Balança comercial recua e causa apreensão

Balança comercial registra déficit de US$ 1,12 bi em janeiro
Compartilhe:​

Vez por outra, dados sobre o mercado deixam o empresariado brasileiro muito apreensivo, como acontece agora sobre o mais recente desempenho das exportações e importações do País. Ontem, a AEB (Associação de Comércio Exterior do Brasil) divulgou sua previsão para a balança comercial de 2023.

Segundo a entidade, as exportações devem atingir US$ 325,162 bilhões, queda de 2,3% em relação aos US$ 332,825 bilhões estimados para este ano. Já as importações devem totalizar US$ 253,229 bilhões, com retração de 6,2% comparativamente aos US$ 269,900 bilhões estimados para 2022.

Quanto ao superávit comercial, a AEB estima que alcance US$ 71,933 bilhões, em 2023, com expansão de 14,3% sobre os US$ 62,925 bilhões previstos para este ano. O superávit de US$ 71,933 bilhões em 2023 será recorde, mesmo com previsão de queda das exportações e importações, e superará o recorde anterior de US$ 61,223 bilhões, apurado em 2020.

O presidente executivo da AEB, José Augusto de Castro, ressaltou, porém, que se trata de um superávit negativo, porque não gera nenhuma atividade econômica. “É um superávit negativo porque resulta de um duplo déficit e não gera nenhuma atividade econômica”, disse.

De acordo com Castro, as commodities (produtos agrícolas e minerais comercializados no mercado internacional) continuarão sendo o carro-chefe das exportações brasileiras no próximo ano, embora com possibilidade de queda das cotações no decorrer do período. “Já começa a acomodação dos preços, como resultado de uma série de fatores”, afirmou.

Entre esses fatores, Castro citou a desaceleração da economia mundial, o baixo crescimento econômico da China, a guerra da Ucrânia com a Rússia, a elevação da taxa de juros nos Estados Unidos e na União Europeia. “São todos fatores que fazem com que o comércio internacional e a economia não tenham aquecimento. Pelo contrário.”

Castro argumentou, por outro lado, que “qualquer que seja o preço”, as commodities continuarão liderando as exportações nacionais e admitiu que uma surpresa desagradável poderá surgir se a União Europeia decidir taxar as commodities como um todo. “Isso pode vir a afetar o Brasil a partir de 2024”. A expectativa, contudo, é que o Brasil continue com superávits altos, com as commodities atuando como carro-chefe das exportações.

Soja, petróleo e minério deverão responder por 35,7% das exportações brasileiras projetadas para 2023, revelando estabilidade em comparação aos 35% apurados em 2022. À exceção de automóveis e semiacabados de ferro e aço, que são produtos manufaturados, os demais 13 principais produtos exportados pelo Brasil são commodities.

Castro defendeu as reformas tributária e administrativa para reduzir o custo Brasil e levar os manufaturados a uma posição de destaque na balança comercial do País. “Nós dependemos de várias commodities e de poucos manufaturados”, apontou. De acordo com a AEB, a competitividade das exportações de manufaturados tem na América do Sul seu principal mercado de destino, mas a região enfrenta problemas políticos ou econômicos. “Não podemos contar com a América do Sul como um mercado final”, disse Castro. “Sem reformas, nós não saímos do lugar”, disse.

Para Castro, o câmbio flutuante permanece em patamar adequado. A taxa cambial deverá oscilar entre o piso de R$ 5 e o teto de R$ 5,70, durante 2023, influenciada por fatores políticos e econômicos internos ou externos. “Não haverá problema em relação ao câmbio, que ajuda a exportação. O custo Brasil é que tem de ser reduzido”, acrescentou o dirigente.

Nota abre Perfil

Transição influencia mercado

O mercado financeiro reagiu bem ao acordo fechado com o Congresso para elevar o teto de gastos por um ano, permitindo ao presidente eleito Lula bancar benefícios fiscais no bojo de suas principais promessas assumidas ainda durante a corrida presidencial. Ontem, as bolsas de valores registraram alta. Com isso, o governo de transição pode ganhar fôlego para pôr em prática medidas sociais voltadas para as camadas mais pobres da população.

Depois de amplas negociações, as expectativas é de que sejam mantidos os R$ 145 bilhões para o pagamento do Auxílio Brasil, que volta a se chamar Bolsa Família. No entanto, existe uma pedra no meio caminho até a consolidação da iniciativa – para aprovação das propostas, são necessários pelo menos 308 votos (em dois turnos) na Câmara. Outro iminente gargalo é que, se os deputados fizeram mudanças, a PEC volta para apreciação do Senado.

Convergindo

O prefeito de Manaus e o governador Wilson Lima divergiram sobre a melhor escolha para a presidência da Câmara de Manaus. Apesar disso, demonstram manter a mesma parceria que saiu vitoriosa na reeleição. Ontem, os dois apareceram em público demonstrando que ainda convergem nos mesmos ideais. Essa demonstração aconteceu durante a solenidade de regularização de imóveis de 10 mil famílias no bairro Nova Cidade, zona norte da cidade. São duas lideranças da nova geração.

Afago

David Almeida agradeceu ao governador pela parceira na regularização de áreas que, segundo ele, só foi possível com a união entre o Estado e prefeitura. Ele afirmou que não houve abalos na relação, mesmo com a eleição de Caio André (PSC), aliado de Wilson Lima, para presidente da CMM. Ontem, foi a primeira vez que os dois políticos se encontraram publicamente após a disputa envolvendo as eleições na Câmara, cada com as suas convicções sobre o melhor candidato. Agora, só muito afago.

Fundeb

Hoje, o governador Wilson Lima deve realizar uma coletiva de imprensa para fazer o anúncio oficial do pagamento de abono do Fundeb aos profissionais da educação. No ano passado, o governo estadual pagou R$ 12,6 mil de gratificação para professores da rede estadual com carga horária de 20 horas semanais. Trabalhadores com jornada de 40 horas receberam R$ 25,2 mil. E os de 60h, R$ 37,8 mil. Técnicos e servidores administrativos foram contemplados com R$ 12,6 mil. Boladas no final de ano.

Cassação

Mais um capítulo nos processos contra Silas Câmara (Republicanos). A procuradora do Ministério Público Eleitoral Lígia Cireno Teobaldo pediu a cassação do diploma do deputado federal reeleito. Desta vez, a representação tem “como motivação inconsistência nas informações de voos fretados que constam na prestação de contas do parlamentar”. Os fatos são gravíssimos, servindo como argumentação consistente para a cassação do diploma do acusado, segundo alega a magistrada.

Gastos

De acordo com as investigações, Silas Câmara gastou pouco mais de R$ 390 mil com fretamento de aeronaves. E há inconsistências nos dados sobre os voos realizados. Um exemplo são viagens para o Estado do Acre, base da mulher do parlamentar, a deputada federal Antônia Lúcia (Republicanos). Em outros casos, aeronaves não “ficaram nem uma hora nos municípios de destinos, o que contradiz a estratégia de promover campanha onde deveriam ocorrer comícios”. Muitas mutretas à vista.

Contas

Enfim, saiu o veredito. O TCE recomendou a aprovação das contas de 2021 do prefeito de Manaus, David Almeida, mas com ressalvas. Na votação realizada ontem, os conselheiros citaram gastos com publicidade. Agora, o parecer será enviado aos vereadores da Câmara Municipal de Manaus. A decisão foi unânime. O julgamento precisou ser adiado após pedidos de vista de Yara Lins dos Santos e Fabian Barbosa. E acabou tendo (posteriormente) um desfecho favorável às ações do gestor.

Crise

Futuro ministro da Justiça, Flávio Dino quer debelar a crise na PRF, que esteve sob os holofotes por supostamente ter sido condescendente com manifestantes pró-Bolsonaro inconformados com o resultado das urnas. Ele optou pelo policial rodoviário federal Edmar Camata, secretário de Transparência do Espírito Santo, para comandar a corporação.  Agora, o principal objetivo é colocar o órgão nos eixos, restabelecendo a sua principal função como ente da administração do poder púbico, segundo Dino.

Balançando

Ex-presidente dos EUA, Donald Trump deve ser processado por quatro crimes relacionados à invasão do Capitólio, sede do legislativo americano, conforme decisão de comissão que investigou o ataque ao local em 6 de janeiro de 2021. A investigação do caso encaminhou ao Departamento de Justiça documentos e evidências recomendando que o republicano seja processado. Entretanto, o departamento não é obrigado a seguir a recomendação.  Por ora, ele ainda está balançando.

FRASES

“Governo e prefeitura fazem justiça a essas pessoas”.

David Almeida (Avante), prefeito, ao regularizar áreas para 10 mil famílias.

“Vamos apaziguar crises”.

Flávio Dino, futuro ministro da Justiça, sobre mudanças na condução da PRF.

Redação

Redação

Jornal mais tradicional do Estado do Amazonas, em atividade desde 1904 de forma contínua.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário