4 de julho de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Caderno: Português em Gotas

Verbos capciosos

Você há de estar se perguntando o porquê dessa adjetivação, eu explico. Escolhi para hoje alguns verbos que condizem à classificação de “capciosos”, dado ao fato de serem um tanto ardilosos, arguciosos para iludir-nos. São eles: “deseducar”; “supor”; “há anos atrás” (“Anos atrás”). DESEDUCAR Chegou até mim a dúvida se existia o verbo “deseducar”. Tanto existe o verbo quanto, por exemplo, o substantivo feminino “deseducação”. Vamos aos significados. “Deseducar. 01. Estragar a educação de. 02. Educar mal”. Ex: “os avós são pais com açúcar, duvido que essa doçura amorosa deseduque os netos. SUPOR O verbo “supor” é derivado do verbo

Respeito sempre é válido

Existe a máxima de que uma imagem vale mais do que mil palavras. Bem, e quanto se trata de cinco imagens? Apesar da maioria delas, citadas abaixo, serem autoexplicativas, ainda há pessoas que não sabem o significado, por exemplo, do laço colorido constante na placa. Além da linguagem escrita existem diversos tipos de linguagem, prestem atenção nisso e respeitem os estacionamentos preferenciais e as prioridades determinadas por lei, isso é cidadania, e não favor. IDOSOS Em virtude de nossos idosos estarem chegando aos sessenta anos cada vez mais dispostos, esse símbolo vem sendo substituído por um bonequinho esbelto acompanhado da

Sentar-se à mesa?

O hábito de reunir-se para as refeições voltou, e vemos com maior frequência famílias sentadas, interagindo, dialogando durante essas ocasiões em que tantos ensinamentos podem ser transmitidos, problemas podem ser minimizados ou solucionados. Hoje trarei algumas preposições, mas, antes, saberemos o que são preposições.  SENTAR NA MESA X SENTAR À MESA Preposição é a classe de palavras que conecta elementos entre si, é invariável e estabelece relação de vários sentidos entre as palavras que liga. Definição devidamente posta, vamos aos exemplos acima. Notem que ambos existem, mas é a preposição que definirá a semântica, o sentido de cada oração. Sentar

Passando a casa a limpo!

Em alguns estados do Brasil ainda se tem o hábito de dispor de uma pessoa para fazer as atividades domésticas, que não seja o próprio dono da casa. Nesse período atípico de isolamento social e com um inimigo invisível à nossa espreita, a higiene pessoal e de nossas casas passaram a ser mais criteriosas. No entanto, a ajuda proporcionada por esses “funcionários do lar” foi suspensa, pelo menos provisoriamente, até as coisas se amainarem. Sendo assim, arregacemos as mangas, estejamos munidos dos apetrechos de limpeza necessários e vamos à luta! SANEANTES São todos os produtos usados na limpeza e conservação

Um caminho? Por quê?

Assim, feito a vida, são os idiomas. Por que insistirmos em um só caminho, por que acharmos que só possuímos uma possibilidade? A vida está aí para nos ensinar a termos uma visão holística de tudo que nos cerca, está aí para evitarmos caminhos que restrinjam nosso olhar, nossas opções, principalmente quanto ao conhecimento. Ampliar os horizontes é tão maravilhoso quanto libertador. As palavras, em sua maioria, agregam em si mais de um significado, isto é, a pluralidade semântica pode, muitas vezes, ser comparada com a vida e com suas bifurcações. DANADO X LEVADO Não foi uma ou foram duas

Essa bossa…

Geralmente para essa coluna semanal ser composta surge uma inspiração, quiçá várias delas, e dessa vez não foi diferente. Afinal, escreve-se “bossa-nova” ou “bossa nova”? O que é “permissividade” e “generosidade”? E, ainda, qual a diferença entre “embaixadora” e “embaixatriz”? As indagações dessa semana não têm lá muita ligação umas com as outras, mas todas elas convergem para a pluralidade da língua portuguesa. É o quotidiano proporcionando questionamentos válidos e pertinentes. BOSSA-NOVA X BOSSA NOVA O adjetivo escreve-se com hífen. O substantivo não. Ex: 1. “Sou um apreciador de música bossa-nova”. 2. “São criativos os cantores bossa-nova.” (adjetivos). 3. “A

Provérbios e afins

Cada país carrega em si todo um arcabouço de riquezas, singularidades culturais, sociais e antropológicas que compõem o DNA dessa paragem. Os idiomas, em geral, estão atrelados e embricados a essas características, sofrendo influências definitivas, marcantes e importantíssimas que irão compor a estrutura linguística. Nesse aspecto observamos a existência dos provérbios e ditos/ditados populares que, mais adiante, entenderemos do que, ao certo, se trata, e qual a diferença entre um e outro.  PROVÉRBIOS X DITOS/DITADOS POPULARES Provérbios são poéticos e podem ser traduzidos em diversos idiomas, por isso são expressados em diferentes países. Quando um provérbio começa a ser muito

O que é o que é?

A todo momento a língua portuguesa nos desafia com suas particularidades, com seus detalhes, seus pormenores,  despertando nossa curiosidade linguística e nos impulsionando a adentrar nesse universo que só um idioma complexo e encantador pode oferecer. XARADA X CHARADA À primeira vista enxerga-se apenas uma forma acertada, mas, notem, os dois substantivos são dicionarizados, sendo que cada um tem sua definição.  “Xarada. s. f. Cronol. Uma das estações do ano do calendário hindu”.  E quanto ao outro? “Charada. s. f. 1. enigma em que se deve adivinhar uma palavra de várias sílabas decomposta em partes correspondentes a uma palavra definida

Cuidado para não escorregar

As palavras parônimas, parecidas, no entanto, com significados diferentes entre si, têm lugar cativo aqui no Português EM GOTAS, e o cuidado para possíveis escorregões é algo que reitero aos meus queridos leitores. A proximidade quanto à forma ou quanto ao som faz dessas “molecas” peças de tropeço na vida de muitos. Confesso já ter me “estabacado no chão” algumas vezes, mas faz tempo que estou  mais cuidadosa. SEJA  X SEJE O verbo “ser”, conjugado na 1.ª ou na 3.ª pessoa do singular do presente do subjuntivo, é “SEJA”. Ocorre que “SEJE” não existe na língua portuguesa, mas ainda se

Sinuosidades do idioma

Sinuosidades do idioma

Esse terreno tortuoso, íngreme, pouco previsível, quase movediço é sinônimo de língua portuguesa. Nele as linhas retas, sem arte e criatividade não existem, pois a todo momento nos deparamos com um labirinto instigante de vocábulos, expressões, variabilidades linguísticas, conjugações que nos impulsiona a desvendar os enigmas que tal idioma nos propõe. A PREÇO X APREÇO X APRESSO Estamos diante de três homônimas homófonas, isto é, palavras idênticas quanto ao som, mas díspares quanto à escrita e ao significado. Para desanuviar, que tal alguns exemplos? 1. “Lá as roupas estão sendo vendidas a preço de custo” (ao valor). 2. “Nutria um

Estrangeirismos desnecessários

Estrangeirismos desnecessários

Esses empréstimos de outros idiomas já foram comentados aqui no Português EM GOTAS, mas, hoje, particularmente, falaremos dos estrangeirismos possivelmente dispensáveis. Não é o caso em que a tradução, em língua portuguesa, mostra-se pouco satisfatória quando comparada ao significado da palavra em seu idioma originário. Isso pode ser ilustrado com o anglicismo “marketing”, o que será visto mais à frente. “MARKETING” Para entender um “estrangeirismo dispensável” é preciso ter em mente que há alguns estrangeirismos que não são dispensáveis, pelo contrário, são essenciais para a boa comunicação em língua portuguesa. O exemplo clássico é o anglicismo (estrangeirismo oriundo da língua

Vocabulário em tempos de Covid

Vocabulário em tempos de Covid

Temos experimentado tempos realmente difíceis, repletos de perdas, e, com eles, além de buscarmos manter a paz interior é preciso também nos ambientar com o vocabulário trazido por essa pandemia. Para hoje, escolhi algumas palavras que têm sido muito pronunciadas ultimamente. São elas: o substantivo feminino “cepa” e os substantivos masculinos oxímetro e álcool 70. CEPA Primeiramente, a vogal “e” do substantivo feminino “cepa” possui o timbre fechado. Então, a pronúncia “cépa” está incorreta e precisa ser evitada. Mas, afinal, o que significa “cepa”? Há, pelo menos, seis acepções no dicionário, seis significados para a palavra “cepa”. Aqui, no entanto,