Produção com as sementes de frutos regionais

Compartilhe:​

O que é artesanato de reciclagem? Segundo pesquisa no Google, é a reutilização de materiais recicláveis e naturais na produção de brinquedos, artigos de decoração, moda, acessórios, utensílios e móveis domésticos, isso é a essência do artesanato, sendo a arte de transformar e criar produtos únicos com as mãos.

Na Feira dos artesãos, da Praça Tenreiro Aranha, localizada bem no centro de Manaus, se encontra hoje, uma média de 30 barracas, que lidam, diariamente, com a venda de artesanatos, provenientes das sementes do Açaí, do guaraná, de palhas e couros de animais, dentre outros. Segundo os próprios artesãos, isso é uma forma de se fazer o reaproveitamento desses produtos, e, evitando com isso, poluir rios, lagos e florestas, com este tipo de descarte, além de gerar renda e trabalho aos cidadãos da capital. A partir desses produtos, é possível se fazer hoje a transformação e produção de colares, pulseiras, cocais brincos, bolsas, telas, cestas regionais, etc…

Para quem não sabe as sementes provenientes do interior do estado, mais especificamente, dos municípios de Maués, Codajás, Careiro da Várzea, Rio Preto da Eva e Manacapuru, antes de embarcarem para a capital, recebem todo um tratamento, o qual é processado e direcionado a cada fim ou finalidade. No caso de brincos e colares, por exemplo, os fornecedores negociam já na metade deste processo, ou seja, entregam os produtos na metade do processo, ficando a próxima parte para os compradores.

Segundo informações do artesão Valdomicio da Silva Coelho, “o nosso trabalho é uma forma de ajudar o meio ambiente a partir do não descarte em rios e florestas, com a reutilização das sementes, em nossa produção com os trabalhos artesanais”, disse.

“Com a aproximação da Época do Boi Bumbá de Parintins, que todos os anos acontecem, na Ilha Tupinambarana, conta Valdomício, o que mais conseguimos vender são produtos das cores vermelho e azul, sendo nossa demanda maior por parte dos clientes, de brincos, colares, anéis, bolsas”. Ainda conforme o artesão, “nossas vendas aumentam significativamente, nos dias de segunda, quarta e sábados, considerados os dias de maiores movimento e a tendência, agora, é aumentar ainda mais”, finalizou.

Para a artesã Mara Coelho (61) que trabalha a cerca de quatro anos na Praça Tenreiro Aranha, com sementes, acessórios, cestas, bolsas e cocais, diz que “este processo de catar sementes no interior do estado, evita sim o descarte deste tipo de produto, em rios e florestas da Amazônia, além de ajudar na comercialização dos produtos, a partir dessas sementes, gerando renda e serviços às nossas famílias”, conta ela. Ainda segundo disse, “nossas sementes são provenientes do município de Santo Antônio do Içá, e, para desembarcar aqui na cidade de Manaus, leva em torno de 5 dias de barco”, disse.

A artesã Mara conta ainda que “este tipo de venda com os produtos artesanais, tem ajudado muito minha família a sobreviver, pois, é a partir destas vendas, que tiramos o nosso sustento, e, pagamos nossas dívidas, especialmente, nesta época, onde o dinheiro é escasso e difícil de conseguir. Agora, com a chegada da época do boi, em Parintins, já temos bastantes encomendas de acessórios (colares, pulseiras e brincos), o que é pra mim uma verdadeira benção de Deus”, finalizou.

Por Lia Mônica

Redação

Redação

Jornal mais tradicional do Estado do Amazonas, em atividade desde 1904 de forma contínua.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário