6 de março de 2021

Para os Economistas, além da crise sanitária de saúde pública, o que si tem visto são impactos graves sobre o sistema econômico mundial, tendo como repercussão maior em economias nacionais como no Brasil. Essa pandemia certamente trará marcas profundas nessas gerações que estão vivenciando a crise e por muito tempo ainda será objeto de discussões em Academias e centros científicos.

Efeitos das decisões políticas de governos para conter a propagação do vírus – COVID-19, se deu o lockdown, o isolamento social, não as aglomerações, fiquem em casa, mortes, muitas mortes, o fechamento e paralisação das atividades econômicas não essenciais, perda de empregos, afetando sobremaneira, de certa forma, a demanda direta e suas consequências econômicas, sem levar em consideração a política governamental de “auxílios emergenciais”.

Se viveu 2020 – um ano de medo! Como tudo isso afetou e afeta a vida dos agentes econômicos – Governo, famílias e empresa (firmas) – se sabe que essa pandemia impactou e colocou uma fissura final para e na transição dos modos de produção, como se conhece em ECONOMIA, vistos pela teoria do world system theory  (sistema-mundo) do professor economista Wallerstein, ou para a transição para o sexto (6º) ciclo de Kondratieff (professor-economista) e ainda não se percebeu.

Visto como economista, lendo as diversas críticas (evidências) de especialistas econômicos e do senso comum, sobre a sobrevivência do capitalismo e/ou de sua retomada de crescimento, estaria esse capitalismo chegando ao fim? E qual seria um novo sistema? O pós-capitalismo? Como diversos “especialistas” se manifestam? Seria um novo sistema que não fosse baseado no Lucro, mas na solidariedade? Sem embargos de outras interpretações, como conhecem os Economistas, a teoria dos Ciclos Econômicos diz que a economia capitalista é cíclica e que seus ciclos têm, em média, 50 anos, após, reinicia novamente.

O que se viu e ainda se vê é uma diminuição drástica e até recessão, com fechamento de espaços dantes ocupados por atividades produtivas, negócios se movimentando em empregos de ‘home-office’, famílias se realocando em espaços habitacionais nos quais pudessem arcar com os aluguéis e parcelas, prestações de financiamentos, paralização de atividades culturais e artísticas e afins. Contudo, a economia brasileira já vinha em uma recuperação lenta bem antes dessa pandemia, agravando a crise econômica com o avanço da pandemia se observar que a população vai se desesperando e não vendo saída da crise em curto prazo (com falta de emprego e como auferir renda para suprir as necessidades básicas das famílias).

Como pesquisador-economista acredita-se que tais ciclos possuem características econômicas, políticas, de relações políticas internacionais, e alguns aspectos geográficos e culturais, como ocorreu com o Ciclo da Borracha e está ocorrendo com a Zona Franca de Manaus (ZFM). E, pode-se constatar que em cada fase de expansão, podem produzir novos espaços (alargar o espectro de produção em tamanho), assim como, apresentam processos inovativos, novos produtos e bens e havendo aumento da massa salarial.

Diante dessa realidade, no contexto econômico mundial, fica uma reflexão para todos, como ocorrerá a recuperação da economia capitalista? Esse ano de 2020, pode até ser condenado a ser um ano que não deve ser pronunciado ou o ano que não existiu. Contudo, ele existiu, sim, e muito.

2020 submeteu a humanidade a todos sacrifícios, humilhações e a mortes, o isolamento social, feriu a individualidade e a liberdade, dispôs às violências domésticas e forçou o retorno a busca do bem comum e subjugou as pessoas ao anonimato das máscaras, os mais pobres ficaram mais pobres e à miséria, e escancarou os interesses escusos políticos de governadores e prefeitos. Até Papai Noel tendeu ao desaparecimento. Para a sociedade sempre existe a possibilidade de algum aprendizado, mesmo tendo que haver consciência, o que requer altruísmo de ideias, senso crítico e sofrimento. Entretanto, 2020, ficou como uma reflexão intencional para todos nós, se dando uma significação à vida, em busca da Ética, da Moral e do Caráter, na qual se deve procurar o senso crítico que se desenvolve com educação e referências práticas na vida. E você, qual foi seu aprendizado? Você sabe o que é o Paradoxo do Gato de Schrodinger, esse foi o ano 2020.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email