Pesquisar
Close this search box.

Unidos contra a fome

Compartilhe:​

A fome que atinge, hoje, milhões de pessoas continua sempre em pauta. Ainda não se entende por que nações tão poderosas gastam tantos recursos na fabricação de armamentos bélicos, enquanto muitos sucumbem de tão   famintos que estão, principalmente em países da África.

Apenas um míssil, com custos astronômicos para sua fabricação, daria para matar a fome de milhões de pessoas se esses recursos fossem destinados a países mais impactados pela desnutrição. Hoje, a guerra travada entre a Rússia e Ucrânia recebe aportes financeiros estratosféricos para matar, ao invés de preservar vidas. Um paradoxo tamanho, que não se consegue compreender na disputa por mais territórios e influência econômica.

Mais de 150 parlamentares, de cerca de 20 países, estarão reunidos até sexta-feira (16), em Valparaiso, Chile, na Segunda Cúpula Parlamentar Global contra a Fome e a Má Nutrição. O evento é organizado pelo Escritório Regional da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO – Food and Agriculture Organization) para a América Latina e o Caribe e ocorre na sede do Congresso Nacional chileno, em Valparaíso. 

Ao todo, a rede da Frente Parlamentar Global contra a Fome da América Latina e Caribe conta com mais de 400 legisladores e tem o apoio das Agências Espanhola e Mexicana de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (Aecid e Amexcid) e da Comissão Europeia. 

A FAO entende que os parlamentares são atores da mudança e podem desempenhar o papel-chave de criar leis e políticas para erradicar a fome, promover dietas saudáveis, proteger os recursos naturais, transformar os sistemas agrícolas para que sejam sustentáveis, eficientes, resilientes e inclusivos e reduzir a pobreza e as desigualdades

Ontem, na cerimônia de abertura do encontro, o representante regional da FAO para a América Latina e o Caribe, o uruguaio Mario Lubetkin, apresentou o cenário atual do problema, no mundo, dizendo que houve “um aumento dramático nos números da fome”, atingindo 828 milhões de pessoas.  

Mario Lubetkin apontou as principais causas da fome: conflitos, ameaças climáticas, a pandemia de ovid-19, a desaceleração econômica, que pôs em risco o desenvolvimento das nações, e os aumentos de preços dos alimentos. “O aumento dos preços dos alimentos ao consumidor afetou o número de pessoas incapazes de ter acesso a uma dieta saudável, chegando a quase 3,1 bilhões”, afirmou Lubetkin.  

Segundo a FAO, as mulheres são as mais afetadas pela insegurança alimentar e pela fome. A prevalência de insegurança alimentar moderada e grave aumentou durante a pandemia e afetou as oportunidades econômicas das mulheres.

”Na outra ponta da desnutrição, Lubetkin destacou que o sobrepeso e a obesidade são cada vez mais frequentes entre crianças, jovens e adultos e aumentam em todas as regiões do mundo, como consequência da má nutrição, com dietas não saudáveis. 

O representante da FAO alerta que já foi alcançada a metade do prazo para que o mundo consiga alcançar o segundo objetivo da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da ONU. A meta é acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhorar a nutrição e promover a agricultura sustentável, até 2030.  

Nota abre Perfil

Dia atípico viraliza nas redes

Os manauaras amanheceram, ontem, com clima europeu. Desde a madrugada, a neblina cobria os céus de Manaus, com uma leve garoa, obrigando muita a gente a vestir casacos para se proteger do frio. Cenário atípico na região, que costuma conviver com calor (às vezes) de 40 graus após o fim da estação chuvosa. A temperatura cravou 20 graus na capital, atingindo até 14 graus em cidades do interior. Na fronteira, reunindo Tabatinga e Benjamin Constant (lado brasileiro), Petrópolis (Peru) e Letícia, na Colômbia, mais próximos da Cordilheira dos Andes, esfriou tanto que poucas pessoas se arvoraram a sair de casa.

Acostumados a um clima quente, internautas dispararam vários memes que viralizaram nas redes sociais, fomentando chistes e arrancando gargalhadas. Afinal, a friagem, como é conhecida a queda da temperatura nesta época do ano, precipitada pela frente fria que vem do Rio Grande do Sul, contrasta enormemente com o clima tropical da Amazônia. Pelo menos serviu para a população experimentar o gostinho de um ambiente gélido que acontece em outras regiões. Porém, grande parte dos amazonenses ainda prefere a peculiaridade regional -os típicos quente e fervendo, que alimentam a nossa rica biodiversidade, como se costuma chamar popularmente o nosso clima diferenciado.

Infelizmente…

No entanto, vai durar pouco a queda brusca na temperatura registrada ontem em Manaus e nos municípios do interior do Estado. Segundo o serviço local meteorologia, a frente fria do Rio Grande do Sul que atinge o Amazonas deve se dissipar nesta sexta-feira (16), frustrando as expectativas de quem prefere climas mais amenos.  Afinal, estamos acostumados com sensações térmicas tão elevadas que qualquer possível mudança impacta diretamente na vida da população. Vivemos no calor dos trópicos.

Reajuste

Mais ação por reajuste salarial. Ontem, o Tribunal de Contas do Amazonas enviou à Assembleia Legislativa projeto de lei que concede aumento de 8%, com ganho real de 4,1%, aos servidores da instituição. A proposta também prevê outros benefícios, incluindo a criação de nível especial de servidor e a redução do tempo mínimo para progressão. “Criamos alguns cargos, poucos de diretoria, e transformamos alguns. Não há aumento de despesas”, disse o presidente do TCE-AM, conselheiro Érico Desterro.

Dinastia

A dinastia de Adail Pinheiro, que ainda administra Coari, tenta rouba a cena na Câmara Federal. Ao discursar da tribuna da Casa, o deputado federal Adail Filho relembrou a trajetória do pai como prefeito do município, o segundo maior em arrecadação por conta dos royalties do petróleo, focados na exploração do gás de Urucu. “Tenho uma grande admiração pela cidade, da qual já tive a honra de ser prefeito, e por esse motivo fiz questão de registrar a presença do meu pai”, ressaltou o parlamentar.

Vergonhoso

O vereador Rodrigo Guedes (Podemos) classificou como vergonhoso o aumento de 4,5% proposto pela prefeitura de Manaus aos professores da rede municipal de ensino. Segundo cálculos do parlamentar, a proposta corresponde a um reajuste real de R$ 15,70 na data-base da categoria. “Com esse valor, não se consegue comprar um x-caboquinho ou x-salada”, criticou o parlamentar. Na quarta-feira (14), os profissionais da educação fizeram um protesto em frente à CMM cobrando uma solução do prefeito.

Discriminação

Projeto reverbera positivamente no Congresso. Dos oito deputados federais do Amazonas, cinco votaram a favor da proposta, de autoria da deputada Dani Cunha (UB -RJ), que pune com prisão a discriminação contra políticos pelo sistema bancário. O PL estende a proteção aos familiares de políticos expostos e relaciona uma extensa lista de beneficiados. Foram a favor Átila Lins (PSD), Adail Filho (Republicanos), Silas Câmara (Republicanos), Fausto Junior (União Brasil) e Saullo Vianna (UB-AM.

Discriminação 2

São muitos argumentos, segundo o projeto. A discriminação não é a social ou censura, mas a segregação à condição de político. Diz o texto da proposta: “Pune-se com pena de reclusão de 2 a 4 anos e multa quem negar a abertura de conta ou sua manutenção ou mesmo a concessão de crédito ou outro serviço. Essa negativa abrange até mesmo pessoa jurídica controlada por pessoa politicamente exposta”. Porém, falta esclarecer melhor a matéria. Grande parte da população não vê com bons olhos a iniciativa.

Medalha

A gestão de Wilson Lima (UB) reverbera positivamente nas Forças Armadas. Ontem, o comando do 9º Distrito Naval concedeu a medalha da Ordem do Mérito ao governador durante a cerimônia alusiva ao Dia da Marinha em reconhecimento ao seu compromisso e trabalho em parceria com a Marinha do Brasil e a Amazônia Ocidental. Ao discursar, Lima expressou sua gratidão ao comandante Lobo pela honraria recebida e reforçou a disposição do governo do Estado em continuar colaborando com as ações.

Combustíveis

Boa notícia para o mercado. Ontem, a Petrobras anunciou a redução de R$ 0,13 no litro da gasolina vendida a distribuidoras de combustíveis. Com a queda do preço, de 4,66%, o litro passará a custar R$ 2,66 a partir desta sexta-feira (16). Como a gasolina vendida nas bombas tem adição de 27% de etanol anidro, a parcela do preço da companhia no produto vendido nos postos será de R$ 1,94 por litro. Agora, é conferir se a rede varejista vai cumprir a redução dos valores. O consumidor deve ficar alerta.

FRASES

“Eventuais mudanças têm que ser tratadas com os parlamentares”.

Omar Aziz (PSD-AM), relator do projeto sobre o arcabouço fiscal.

“Precisa reverter a imagem de que o governo é avesso”.

Alexandre Padilha, ministro, comentando articulação com o Congresso.

Redação

Redação

Jornal mais tradicional do Estado do Amazonas, em atividade desde 1904 de forma contínua.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Notícias Recentes

No data was found
Pesquisar