23 de maio de 2022

Caderno: Fazendo História

O Rio Negro é o mais forte

Com quase 80 anos de existência da sede, e 108 do time de futebol, o Rio Negro tem tudo para voltar a ‘abafar’

O adeus da bela da selva

Terezinha Morango partiu aos 84 anos, mas sua vida foi repleta de alegrias e glamour desde a juventude

Auge e ocaso do Cine Eden

O Cine Eden fez a alegria dos cinéfilos por mais de 40 anos, mas há doze anos está abandonado

Heróis esquecidos

Brasileiro não tem o costume de cultuar ou homenagear seus verdadeiros heróis. Prefere criar falsos heróis e a estes dedicar atenção esquecendo-se, inclusive, daqueles que deram a vida pelo país. No próximo dia 27 completa 156 anos da partida dos amazonenses que foram lutar na Guerra do Paraguai (1864/1870) e até hoje nenhum deles foi reverenciado pelo seu feito, excetuando-se Henrique e Luiz Antony, pai e filho, que dão nome a ruas no Centro de Manaus. Henrique era italiano e voltou com vida para Manaus, mas Luiz não teve a mesma sorte, morrendo em solo paraguaio, mas os números dos

Idas e vindas da capivara

Quando o dinheiro corria fácil nos tempos áureos da borracha, alguns seringalistas viviam muito bem, ainda que no meio da floresta

As enfermeiras de Manaus

As enfermeiras de Manaus

Antes eram irmãs religiosas que atuavam como enfermeiras, mas com o tempo a profissão só se enriqueceu

Uma vez Cassina, sempre Cassina

Uma vez Cassina, sempre Cassina

Primeiro, Café Restaurant Amazonense, em 1894; depois café, restaurante e pensão, em 1896; em anúncios de 1899 já aparece como Hotel Cassina; e desde 18 de novembro de 2020, Casarão da Inovação Cassina, um centro de empreendedorismo e inovação de desenvolvimento tecnológico para fomento de startups. Quem chega à praça D. Pedro II, não deixa de notar o imponente prédio do Casarão de Inovação Cassina. Por quase seis décadas abandonado, permaneciam em pé apenas suas paredes externas. O telhado, o piso entre o primeiro e o segundo andar e as paredes internas há muito haviam desabado. Agora, o prédio possui

O menino que queria ser médico

O menino que queria ser médico

Luiz Fernando Nicolau deixou para trás sua pequena Paraíba do Sul em busca de concretizar um sonho

Natal nas páginas do JC

Natal nas páginas do JC

Há 116 anos o Jornal do Commercio noticia como é o Natal dos manauaras. Pesquisamos e encontramos muitas curiosidades

Era uma vez um Chapéu

Era uma vez um Chapéu

Símbolo do regionalismo amazônico, o restaurante Chapéu de Palha só resistiu por 18 anos, até ser destruído

Quem é Rei…

Quem é Rei…

Há 50 anos acontecia a primeira edição da Travessia Almirante Tamandaré e o primeiro vencedor foi um curumim do Pará