Turiscando: Indústria do turismo tem maior crescimento de todos os tempos

Compartilhe:​

De acordo com o Banco Central (Bacen), o gasto dos viajantes estrangeiros dentro do Brasil, entre os meses de janeiro a setembro, registrou alta de 80% em comparação com o mesmo período do ano passado. Ao todo, foi deixado nos destinos nacionais mais de US$ 3,6 bilhões.

Somente em setembro, o país conseguiu captar US$ 416 milhões. O valor é 76,2% maior do que o registrado no mesmo mês do ano passado, quando foram contabilizados US$ 236 milhões. Com a retomada do setor, que tem mantido um ritmo acentuado de crescimento desde o fim do ano passado conforme dados da Polícia Federal, até o mês de maio, o Brasil recebeu pelo menos um milhão de turistas estrangeiros – o maior número registrado deste o início da pandemia, em 2020. A expectativa é de que até o fim do ano, 4,2 milhões de turistas estrangeiros cheguem ao país, segundo estimativa da Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur).

Com o aumento de estrangeiros no Brasil, o setor aéreo internacional retornou a sua malha aérea. Em junho de 2022, o Brasil registrou 3.806 chegadas, o equivalente a 1.703,32% a mais de voos em relação a abril de 2020, data de início das restrições impostas pela pandemia de Covid-19. O acréscimo na conectividade em relação a maio foi de 7,29%, entretanto, na comparação com junho de 2021, o salto foi de 355,36%.

Presente e futuro do Turismo

O Ministério do Turismo (MTur) decidiu prorrogar para o dia 23 de novembro, a  2ª edição da pesquisa de sondagem com empresários do setor de agências de viagem e operadores de turismo. A iniciativa tem o objetivo de coletar dados de todo o país para estudar a evolução e o desempenho desses estabelecimentos na economia do turismo.

Por meio da opinião dos empresários e através do comportamento do consumidor, em períodos de alta temporada, a pesquisa vai examinar o desempenho do setor no presente e no futuro. Após a coleta de dados, as informações serão divulgadas em um boletim informativo para conhecimento amplo de todas as unidades do Ministério e sociedade em geral.

A 1ª edição, realizada no primeiro semestre, revelou que em comparação ao mesmo período do ano anterior, o faturamento das empresas e a demanda por ofertas de serviços aumentaram, somando uma evolução positiva para o setor. O levantamento prevê ainda neste  2º semestre de 2022  a estabilidade para os empregados do setor, bem com um número maior em contratações.

Mais de 5 mil eventos movimentam o setor de serviços

Durante o ano de 2022 o MTur fomentou a realização de mais de 5,8 mil eventos e feiras de forma online e presencial. E, a projeção para 2023 é crescente, conforme mostra o calendário de Feiras do Brasil, que já prevê mais de 985 eventos para o próximo ano. Para janeiro estão programadas: a Fenahall 2023 – Feira Nacional de Artesanato do Classic Hall; Mostra Femusc; Anime Wings; Encontro Nacional da Cultura do Sorgo; Dinetec – Dia de Negócios e Tecnologias.

A segmentação de feiras e eventos de 2023 prevê que os setores com mais produção serão os de Agropecuária, Comercial e Industrial (861); Alimentação e bebidas (491); e Empreendedorismo, Negócios e Franquias (446). Na categoria de Turismo, Hotéis, Bares e Restaurantes, são previstos mais de 128 eventos e feiras. São Paulo vai sediar o maior número de eventos, totalizando 443. Seguido por Santa Catarina com 78 e, o Rio Grande do Sul com 76.

Segundo o o portal Feiras do Brasil, em 2022 aconteceram 790 eventos virtuais e 5.075 presenciais, totalizando 5.865 festividades. Um estudo realizado pela Global Industry Analysts, as viagens de negócio, domésticas ou internacionais, que compreendem trabalho, hospedagem, alimentação, lazer e transporte, tem a perspectiva de atingir US$ 829,5 bilhões até 2027. O setor de alimentação e hospedagem deve alcançar US$ 446,6 bilhões até o final do período analisado pelo estudo em 2020-2027.

Formalização do Turismo alcança 140 mil estabelecimentos

O Mtur comemora um aumento de 80% no Cadastur – cadastro nacional de prestadores de serviços turísticos, alcançando a marca de mais de 140 mil prestadores turísticos. As ações estão centradas em ampliar a formalização do setor em todo o país. Ao longo deste período, foram realizadas ações de fiscalização e sensibilização que visaram engajar municípios, estados e o trade turístico quanto à importância de fazer parte do Cadastur – cadastro de pessoas físicas e jurídicas que atuam no setor de turismo. Como resultado, o número de registros alcançou a marca de 140 mil estabelecimentos, um crescimento de 80% no período.

Os fiscais viajaram pelo país inteiro divulgando as propostas e benefícios que integram o Cadastur. Técnicos do MTur vistoriaram e orientaram mais de 35 mil empreendimentos em todo o país. Deste total, houve a necessidade de aplicação de multa em apenas 120 empreendimentos turísticos (0,3%).

O sistema fornece facilidade no preenchimento virtual, além do site que integra a plataforma do Gov.Br e, a partir dessa regularização, os empreendimentos passam a ter vantagens, como visibilidade no mercado, acesso a financiamentos, oportunidades de qualificação exclusivas, apoio em eventos, feiras e ações do MTur, bem como acesso ao Selo de Turismo Responsável, que identifica empreendimentos turísticos que seguem protocolos sanitários de prevenção à Covid-19, elaborados junto a empresas do setor, a partir de diretrizes internacionais validados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O Cadastur é gratuito e obrigatório, conforme a Lei Geral de Turismo, para agências de turismo, transportadoras turísticas, parques temáticos, organizadoras de eventos, acampamentos turísticos e guias de turismo. Além de restaurantes, parques aquáticos, marinas, centros de convenções e locadoras de veículos.

Soraya Cohen

Soraya Cohen

é editora da coluna Turiscando

Qual sua opinião? Deixe seu comentário