Pesquisar
Close this search box.

Amazônia, com a Constituição debaixo do braço

Compartilhe:​

Luiz Augusto Barreto Rocha

presidente do Conselho Superior do Centro da Indústria do Estado do Amazonas – CIEAM

As entidades de classe da indústria amazonense, CIEAM, FIEAM, Abraciclo e Eletros, estiveram em Brasília, realizando interlocuções políticas indispensáveis ao momento de transição governamental e de reformas.

O Centro da Indústria do Estado do Amazonas (CIEAM) também interagiu com a mídia, esclarecendo ao país o que é a Zona Franca de Manaus (ZFM). Nestas entrevistas fomos enfáticos sobre os impactos positivos da indústria amazonense, ressaltando que ela é indispensável. Observamos as expressões de surpresa quando falam que a UEA é a maior universidade multicampi do Brasil, presente nos 62 municípios do Amazonas, sendo integralmente mantida com os impostos das indústrias aqui instaladas.

As manchetes da mídia nos alertam sobre o que não pode ser feito com o bioma ou o que acontece em termos de danos regionais e globais quando falta conhecimento e comprometimento com as fragilidades e efetivas potencialidades da região amazônica. Em resposta, ressaltamos que dentre os propósitos da Constituição Federal do Brasil está “erradicar a pobreza e reduzir as desigualdades sociais e regionais”.

Há clareza sobre o que é necessário fazer pela Amazônia, mas é necessário seguir a informar o que já vem sendo feito: apenas em 2022 as empresas do Polo Industrial de Manaus faturaram US$ 32 bilhões e foram agregados US$ 8 bilhões à região, com salários, fundos e contribuições.

De 2000 a 2018, em moeda corrente, foram gerados U S$ 148.5 bilhões pelo Amazonas e no mesmo período US$ 38.3 bilhões foram agregados na região. Necessário falarmos da governança destes recursos, para que ocorra a redução das desigualdades regionais. Também esclarecem os que na estrutura tributária da indústria da ZFM não existem gastos públicos.

Se for suspensa a compensação fiscal às empresas aqui instaladas, estas não migrarão para o Sudeste ou para o Nordeste e sim para o México ou para o Paraguai, dentre outros países.

O clima foi de ampliação da interlocução e dos necessários esclarecimentos, afinal a informação é indispensável para a superação dos preconceitos. Estaremos em Brasília e onde mais for necessário para detalhar e reafirmar que a melhor maneira de proteger os recursos naturais da Amazônia e a sua biodiversidade é pela promoção do desenvolvimento sustentável.

Isso significará atender às demandas sociais e proteger ou repor os estoques naturais, como afirma a Agenda 21 brasileira. Precisamos lembrar das oportunidades que podemos proporcionar ao Brasil se conseguirmos vencer a sabida insegurança jurídica que nos aflige frequentemente: a cadeia global de suprimentos foi rompida e é neste contexto que a capacidade industrial instalada em Manaus está de prontidão e apta a realizar a produção de suprimentos de todo tipo de insumos, muitos deles com escassez de oferta.

O melhor ingrediente para avançar nesta direção é resgatar, alinhar e fortalecer a interlocução com os governos local e federal, este último sob a coordenação da Suframa, amparada por 56 anos de experiência e pelos dispositivos constitucionais.

Sigamos em frente, com as lideranças empresariais firmes e com uma bancada política federal reconhecida e atuante. O propósito do CIEAM é “ser protagonista na sustentabilidade da indústria do Amazonas, vetor regional para o desenvolvimento do Brasil”. Desta forma, seguiremos, sempre esclarecendo ao país a nossa importância, de forma altiva e com um exemplar da Carta Magna debaixo do braço.

Redação

Redação

Jornal mais tradicional do Estado do Amazonas, em atividade desde 1904 de forma contínua.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Notícias Recentes

No data was found
Pesquisar