Pesquisar
Close this search box.

Tudo começa nos Diálogos com a Amazônia

Compartilhe:​

Neste dia 20 de outubro, sexta-feira, teremos Diálogos Amazônicos ESPECIAL. O evento visa discutir com toda a sociedade civil organizada temas de interesse do desenvolvimento socioeconômico sustentável da Amazônia Brasileira. Nesta edição, o encontro será presencial e contará com a participação de importantes nomes do cenário político e ambiental do Brasil. Link de inscrição na matéria

Por Alfredo Lopes
____________________

Qual a importância dos Diálogos Amazônicos, depois de três anos de debates sobre nossa região, ser transmitido para todo Brasil a partir de São Paulo? Esta é a a cidade que representa a pujança econômica do Sudeste no contexto da brasilidade e de suas contradições, diferenças e iniciativas de redução das desigualdades regionais em relação ao Norte/Nordeste do Brasil.

Os Diálogos Amazônicos são uma iniciativa conjunta da Fundação Getúlio Vargas em parceria com as entidades do setor produtivo, ABRACICLOCIEAMELETROS, CHIBATÃO, COPAG, DD&L, Jaime Benchimol, SINAEES, e UCB, com o propósito de investir na interlocução da Zona Franca de Manaus, seus impactos, efetividade e oportunidades, com os contribuintes da Receita Federal, dialogando com todos os brasileiros interessados em conhecer o que fazemos para gerar empregos, renda, oportunidades e proteção florestal na medida em que a indústria, o comércio e serviços e a agroindústria constituem alternativas de emprego e renda que ajudam a manter a floresta em pé.

Para assistir quaisquer das apresentações e entrevistas do programa, clique aqui

Além de prestar contas daquilo que a ZFM representa na Amazônia, seus impactos positivos, suas lições e opções de investimentos e a importância de seu conhecimento, os Diálogos levam consigo um enorme presente para o Brasil passear na floresta. Passear significa fundamentalmente uma preciosa  ocasião de conhecer a imensidão deste patrimônio da humanidade sob nossa responsabilidade. A boa notícia é que muitos os convidados tendem a fazer a escolha do pertencimento. Integrar-se ao que muitos chamam de último jardim da Terra. Aqui dizemos que este jardim precisa ser o primeiro na ordem da descoberta, identificação, imersão do visitante no mutirão local e global de seus protetores.

Este é o depoimento de muitos empreendedores, pesquisadores, observadores que aqui vieram e por aqui ficaram, se integraram aos desafios criativos de empreender e, ao mesmo tempo, proteger este tesouro de vida e perspectivas para o país e para a humanidade. Afinal, a soberania de que tanto se fala na gestão da Amazônia, não é um artesanato simbólico de comunhão efetiva. É um compromisso de cuidar para compartilhar sem destruir nem depredar. Daí a essencialidade do termo Diálogos, a partilha do conhecimento e o imperativo de uma conclusão para o fenômeno em que as pessoas falam, escutam e buscam alternativas, saídas, sugestões, soluções.

E o que nos motiva na Amazônia a seguir nessa jornada que aclara, aproxima, harmoniza, adiciona e faz crescer o conhecimento e seu contraponto de esclarecimento proativo? Nada mais do que isso, pois isso é tudo o que devemos e precisamos fazer: DIALOGAR!!! A partir disso, da interlocução sadia que conduz à integração e ao convite da gestão compartilhada, tudo de bom, verdadeiro e decisivo pode acontecer. Temos a oferecer, para começar a conversa, os serviços florestais da Amazônia protegida, um ativo pelo qual os países industrializados estão pagando fortunas. Até o Banco do Brasil estreou na captura desses ativos. Conheça essa trilha.

foto: Marcio Gandra/Flickr

Há mais de meio século fabricamos muitos itens presentes em todos os lares do Brasil, itens de classe mundial, com tecnologia avançada. Mas sabemos fazer o que for preciso desde que não apliquem em outros propósitos os recursos que a ZFM gera a partir do coração da floresta onde são gerados mais de 500 mil empregos. A Carta Magna, que autoriza compensação tributária para quem investe em regiões remotas como a Amazônia, determina que os recursos gerados por essa política de desenvolvimento regional, faça o que tem de fazer: aplique na região os recursos aqui gerados. Certamente, vamos dispensar muito brevemente essa compensação se o imperativo constitucional for atendido.

Por essas e por outras questões vitais é que precisamos conversar, precisamos frequentar com mais atenção os Diálogos Amazônicos. Neste dia 20 de outubro, sexta-feira, teremos Diálogos Amazônicos ESPECIAL. O evento visa discutir com toda a sociedade civil organizada temas de interesse do desenvolvimento socioeconômico sustentável da Amazônia Brasileira. Nesta edição, o encontro será presencial e contará com a participação de importantes nomes do cenário político e ambiental do Brasil.

Alfredo Lopes

Alfredo Lopes

Escritor, consultor do CIEAM e editor-geral do portal BrasilAmazoniaAgora

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Notícias Recentes

No data was found
Pesquisar