Pesquisar
Close this search box.

Ousadia do crime…

criminalidade
Compartilhe:​

A fuga de detentos de um penitenciária federal, hipoteticamente segura, demonstra o quanto o País é refém do crime organizado, que estende seus raios de ação em todos os Estados. Não adiantam justificativas. Devemos admitir que não existem políticas públicas capazes de frear a ação de criminosos.  Eles são ousados. E mostram isso diariamente. É uma realidade, infelizmente.

Para justificar medidas cobradas pela população, o Ministério da Justiça e Segurança Pública decidiu estender até a próxima quarta-feira (21) a suspensão de banhos de sol e de visitas para detentos das cinco penitenciárias federais existentes no Brasil. Será que isso basta?O sistema é extremamente corrompido, abrindo precedentes para a escalada da violência.

Assinada pelo diretor-substituto do Sistema Penitenciário Federal, José Renato Gomes Vaz, a portaria que mantém a elevação do nível de segurança das unidades de segurança máxima também suspende as atividades de assistência educacional, laboral e religiosa, além de limitar o acesso às alas de vivências, isolamento e inclusão.

As medidas estão em vigor desde que a Secretaria Nacional de Políticas Penais elevou para o Nível 2 o grau de segurança nas penitenciárias federais de Brasília, Campo Grande (MS); Catanduvas (PR); Mossoró (RN) e Porto Velho (RO).

A providência foi uma resposta à fuga de dois presos de alta periculosidade da unidade de Mossoró, na última quarta-feira (14). Foi a primeira fuga de detentos registrada no sistema penitenciário federal. Até a publicação desta reportagem, os fugitivos não tinham sido recapturados. As autoridades oferecem uma recompensa de R$ 50 mil por informações que levem à captura dos dois.

Segundo o ministério, a elevação do nível de segurança nas cinco penitenciárias federais visa a garantir a ordem e a disciplina nos estabelecimentos carcerários, bem como a segurança dos servidores e da população em geral. A princípio, contudo, valeriam apenas até o sábado (17) – dia em que a nova portaria entrou em vigor.

Os atendimentos de saúde, de advogados e cumprimento de decisões judiciais serão mantidos. Casos omissos, bem como as dúvidas surgidas na aplicação da portaria, serão solucionados pelo diretor da respectiva penitenciária federal.

Por determinação do ministro Ricardo Lewandowski, o secretário-executivo do MJSP, Manoel Carlos de Almeida Neto, solicitou ao Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos autorização para nomear 80 policiais penais federais. No ofício que enviou à ministra Esther Dweck, Neto destaca a necessidade de o governo federal reforçar o efetivo da Força Penal Nacional a fim de fazer frente à ação de organizações criminosas e garantir a integridade do sistema prisional brasileiro. 

De acordo com o secretário-executivo, “mais do que evidenciar a imperatividade de readequação e modernização dos procedimentos de segurança internos”,  a fuga de dois presos da Penitenciária Federal em Mossoró “lança luz sobre a necessidade de se promover a recomposição dos quadros da Secretaria Nacional de Políticas Penais, hoje deficitário”, ressalta.

Neto também defende que a Força Penal Nacional conte com um efetivo permanente e que esteja à disposição do ministério para “executar atividades e serviços cruciais para a preservação da ordem pública e a segurança das pessoas e do patrimônio no sistema penitenciário brasileiro”. Urge reforçar o combate ao crime organizado.

Nota abre Perfil

ZFM em terreno minado

Nada bom para o Amazonas. O Japão perdeu para a Alemanha a posição de terceira maior economia do mundo, algo que deverá repercutir negativamente na ZFM, segundo avaliam expertises consultadas pela coluna. Lembremos que as fábricas japonesas são protagonistas em gerar renda, receitas e empregos no parque industrial de Manaus, principalmente a Honda, que ocupa o primeiro lugar no ranking do segmento de duas rodas. O país oriental sente os reflexos de ascensão de economias de parceiros asiáticos, como a Coreia do Sul, entre outros que expandiram seus raios de ação, e ainda de países europeus.

Hoje, pelo menos 98% de toda a engrenagem tributária que alimenta a região é proveniente do modelo incentivado mais bem-sucedido do Brasil, gerando aproximadamente 500 postos de trabalhos (indústria e comércio), tanto por aqui como em outros Estados do Brasil. Portanto, é deveras preocupante a constatação de que uma das maiores potências econômicas mundiais comece a vivenciar uma derrocada, com impactos negativos em todos os seus braços comerciais. O terreno está minado.

Encolhimento

Segundo o governo japonês, o PIB encolheu a um ritmo anualizado de 0,4% nos últimos três meses de 2023. No trimestre anterior, a contração revisada foi de 3,3%. Então, quando a economia registra contração pelo segundo mês consecutivo, o país é considerado em recessão. O resultado confirma projeções do Fundo Monetário Internacional, divulgadas em outubro de 2023, que apontavam para a perda do posto de terceira maior economia do mundo para a Alemanha, outra grande potência.

Encolhimento 2

A queda no consumo doméstico é uma das causas na retração da economia japonesa, levando o país para um quadro de recessão, segundo dados oficiais. Todas as principais categorias ligadas ao mercado interno, incluindo despesas de consumo, foram negativas em 2023, e apenas a demanda externa – captada pelas exportações de bens e serviços – apresentou performances positivas. Hoje, o Japão importa 63% dos alimentos consumidos e 94% da energia básica, impactando no custo de vida.

Bolsas

O tsunami na economia japonesa também se refletiu nas bolsas. As ações foram impactadas. O índice de referência Nikkei 225 avançou 0,65% e ultrapassou brevemente a marca de 38 mil pontos. Embora o dado do PIB seja negativo, os investidores acreditam que a leitura econômica fraca pode significar que o Banco do Japão pode adiar a saída da política de longa data de taxas de juros negativas. Mas o câmbio continuou oscilando em torno da marca de 150 ienes em relação ao dólar.

Arestas

O prefeito de Manaus, David Almeida, tenta aparar arestas na Câmara. Agora, o líder do município na CMM é o vereador Eduardo Alfaia. Ele substitui o colega Fransuá (PV), que esteve na função desde 2022. “Minha gratidão ao Fransuá, que fez um belo trabalho, sobretudo nas articulações para manter o bom andamento das atividades, e que resultaram na aprovação de importantes projetos, programas, medidas diversas em prol da cidade e da população”, ressaltou o parlamentar em seu discurso.

Relação

Segundo o prefeito David Almeida, o vereador Fransuá passa a integrar o colegiado de vice-líderes, junto com os vereadores Gilmar Nascimento, Luís Mitoso e Raulzinho. “Ao colegiado, ao novo líder Eduardo Alfaia, um excelente ano de trabalho, nessa missão de manter uma relação respeitosa e harmoniosa entre Câmara Municipal e a Prefeitura de Manaus”, destacou. No ano passado, Almeida enfrentou graves turbulências, principalmente envolvendo a aprovação de empréstimo no plenário.

Gás

O gás natural rende dividendos para a economia do Amazonas, segundo disse o governador Wilson Lima (UB). Ele anunciou que o segmento gerou pelo menos 6 mil empregos na exploração no campo do Azulão (Silves). Outra jazida será explorada em Itapiranga, expandindo as atividades na região. “Isso é resultado de todo o esforço que vem sendo feito para que a gente possa efetivamente ter uma matriz econômica segura”, ressaltou Lima, demonstrando grande entusiasmo pelo segmento.

Dengue

Tudo pronto. Na quinta-feira (11), terá início a vacinação contra a dengue no Amazonas. O público alvo são crianças de 10 e 11 anos de idade. Haverá 171 salas para vacinar os menores. A campanha será gerenciada pela Secretaria Municipal de Saúde. Segundo a secretaria Shádia Fraxe, a imunização representa um avanço no enfrentamento da doença, que aumentou em todo o País a partir de janeiro deste ano. Em Manaus, até o último dia 10, foram confirmadas 923 ocorrências de arbovirose.

Comércio

O comércio bombou durante o carnaval no Amazonas. Dados extraoficiais estimam que as vendas tiveram um aumento de pelo menos 38% durante as folias carnavalescas, principalmente em Manaus, a capital. Os negócios se expandiram nos mais diversos segmentos comerciais. O interior também alavancou as atividades. Municípios como Manacapuru, Coari, Tefé, Parintins e Tabatinga movimentaram bastante a economia, envolvendo desde vendedores ambulantes a pequenas e médios comerciantes.

FRASES

“A vacina é mais uma conquista da saúde pública”.

Shádia Fraxe, secretária, sobre a dengue.

“Putin é o responsável”.

Joe Biden, presidente, sobre morte de Alexei Navalny.

Redação

Redação

Jornal mais tradicional do Estado do Amazonas, em atividade desde 1904 de forma contínua.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Notícias Recentes

No data was found
Pesquisar