Pesquisar
Close this search box.

Neutralização do carbono, proteção florestal  e sustentabilidade industrial, os novos caminhos da ZFM 

Compartilhe:​

Entrevista com Niro Higuchi 

A parceria entre o CIEAM, SUFRAMA e Laboratório de Manejo Florestal do INPA representa um importante passo na busca por soluções para os desafios socioambientais na Amazônia. A aproximação entre o programa de Manejo Florestal Sustentável do LMF-INPA e a comissão ESG do CIEAM, mostra que ambos os grupos estão evoluindo em direção a objetivos mais amplos. O LMF-INPA está expandindo sua visão além das árvores, enquanto o CIEAM está olhando além da indústria, ou seja, construindo um futuro que já começou na Zona Franca de Manaus. Esse encontro é promissor, beneficiando não apenas a economia, mas principalmente a floresta.

Confira a entrevista com o cientista Niro Higuchi LMF-INPA 

Por Alfredo Lopes Follow-up BrasilAmazoniaAgora (**) 

Coluna Follow-up Na Amazônia, academia e economia deveriam atuar mais entrelaçadas neste desafio chamado esfinge amazônica. Com descrever esta aproximação do programa de Manejo Florestal Sustentável que você dirige e a comissão ESG do CIEAM? 

  Niro Higuchi – Os dois grupos distintos dão o primeiro passo de aproximação. Eu acho que são dois grupos distintos em fase de mudança ou de flexibilização. O laboratório de manejo florestal (LMF) do INPA começa a perseguir objetivos além da árvore e o CIEAM, no mesmo caminho, começa a buscar objetivos além da indústria. O encontro foi inevitável. Ganharão todos e, em especial, a floresta. Afinal, esta é a primeira missão científica reunindo cientistas do INPA e lideranças empresariais com o objetivo replicar estudos na margem direita da estrada vicinal ZF2, que pertence à SUFRAMA. Esses estudos envolvem monitoramento de longo prazo da floresta, coletando dados importantes sobre ciclagem de água, carbono e energia. 

FUp – Desde 2014, quando foi entregue ao governo japonês o resultado do projeto CADAF, sobre a dinâmica do carbono na floresta, grandes mudanças e avanços foram anotados neste setor. Quais avanços você considera mais importantes? 

Niro – O projeto Dinâmica do Carbono da Floresta Amazônica (CADAF, sigla em inglês) foi financiado pelo governo japonês durante o período 2009-2014 e foi executado pela cooperação entre o Instituto de Florestas e Produtos Florestais do Japão (FFPRI, sigla em inglês) e o LMF-INPA. Durante a execução do CADAF, o governo japonês aprovou um mecanismo para mitigação de suas emissões por meio de projetos da modalidade REDD. Em 2011, o Japão realizou dois estudos de viabilidade na Amazônia, um no Acre e outro no Amazonas. Nos dois estudos, o método utilizado foi o do CADAF.  

FUp – Através de vídeos didáticos o Laboratório de Manejo Florestal busca envolver a opinião pública no debate da descarbonização emergencial. O que esperar do setor produtivo para que essa consciência climática seja ampliada? 

Veja os vídeos clicando aqui: https://youtube.com/@lmf-inpanirohiguchi4593?si=AUm8c0wjYBNAykFA

Niro –  Esperamos uma mudança de atitude em relação às emissões de gases de efeito estufa para a atmosfera. A conscientização per si só  não basta; há necessidade de ajudar a floresta a exercer o seu papel de removedor de CO2 da atmosfera por meio da fotossíntese. Além disso, também é preciso utilizar tecnologias que emitam menos e, mais importante, os humanos têm que reduzir as suas emissões diretas e indiretas. Os vídeos didáticos feitos pelo Laboratório de Manejo Florestal é uma estratégia de mobilização. Assim como é essencial que o setor produtivo, através da Comissão ESG, siga avançando seus alertas em relação às emissões de gases de efeito estufa, mostrando a cada um que é necessário fazer bem sua parte. A conscientização só ocorre quando é seguida por ações concretas que permitam assegurar a capacidade da floresta em absorver CO2. 

FUp – Entre os propósitos que reúnem academia e economia da ZFM, algumas iniciativas estão em andamento. Quais você considera mais importante?

Niro – Talvez, a mais importante é a decisão tomada pelo CIEAM e SUFRAMA em utilizar uma parte do distrito agropecuário, ainda protegido, para neutralizar o carbono emitido pelo Polo Industrial de Manaus. De quebra, essa área protegida servirá também de um importante abrigo para a biodiversidade. A ideia do consórcio CIEAM, SUFRAMA e instituições de ensino e pesquisa é consolidar o vale da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos.

FUp – Neste fim de semana, ocorrerá a primeira missão científica reunindo cientistas do INPA e lideranças empresariais. Qual é o escopo principal desta iniciativa?

Niro – A ideia principal é replicar os estudos que estão sendo realizados pelo INPA à margem esquerda da vicinal ZF2, para o lado direito da vicinal, que pertence à SUFRAMA. Do lado do INPA há estudos de monitoramento da floresta desde 1980 e estudos mais recentes relacionados com ciclagens de água, carbono e energia. Os trabalhos de campo envolvem coletas no solo, nos troncos, raízes e folhas das árvores e acima das copas das árvores. Para isso, há uma grua de 26 metros de alcance que se desloca em trilhas dentro da floresta e uma torre de 51 metros de altura, que está aparelhada para coletar dados da troca gasosa entre a biosfera e atmosfera. Com esta iniciativa, a Comissão ESG do CIEAM já pode mobilizar o setor produtivo da ZFM na direção da demonstração da efetiva possibilidade de neutralização do carbono emitido pelo Polo Industrial de Manaus.  

(*) Niro nasceu no Paraná, em 1952, e trabalha em Manaus, no Inpa, desde 1980.  É Engenheiro Florestal (UFPR 1975), Mestre (UFPR -1978), Doutor (Michigan State University 1987) e Pós-Doutor (University of Oxford 1998). Pesquisador em Recursos Florestais e Engenharia Florestal, com ênfase em Inventário e Manejo Florestal, é  membro titular da Academia Nacional de Engenharia (ANE) e da Academia Brasileira de Ciências (ABC). Único brasileiro a receber o prêmio Nobel da Paz, em 2007, com outros cientistas que trabalham na ONU, para estudos e defesa do Clima.

(**) Coluna follow up é publicada às quartas, quintas e sextas feiras no Jornal do Comércio do Amazonas, sob a responsabilidade do e coordenação editorial de Alfredo Lopes, consultor da entidade e editor geral do portal Brasil Amazônia agora

Alfredo Lopes

Alfredo Lopes

Escritor, consultor do CIEAM e editor-geral do portal BrasilAmazoniaAgora

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Notícias Recentes

No data was found
Pesquisar