo, e de outros quaisquer que interfiram na normalidade industrial, no âmbito privado, deva ser objeto primeiro das entidades comerciais, já que a indústria não fará qualquer cerimônia para se mudar de Manaus caso os números não a convenham; qualquer Malásia pode ser seu novo endereço.   

Transcender à ZFM é o futuro natural da ACA, e o grau de dificuldade ou de facilidade nesta fase dependerá de quanto ela poderá contribuir para o melhor da parceria; uma indústria ascendente e segura é a melhor base para um comércio pujante enquanto durar a ZFM.    

(*) Amazonólogo, MSc em Sociedade e Cultura da Amazônia – UFAM, Economista, Professor de Pós-Graduação e Consultor de empresas especializado em ZFM. 

Por Juarez Baldoino da Costa – [email protected]

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email